Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias Saúde

Saúde

Você está em:
/
Saúde

Colunistas

Podcast Bengalas discute visão da antropologia sobre a revolução da longevidade

Podcast Bengalas discute visão da antropologia sobre a revolução da longevidade
Foto: Divulgação
A longevidade da população brasileira não traz apenas demandas sobre saúde e estrutura, mas promove uma mudança significativa na construção do país enquanto sociedade. E o psicólogo Carlos Linhares foi convidado pelo Podcast Bengalas para trazer também uma visão antropológica sobre essa revolução.

Podcast Bengalas: Geriatra fala sobre conceito de Capacidade Intrínseca e impacto na saúde física e mental

Podcast Bengalas: Geriatra fala sobre conceito de Capacidade Intrínseca e impacto na saúde física e mental
Foto: Divulgação
Capacidade Intrínseca (CI), de acordo com o conceito introduzido pela Organização Mundial da Saúde, é o composto de todas as capacidades físicas e mentais de um indivíduo, avaliadas por cinco domínios: Cognição, Humor, Sensorial, Locomoção e Vitalidade. E quando se fala do cuidado de idosos, essa visão completa e complexa é essencial não só para a saúde dos pais, mas também dos filhos e demais membros da família. Para explicar as implicações desse debate, o Podcast Bengalas recebe, nesta terça-feira (7), a Geriatra e Gerontóloga Cristiane Machado.

Últimas notícias

Ministério da Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19
Foto: Ravena Rosa / Agência Brasil

O Ministério da Saúde anunciou o lançamento de uma nova campanha de vacinação contra a covid-19, após a chegada da primeira remessa de doses atualizadas. A meta é imunizar pelo menos 70 milhões de pessoas com as novas vacinas.

 

De acordo com a Agência Brasil, o Brasil recebeu, na primeira quinzena de maio, 9,5 milhões de doses atualizadas contendo a variante XBB.1.5. Segundo comunicado oficial, as vacinas estão sendo distribuídas aos estados conforme o agendamento junto à operadora logística.

 

“Muitos estados já começaram a aplicar as vacinas monovalentes XBB. O primeiro lote começou a ser entregue no dia 9 de maio aos estados, que têm autonomia para começar a aplicação imediatamente”, declarou o ministério.

 

O quantitativo de doses recebidas configura uma aquisição emergencial, suficiente para suprir estados e municípios até que novas aquisições sejam concluídas.

 

“As primeiras doses possuem data de validade para os meses de junho e julho de 2024, inscrita nos frascos, mas estendida pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para setembro e outubro de 2024, conforme recomendado por órgãos de avalição internacional”, afirmou o ministério.

 

A vacina covid-19 monovalente XBB tem seu perfil de segurança reconhecido devido ao amplo uso em outros países e é semelhante ao das versões bivalentes, com a vantagem de ser adaptada para a variante XBB.1.5.

 

“As vacinas ofertadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) são eficazes, efetivas, seguras e passam por um rigoroso processo de controle de qualidade antes de chegarem aos braços da população”, concluiu o comunicado oficial do Ministério da Saúde.

Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19

Por Redação

Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19
Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

 

Após receber a primeira remessa de doses atualizadas contra a covid-19, o Ministério da Saúde lançou uma nova campanha de vacinação contra a doença. A proposta é imunizar pelo menos 70 milhões de pessoas.

 

Na primeira quinzena de maio, o Brasil recebeu 9,5 milhões de doses atualizadas com a variante XBB.1.5. Em nota, o ministério informou que as vacinas estão em processo de distribuição aos estados, de acordo com o agendamento junto à operadora logística.

 

“Muitos estados já começaram a aplicar as vacinas monovalentes XBB. O primeiro lote começou a ser entregue no dia 9 de maio aos estados, que têm autonomia para começar a aplicação imediatamente.”

 

O quantitativo de doses, segundo a pasta, configura uma espécie de aquisição emergencial, suficiente para abastecer estados e municípios até que as próximas aquisições sejam concluídas.

