Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Barroso diz que preferia discutir outras pautas no TSE invés do 'retrocesso do voto impresso'
Foto: Bahia Notícias

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso declarou nesta sexta-feira (13) que, quando era presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), gostaria de ter discutido pautas como o aumento da representação feminina, mas teve que discutir a “bobagem do retrocesso ao voto impresso”. A fala do ministro ocorreu nesta manhã durante o Congresso Brasileiro de Magistrados, em Salvador. 

 

“Quando fui presidente do Tribunal Superior Eleitoral, até pouco tempo, eu gostaria de ter discutido a questão do sistema eleitoral, o voto distrital misto, o aumento da representação feminina nos órgãos partidários, a reserva de vagas para as mulheres na Câmara dos Deputados, gostaria de ter discutido critérios objetivos de distribuição do Fundo Eleitoral e transparência dessa despesa... Mas infelizmente não foi possível, gastei boa parte do meu tempo e da minha energia discutindo a bobagem do retrocesso ao voto impresso”, afirmou.

 

Em sua palestra sobre “Democracia, Inovação e Direitos Fundamentais”, Barroso citou a importância da democracia para uma sociedade, causas sociais e o avanço da digitalização. Segundo o ministro, a internet infelizmente se tornou um espaço no qual ocorrem crimes variados, onde também se difundem ódio e desinformação e se alimenta a polarização. 

 

“Nós perdemos um espaço público comum. É preciso que a imprensa profissional reocupe o espaço de um patrimônio factual comum a partir do qual as pessoas possam ter a opinião que quiserem. Mas quando as pessoas não conseguem concordar com os fatos e se sentem à vontade para criar qualquer narrativa que atenda os seus propósitos, nós perdemos a capacidade de interlocução”, ressaltou.  

 

O ministro ainda defendeu que é necessário restabelecer na vida mundial e brasileira o mínimo de verdade factual, de honestidade, para que cada indivíduo possa ter a sua liberdade de opinião.

Histórico de Conteúdo