Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias Holofote
Você está em:
/

Notícia

Oferecimento

"Melhor SAF do Brasil", diz Paulo Carneiro sobre parceria entre Bahia e Grupo City

Por Hugo Araújo

"Melhor SAF do Brasil", diz Paulo Carneiro sobre parceria entre Bahia e Grupo City
Foto: Reprodução/Bahia Notícias

Durante a sua participação no Bargunça Podcast, no canal do Bahia Notícias no YouTube, nesta terça-feira (11), o ex-presidente do Vitória, Paulo Carneiro, afirmou que a parceria entre o Bahia e o Grupo City representa "o melhor negócio a nível de SAF já feito no Brasil".

 

"É a melhor SAF do Brasil. O Grupo City tem uma das melhores organizações de tecnologia de futebol do mundo no Bahia. Não precisa dizer mais nada. O cara que comanda o City foi quem fez a revolução no Barcelona", comentou Paulo Carneiro.

 

O ex-mandatário rubro-negro seguiu explicando o modelo de negócio tricolor e rebateu as afirmações do atual presidente do Vitória, que disse em maio que “se o Bahia vale 1 bilhão, o Vitória vale uns 3 bilhões”.

 

"O Bahia vendeu os seus ativos de futebol e marketing por R$ 1 bilhão. Eles assinaram com a Associação Bahia um contratado e obrigação de fazer. Obrigação de pagar dívida, investir no futebol, investir na base. Quando ele acabar de cumprir, ele pode gastar o que ele quiser e não quiser porque ele passa a ser dono do negócio. Ele só não será se não cumprir o contrato de obrigações. Se esse contrato de obrigações fosse R$ 2 bilhões ao invés de R$ 1 bilhão. Ia sobrar R$ 1 bilhão para Associação. Esse dinheiro não ia servir para nada. Quando você ver, o nosso presidente (Fábio Mota) dizer que vai valer R$ 3 bilhões, o que o Vitória vai fazer com esse dinheiro? Vai fazer nada porque não tem mais futebol, ele está na SAF. O cara quando fala para gente ignorante, todo mundo acredita, mas se ele fala para gente minimamente inteligente, ele não resiste cinco minutos e papo comigo", disse o ex-presidente do Vitória.