 

“As primeiras doses possuem data de validade para os meses de junho e julho de 2024, inscritas nos frascos, mas estendida pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para setembro e outubro de 2024, conforme recomendado por órgãos de avaliação internacional.”

 

NOVA VACINA 

De acordo com a pasta, o perfil de segurança da vacina covid-19 monovalente XBB é conhecido em razão do amplo uso em outros países e semelhante ao das versões bivalentes, “com a vantagem adicional de ser adaptada para a variante XBB.1.5”. As informações são da Agência Brasil.

 

“As vacinas ofertadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) são eficazes, efetivas, seguras e passam por um rigoroso processo de controle de qualidade antes de chegarem aos braços da população”.  

Médicos destacam importância do diagnóstico precoce da mucopolissacaridose, doença genética rara
Foto: Edison Rodrigues / Agência Senado

Especialistas em saúde alertam para a necessidade de conscientização e conhecimento sobre as mucopolissacaridoses (MPSs), doenças genéticas raras que afetam principalmente meninos e demandam diagnóstico precoce e tratamento adequado. Este mês, o Dia Internacional de Conscientização sobre as MPSs trouxe à tona a importância desse tema.

 

As MPSs, também conhecidas como Síndrome de Hunter ou MPS-II, são ocasionadas por uma falha genética no cromossomo X. Segundo o geneticista Roberto Giugliani, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e co-fundador da Casa dos Raros, essas doenças são caracterizadas pelo acúmulo de mucopolissacarídeos, substâncias importantes para diversas funções do organismo. No entanto, indivíduos com MPS não conseguem degradar adequadamente esses componentes, levando ao acúmulo e a uma série de complicações.

 

De acordo com informações da Agência Brasil, os sintomas, que podem ser perceptíveis nos primeiros meses de vida, incluem aumento do fígado e baço, rigidez nas articulações, atraso na fala e perda de habilidades adquiridas. Porém, esses sinais podem ser confundidos com outras doenças, dificultando o diagnóstico precoce e levando a tratamentos inadequados.

 

Os pacientes com Síndrome de Hunter podem apresentar uma série de complicações graves, incluindo dificuldades para caminhar, problemas cardíacos, visuais, auditivos e respiratórios, além de comprometimento neurológico progressivo.

 

Apesar de não ser difícil diagnosticar a doença, a disponibilidade de exames específicos ainda é limitada em muitos locais. O teste do pezinho, que já é previsto em lei desde 2021, poderia ser expandido para incluir as MPSs, permitindo detectar precocemente o tipo II, mais comum no Brasil, e garantindo tratamento adequado.

Monitoramento do glaucoma evitou cegueira em 300 mil brasileiros
Foto: Marcelo Casal / Agência Brasil

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) divulgou dados alarmantes sobre o glaucoma no Brasil. Nos últimos cinco anos, aproximadamente 300 mil brasileiros foram acompanhados e tratados para evitar a perda total da visão devido à doença, que é atualmente a principal causa de cegueira irreversível no mundo. O Dia Nacional de Combate ao Glaucoma é celebrado neste domingo (26).

 

Durante o período de janeiro de 2019 a dezembro de 2023, os médicos oftalmologistas da rede pública prestaram atendimento a esses pacientes, oferecendo tratamentos medicamentosos de forma gratuita. Esse serviço teve um impacto positivo significativo na assistência oftalmológica do Sistema Único de Saúde (SUS), reduzindo consideravelmente as chances de pacientes com glaucoma desenvolverem quadros graves com perda irreversível da visão.

 

Segundo o CBO, estima-se que mais de 1,7 milhão de pessoas no Brasil tenham glaucoma. Considerando uma projeção conservadora, 2% da população acima de 40 anos pode ser afetada pela doença. Essa estimativa foi baseada nos dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2022, que indicou que a faixa etária acima de 40 anos concentra cerca de 85,9 milhões de pessoas.

Rio Grande do Sul investiga mais de 800 casos suspeitos de leptospirose
Foto: Gustavo Mansur / Pálacio Piratini

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul está analisando mais de 800 casos suspeitos de leptospirose. O número de ocorrências da doença cresce após as enchentes que atingiram 365 municípios do estado.
 

