Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Abstinência sexual e masturbação crescem na pandemia, mostra estudo
Foto: Reprodução/Pixabay

O isolamento forçado pela pandemia da Covid-19 teve impacto na vida sexual das pessoas. Pesquisadores de vários países do mundo se debruçaram sobre o estudo desse tema e identificaram o aumento da abstinência, da masturbação e também a busca por “inovações”. As informações são de reportagem do jornal O Globo.

 

Na Inglaterra chegou a 60% o índice de pessoas que reduziram ou não tiveram relações sexuais durante o isolamento. Já nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e China foram cerca de 43% abstinentes.

 

No país asiático e na Espenha uma pesquisa identificou que cresceu o número das pessoas que se masturbavam e consumiam pornografia. Esse aumento foi de 10% a 30%.

 

Nos EUA 20% relataram que tentaram inovar na hora do sexo e experimentaram novas posições, compartilhamento de fantasias, contemplação de fotos de pessoas nuas, e sexting, que é o intercâmbio de conteúdos eróticos e sensuais por celulares.

 

Há países em que não foram identificadas alterações, a exemplo de Bangladesh, Índia e Nepal. Mas a matéria destaca que é preciso considerar que nestes locais existe a possibilidade do resultado refletir a situação de subjugação das mulheres.

 

Os dados foram levantados através de questionários preenchidos online, escalas neuropsicológicas e de desempenho sexual padronizadas, destaca a matéria do jornal O Globo.

 

Os pesquisadores destacam que o estudo tem características limitantes e portanto não permite conclusões robustas, mas dão uma ideia do cenário.

Histórico de Conteúdo