Até este sábado (25), foram 1.072 notificações —pacientes que relataram sintomas— e 54 casos confirmados. Houve quatro mortes e há outros quatro óbitos em investigação.
 

A primeira vítima foi um homem de 67 anos, residente do município de Travesseiro, no vale do Taquari. As outras mortes ocorreram em Porto Alegre, Cachoeirinha e Venâncio Aires.
 

Testes para detectar a infecção estão disponíveis em unidades de saúde de todo o estado. O governo Eduardo Leite (PSDB) instrui todos os moradores a realizarem a checagem em caso de sintoma da doença.
 

SINTOMAS E TRATAMENTO
 

A leptospirose é uma doença infecciosa causada pela bactéria Leptospira interrogans. Ela pode estar presente no rato, no cachorro, no porco, na vaca e na cabra. A bactéria se aloja nos rins desses animais, que a eliminam pela urina.
 

O contágio acontece por meio do contato com a urina dos animais infectados, o que pode ocorrer na água das enchentes. Machucados pelo corpo favorecem a contaminação, mas a bactéria penetra na pele mesmo quando não há lesões.
 

A doença pode ser assintomática. Quando há sintomas, o paciente tem dor no corpo e na cabeça, febre alta, de 38,5º C, 39º C, diarreia, náuseas, vômitos, dor na panturrilha e conjuntivite (ou olhos avermelhados). Por ser confundida com outras doenças infecciosas, muitas vezes o atendimento é postergado.
 

Nas formas graves, a manifestação da leptospirose é a síndrome de Weil. O paciente tem icterícia, hemorragia pulmonar e insuficiência renal, parando de urinar. Ele fica sonolento, confuso e precisa ser cuidado numa UTI (Unidade de Terapia Intensiva).
 

A leptospirose pode ser tratada com antibióticos de amplo espectro, como doxicilina ou amoxicilina. Para a fase tardia, a penicilina e outros antibióticos derivados dela.

Entenda o que é malária, doença ocasionou uma morte na Bahia após 6 anos sem óbitos
Foto: Divulgação/SES-TO

A Bahia registrou no último dia 16 uma morte por malária, após 6 anos sem notificações de óbitos no estado. Na ocasião, a Secretária de Saúde do Estado (Sesab) informou que o caso foi considerado importado, já que o paciente não residia na Bahia e a infecção teria ocorrido fora do estado. 

 

A enfermidade, que é transmitida infecciosa causada pela picada de mosquitos infectados, ainda é considerada como um dos grandes problemas de saúde pública no mundo, já que pode impactar no índice de pessoas que vão a óbito em decorrência da enfermidade, principalmente em alguns países tropicais e subtropicais, onde é endêmica. 

 

Conforme dados do Ministério da Saúde, no Brasil, os números de diagnósticos de malária diminuíram progressivamente de 2010 a 2016, registrando um aumento no ano de 2017 e voltando a reduzir nos anos seguintes. 

 

Foi em 2017 inclusive, que o cantor Tony Sales foi diagnosticado com a doença e passou mais de dez dias internado em tratamento (relembre aqui) . Na ocasião, o artista perdeu 10 kg com a doença. Felizmente, logo depois, o músico se recuperou e voltou aos palcos com a banda Parangolé. 

 

Mesmo com o perigo, a doença ainda é desconhecida por parte da população. Para entender melhor o que seria a malária e explicar as principais causas e formas de prevenção, o Bahia Notícias conversou com a médica infectologista Clarissa Cerqueira. 

 

Segundo a especialista, a enfermidade é ocasionada por um protozoário, onde duas principais ‘espécies’ podem causar um quadro ‘mais grave’ e outro ‘mais leve’. 

 

“A malária é uma doença ocasionada por um protozoário. Diferente desses outros agentes [bactéria ou vírus]. Temos duas grandes espécies principais que causam malária. Uma que causa um quadro mais grave que pode levar a óbito e outra que causa um quadro mais leve. Aqui na Bahia, a gente não pensa com muita frequência, pois não temos muita circulação de malária aqui, não é algo comum. Porém, se o paciente viajou e relatou que fez uma viagem e ele tem sintomas compatíveis, a gente tem que pensar em malária”, explicou Cerqueira. 

 

Entre os sintomas mais compatíveis citados pela médica estão a febre alta e dores no corpo.

 

“Neste quadro compatível, o que mais chama atenção é a febre alta em geral com dor no corpo. A gente pensa até que seria um diagnóstico diferencial, por exemplo com dengue. Só que não temos malária aqui com frequência, não testamos e não investigamos. Só apuramos quando o paciente diz que esteve na Amazônia, na África e está apresentando esse quadro aí a gente pensa [na malária], caso contrário não”,  disse Clarissa. 

 

A infectologista explicou também sobre como acontece a transmissão e as formas de proteção da doença. 

 

“A transmissão é por picada de mosquito. Tem que usar repelente, o que a gente tem para se proteger é o uso de repelente. Pode usar tela, repelente para corpo, isso tudo é a forma principal de prevenção. Tem também medicação para prevenir, caso a pessoa vá para algum lugar que a malária esteja circulando, a exemplo da Amazônia, Safari na África do Sul, aí temos medicações para o paciente evitar”, observou. 

 

DIAGNÓSTICO

A infectologista contou também como funciona o diagnóstico de pacientes com malária.

 

“O diagnóstico é feito com o que a gente chama de teste de gota espessa. Coletamos uma gota de sangue do paciente, colocamos na lâmina e observamos no microscópio. Só que assim, a pessoa que vai fazer o teste tem que ser muito bem treinada e capacitada. Então não é todo lugar que é feito. Até em hospital privado em geral, a gente tem que mandar para o Lacen ou para o Couto Maia, para uma pessoa específica que foi treinada para fazer esse teste, pois ela vai visualizar esse sangue no microscópio e tem que procurar o parasita lá. Tem que saber reconhecer. Então é um teste que não é todo lugar que faz por conta disso”, apontou. 

 

Apesar da doença ter chance de ser mais grave em alguns casos, a médica pregou cautela e informou que a doença não é motivo de grande preocupação no momento. 

 

“A malária tem que ficar sempre observando e vigiando, pois mosquito a gente sabe que tem. É só ficar acompanhando a questão dos casos e a gente sabe que este último caso foi importado. Então eu não me preocuparia ainda com esse caso agora”, pontuou. 

 

De acordo com a especialista, o imunizante contra a enfermidade está em estudo , mas a vacina ainda não está disponível em estudo oficialmente.

“Educação Positiva”: Conheça método que prioriza gentileza e valoriza expressão de sentimentos das crianças
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

O processo educativo nas escolas e em casa vem passando por mudanças diante dos avanços dos estudos relacionados à psicologia e ao comportamento humano. Se você é um adulto desta era, certamente já notou a diferença na educação de crianças na atualidade e que os métodos mais recentes utilizados deixam de lado as punições que eram utilizadas no passado. Pais e educadores têm se aproximado cada vez mais da educação positiva, que tem como premissas uma abordagem baseada na gentileza, considerando a criança como indivíduo próprio. 

 

Tassia Velloso, psicóloga e psicoterapeuta familiar sistêmica, explicou ao Bahia Notícias que a educação positiva se baseia no cuidado com o bem-estar, desenvolvimento de competências emocionais e promoção da autoconfiança nas crianças. Entretanto, diferente do que alguns acreditam, existe o estabelecimento de regras, espaço para o diálogo, respeito mútuo e incentivo à reflexão de atitudes.

 

“Uma criança é olhada na sua integralidade, com suas fragilidades e competências, ela é reconhecida como um todo. Ela não é vista apenas quando é boa, logo ela é amada em todas as suas versões, mesmo as mais disfuncionais. [...] Se, diante de um erro, ela receber uma punição, você não está ensinando sobre o comportamento inadequado, você não explicou para ela o porquê não foi bom o que ela fez, você não abriu espaço para ela refletir. Por que você espera que ela não repita esse comportamento? Para qualquer mudança de postura é necessário que haja um aprendizado e para aprender é necessário dialogar”, pontuou a psicóloga. 

 

Mas começar a trabalhar com educação positiva dentro de casa é uma tarefa desafiadora. De acordo com a especialista, um dos obstáculos que os pais acabam tendo que enfrentar é o autocontrole diante a situações de descontrole emocional dos filhos. A partir disso, os responsáveis precisam se reinventar na hora da "bronca", não partindo apenas para repressão e anulação da voz da criança.

 

“Primeiro passo é entender que introjetar na sua prática que quanto mais impaciente e agressivo o adulto se coloca, mais ele cria um mundo de distanciamento dos seus filhos. Crianças são crianças porque estão aprendendo sobre o mundo à sua volta. Se os pais não sabem controlar os seus impulsos, por que a criança deveria ter suas emoções tão organizadas? A raiva, o tapa, o grito não vão educar. O que vai educar seu filho é o amor, o respeito que você tem por ele, o espaço que você permite que ele se expresse, com direcionamento e presença”, citou Velloso. 

 

A psicoterapeuta destacou ainda que lidar com as próprias vontades e permitir todo esse espaço para a criança é um grande desafio. Mas, como dica aos pais, a especialista sugere que os adultos busquem se aproximar mais dos pequenos, escutando verdadeiramente, dando atenção ao que é dito e validando os feitos mais simples e conquistas. 

 

EDUCAÇÃO POSITIVA NAS ESCOLAS 

Alguns métodos de educação utilizados em sala de aula no passado envolviam uso de palmatória e “cantinho do pensamento” como formas de punição. O que a psicóloga Tassia Velloso argumenta é que maneiras mais agressivas, como grito, geram medo, revolta e mais descontrole. 

 

Para Ana Lúcia de Vita, pedagoga com especialização em alfabetização, a educação positiva é mostrar para criança que ela pode demonstrar os sentimentos dela, de uma maneira que não agrida o outro. 

 

“Na sala de aula, podemos justamente mostrar à criança todos os caminhos que ela tem para expressar os sentimentos, as frustrações, poder dizer: eu sei, eu não sei, eu quero, eu não quero... E buscar os caminhos possíveis para lidar. A educação positiva, acima de qualquer coisa, é o diálogo, é a conversa. É respeitar o outro. O diálogo é fundamental”, afirmou. 

 

Segundo a pedagoga, os alunos passam a sentir confiança e respeito no professor através da educação positiva. “Quando você chega para uma criança e deixa ela falar, deixa ela se abrir, deixa ela expor o que está acontecendo, você consegue compreender e mostrar a essa criança o que é errado através de um diálogo.  Acredite, elas passam a respeitar mais e a ter um carinho pelo professor”, salientou. 

 

A pedagoga explicou também que a participação familiar na escola é um fator importante para o desenvolvimento da criança. Ela completa dizendo que os responsáveis precisam entender que esse método de aprendizado não tem a ver com permitir tudo e que a criança tem que entender que existem momentos. 

 

Conforme ressaltou a psicóloga Talita Velloso, a permissividade é bem diferente de estabelecer uma comunicação não violenta. “É possível trazer gentileza e escuta, mesmo nos mais desafiadores limites. Mas para isso é preciso quebrar padrões e construir novas pontes”, finalizou a especilista. 

Pioneiro no Brasil, Pestalozzi celebra 70 anos de fundação

Por Redação

Pioneiro no Brasil, Pestalozzi celebra 70 anos de fundação
Foto: Divulgação

Gestores, professores, pais e estudantes se reuniram, nesta sexta-feira (24), no Centro Estadual de Atendimento Educacional Especializado Pestalozzi da Bahia (CAEEPB), no bairro de Ondina, para comemorar os 70 anos da instituição, que é pioneira na oferta de atendimento educacional especializado para pessoas com deficiência na Bahia e a primeira no Brasil a atender pessoas com Transtorno Espectro Autista (TEA). 

 

"Celebrar 70 anos de existência é celebrar uma história de dedicação, inclusão e muitas conquistas. Eu digo que aqui, no Pestalozzi, nós fazemos um trabalho de semeadura. Esse não é um trabalho que vai terminar agora, mas que as sementes já estão produzindo bons frutos. Essa comemoração é, também, uma forma de mostrar à sociedade tudo que está sendo feito para a melhoria da condição escolar e social dos estudantes com TEA”, declarou a diretora do Pestalozzi, Maria Eugênia Ribeiro.

 

A abertura do evento contou com um momento musical proporcionado pelo estudante Eduardo dos Santos Caetano, de 17 anos. Ao som da flauta, o jovem encantou os presentes com suas interpretações para "Hallelujah", de Leonard Cohen, e "Anunciação", de Alceu Valença. "Eu estava bastante nervoso, mas o professor Valney me ajudou com o violão e eu consegui tocar melhor. Gosto muito do centro, me sinto livre quando estou aqui", disse.

 

Além de Eduardo, os alunos Walfran Araújo Santos Júnior e Guilherme Vinícius Corrêa Santana apresentaram músicas que animaram a plateia. A programação contou, ainda, com a exibição de vídeos com depoimentos de estudantes, gestores e professores e familiares que fizeram parte da história da unidade, ao longo das últimas sete décadas, e uma apresentação do coral de professores, sob a regência do professor Valney José Silva dos Santos.

 

O sentimento de gratidão também foi compartilhado por Rosália Aguiar das Neves, mãe dos estudantes Magno, 39 anos, e Fernanda, 23 anos, alunos da instituição. "Ter um filho com TEA lhe torna uma pessoa muito guerreira, é muita luta. Gostaria de agradecer os professores, as meninas da recepção, as gestoras, todo o pessoal da secretaria e a todos os funcionários da instituição. Eu espero que o Pestalozzi siga com a sua caminhada e, se Deus quiser, que dure mais 70 anos", afirmou.

 

PESTALOZZI DA BAHIA  

Ao longo de seus 70 anos, o Centro de Atendimento Educacional Especializado Pestalozzi da Bahia, anteriormente conhecido como Instituto Pestalozzi da Bahia (IPB), passou por uma revolução educacional significativa, transformando seu papel na educação brasileira. Fundado em 1954, o centro atendia, inicialmente, crianças e jovens carentes com deficiência em um contexto de grande desamparo educacional e de saúde. Transferido para Ondina, em 1966, a unidade focou em Deficiência Intelectual (DI) e, posteriormente, expandiu seus serviços para incluir Transtorno do Espectro Autista (TEA). Com a Constituição de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases de 1996, a Educação Especial foi reconhecida politicamente, permitindo que o Pestalozzi oferecesse Atendimento Educacional Especializado (AEE). 

 

Desde 2011, o centro atende, exclusivamente, alunos com TEA, promovendo a inclusão escolar, social e a melhoria da qualidade de vida. Olhando para o futuro, o Pestalozzi da Bahia continua comprometido em tocar vidas e construir um legado duradouro. Atualmente, o centro atende 393 estudantes e conta com um quadro de 75 profissionais, incluindo gestores, coordenadores, professores, técnicos e estagiários do Programa Partiu Estágio, além do apoio de mais 18 funcionários.   

Clínicas de estética oferecem tratamento com plasma rico em plaquetas sem liberação da Anvisa
Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O uso do plasma rico em plaquetas (PRP), além de ser uma das grandes apostas do mercado estético, é fonte de controvérsia. É a base do procedimento apelidado de "vampire facial" —popularizado por Kim Kardashian— e consiste na injeção de uma solução com alta concentração de plaquetas, extraídas do sangue do próprio paciente a partir de centrifugação, no rosto.
 

Com a promessa de regenerar as células, esse tipo de intervenção é grande aposta no mercado de medicina regenerativa, mas as agências reguladoras do Brasil ainda não bateram o martelo sobre seu uso.
 

O PRP não é regulamentado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e é considerado experimental em qualquer área da medicina pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Segundo o órgão médico federal, o procedimento continua a ser monitorado e passa por reavaliação na Comissão de Novos Procedimentos.
 

Segundo Maria Roberta Martins, médica e integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, existem estudos que sustentam a eficácia do PRP na estética, e vários países fazem uso da tecnologia, mas pesquisas "de maior nível de evidência científica" ainda são necessárias.
 

Apesar do caráter experimental e da falta de regulamentação da Anvisa, não é difícil encontrar dermatologistas e clínicas de estética que vendem o PRP. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o PRP só pode ser usado dentro de protocolos de pesquisa no Brasil, de modo que pacientes não podem ser cobrados.
 

A Folha contatou alguns estabelecimentos que anunciavam o procedimento na internet, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os preços variam, mas ficam na casa dos milhares de reais. Uma das clínicas consultadas cobra cerca de R$ 2.400 por sessão. Outra, varia de R$ 2.500 a R$ 3.000, mas depende de uma avaliação prévia.
 

Martins afirma que os riscos do procedimento são como os de outras intervenções cirúrgicas —como infecções. O uso do sangue e das agulhas torna o PRP delicado.
 

Nos Estados Unidos, o armazenamento descuidado do material em uma clínica no Novo México acendeu alertas vermelhos. Cinco pessoas contraíram HIV depois que algumas mulheres fizeram o "vampire facial" no lugar.
 

O spa, que também aplicava botox, tinha uma série de problemas de segurança contra infecções, como o armazenamento de tubos de sangue sem rótulo em uma geladeira da cozinha, ao lado de alimentos, e seringas espalhadas pelo local. Alguns frascos de sangue apresentavam sinais de reutilização.
 

Questionada sobre o tema da PRP especificamente, a Sociedade Brasileira de Dermatologia encaminhou duas notas publicadas no site do órgão em outubro de 2023 e março de 2024 sobre a necessidade de tomar cuidado com procedimentos, inclusive invasivos, realizados por profissionais que não são médicos.

Secretaria de saúde aplica imunizante contra influenza e dengue em mais de 40 pontos neste sábado

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Salvador realiza mais uma edição do Sábado da Vacina neste dia 25. A população vai contar com a vacinação em uma universidade e estação de ônibus e metrô, além dos shoppings, supermercados e unidades de saúde. No total, serão 41 pontos em locais estratégicos para o público-alvo. 

 

Estão habilitados para a vacina contra a dengue, os pré-adolescentes e adolescentes de 10 a 14 anos; já para gripe está habilitado todo o público acima de seis meses de idade.  É importante destacar que bebês e crianças menores de 12 anos serão vacinadas SOMENTE em postos de saúde, Isso inclui os habilitados a tomar a vacina da dengue (10 a 14 anos); já os pontos externos (shoppings, supermercados e estação de transbordo) acolherão EXCLUSIVAMENTE os interessados a partir de 12 anos.

 

Para tomar a vacina da dengue, é necessário apresentador o Cartão SUS de Salvador e documento original com foto; em relação a Influenza, é desejável cartão de vacina e o documento original com foto.

 

“Oportunizar o acesso facilitado à vacina é nossa prioridade. Então, estamos sempre realizando uma escuta sensível e pensando nisso que nossas equipes estão a postos durante os finais de semana,  buscando novas parcerias em lugares de grande circulação de pessoas, como desta vez que estaremos em uma estação de transporte público e numa universidade”, destaca a vice-prefeita e secretária da SMS, Ana Paula Matos.

 

PONTOS DE VACINAÇÃO

 

DS SÃO CAETANO/VALÉRIA

USF SAN MARTIN II (vacina influenza) - 8h às 16h

USF JAQUEIRA DO CARNEIRO (vacina influenza) - 8h às 16h

USF ALTO DO PERU (vacina influenza) - 8h às 16h

USF BOA VISTA DO SÃO CAETANO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF CAPELINHA (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF RECANTO DA LAGOA II (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS CENTRO HISTÓRICO

HOME CENTER FERREIRA COSTA - BARRIS (vacina influenza) - 9h às 16h

UBS SANTO ANTÔNIO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS BOCA DO RIO 

USF IMBUI (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

SUPERMERCADO HIPERIDEAL - ARMAÇÃO (vacina influenza) - 9h às 16h

 

DS PAU DA LIMA

UBS CASTELO BRANCO (vacina influenza) - 8h às 16h

USF SÃO MARCOS I (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF CANABRAVA (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

UBS PIRES DA VEIGA (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF JOÃO ROMA (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

SHOPPING PONTO ALTO (vacina influenza) - 9h às 16h

 

DS ITAPUÃ

SALVADOR NORTE SHOPPING (vacina influenza) - 9h às 16h

HOME CENTER FERREIRA COSTA - PARALELA (vacina influenza) - 9h às 16h

USF ITAPUÃ (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

UBS SÃO CRISTOVÃO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS BROTAS

ATAKAREJO - VASCO DA GAMA (vacina influenza) - 9h às 16h

USF SANTA LUZIA (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS SUBÚRBIO

USF BEIRA MANGUE (vacina influenza e dengue) - 8h às 14h

USF TEOTÔNIO VILELA (vacina influenza e dengue) - 8h às 14h

UBS PERIPERI (vacina influenza e dengue) - 8h às 14h

 

DS LIBERDADE

USF IAPI (vacina influenza) - 8h às 16h

PLANO INCLINADO LIBERDADE (vacina influenza) - 8h às 13h

 

DS CABULA

SHOPPING BELA VISTA  (vacina influenza) - 9h às 16h

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB (vacina influenza) - 9h às 16h

ESTAÇÃO RODOVIÁRIA (vacina influenza) - 9h às 16h

UBS EUNISIO COELHO TEIXEIRA (vacina influenza) - 8h às 16h

UBS SANTO INÁCIO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF CALABETÃO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS ITAPAGIPE

UBS VIRGILIO DE CARVALHO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

USF JOANES CENTRO OESTE  (vacina influenza) - 8h às 14h

PROJETO BOM SAMARITANO/ PRAÇA DO BONFIM (vacina influenza) - 8h às 16h

 

DS CAJAZEIRAS

USF CAJAZEIRAS X (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

UBS HELSON PIHAUY DOURADO (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

 

DS BARRA/ RIO VERMELHO

SHOPPING SALVADOR (vacina influenza) - 9h às 16h

DRIVE THRU - UBS CLEMENTINO FRAGA  - 5º CS  (vacina influenza) - 8h às 16h

UBS CLEMENTINO FRAGA  - 5º CS (vacina influenza e dengue) - 8h às 16h

Artigos

Mulheres são mais predispostas à rouquidão e à Doença de Ménière

Mulheres são mais predispostas à rouquidão e à Doença de Ménière
Foto: Divulgação
Além de poder aparecer em qualquer faixa etária e com mais frequência entre os 30 e 50 anos de idade; a Síndrome de Ménière é mais presente nas mulheres (75% dos casos) do que nos homens (25% das ocorrências) e representa um quadro clínico caracterizado pelo aumento da pressão no labirinto, estrutura do ouvido interno relacionada à audição e ao equilíbrio. A patologia se manifesta em etapas progressivas, com sensação de pressão e entupimento no ouvido, piora na audição e zumbido. O desconforto persiste com a vertigem e sensação de rotação, desequilíbrio motor, náuseas e vômitos, em crises severas que podem durar de 20 minutos a uma hora.

Entrevistas

Caso de cólera confirmado na Bahia: Infectologista explica sintomas, causas e tratamentos da doença

Caso de cólera confirmado na Bahia: Infectologista explica sintomas, causas e tratamentos da doença
Foto: Reprodução/Freepik
A Bahia registrou no último dia 20 um caso de cólera. A infecção constatada foi o primeiro caso do Brasil dos últimos 18 anos. A notificação foi confirmada pelo Ministério da Saúde, que indicou não ter outros registros após uma apuração da pasta.