Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 25 de Novembro de 2021 - 12:20

'Eu livrei a advocacia de ter um presidente como Luiz Coutinho na OAB', diz Ana Patrícia

por Cláudia Cardozo

'Eu livrei a advocacia de ter um presidente como Luiz Coutinho na OAB', diz Ana Patrícia
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

A candidata não eleita a presidência da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Bahia (OAB-BA), Ana Patrícia Dantas Leão, declarou ter orgulho de um fato que promoveu durante a campanha deste ano: “Eu livrei a advocacia da Bahia de ter Luiz Coutinho como presidente da OAB”. O nome de Coutinho era cotado pela chapa da situação para suceder a gestão de Fabrício Castro nas eleições da Ordem neste ano.

 

Com o rompimento de Ana Patrícia, o grupo liderado também pelo presidente da OAB Nacional, Luiz Viana, precisou escolher um nome feminino para disputar as eleições deste ano e fazer valer a proposta que a própria Daniela Borges lutou para aprovação no Conselho Federal da Ordem: a da paridade das mulheres na entidade. No curso da campanha, Coutinho teria sido o principal algoz de Ana Patrícia. Pouco depois da eleição, nesta quarta-feira (24), ele rodou de carro na frente do comitê da chapa opositora cantando a música “Chore na minha”, do Saiddy Bamba.

 

De autorias ainda não conhecida, Ana Patrícia teve seu comitê pichado no início da campanha e, na manhã desta quinta-feira (25), recebeu um buquê de rosas amarelas, semelhantes a que distribuiu durante o dia de eleição, com a mensagem: “nunca será”. No mesmo ato, um carro de som alto parou diante de sua casa com diversos xingamentos, como de “puta” e “traídora”.

 

Para ela, “Coutinho não reúne os requisitos morais para ali estar, e a advocacia da Bahia não merece ser liderada por um presidente como ele”. “Se eu não cheguei à presidência da OAB, eu respeito a vontade da classe, mas o meu movimento me deu algo que deu muito certo, e que eu tenho muito orgulho: Eu livrei a advocacia de ter um presidente como Luiz Coutinho”, reforça. Outra grande conquista que destaca é ter elevado a presidência da Ordem duas mulheres: Daniela Borges e Chris Gurgel. “Eu espero realmente que elas comandem e não sejam comandadas”, frisa.

 

NOVA OPOSIÇÃO

Apesar de não ter sido eleita, Ana Patrícia salienta que obteve um outro ganho: o de ter um grupo. “Na primeira gestão como vice-presidente, era eu e Pedro Nizan. Nesta atual, era eu e eu. Agora, eu tenho um grupo. Um grupo que enxerga valor em mim, que compartilha comigo as mesmas ideias e projetos. Eu não estou mais sozinha. Eu estava sozinha, enquanto estava lá. Eu estava em uma estrutura política e estava só. Agora, eu estou sem estrutura política, mas não estou só".

 

Como a chapa da situação se uniu a tradicional chapa da oposição, Ana Patrícia desponta agora para ocupar esse lugar e fazer um enfrentamento diante das necessidades da advocacia. “Surge sim, agora, um novo grupo de oposição. Não vamos nos desmobilizar. Vamos continuar trabalhando. Desejo sim, que Dani e Chris façam um trabalho pela advocacia. Mas observo que a advocacia não se sente representada mais pela Ordem. Nós tivemos o menor colégio eleitoral dos últimos tempos, mesmo tendo boa parte dos colegas aptos a votar”, avalia Ana Patrícia. Do quadro total de advogados da Bahia, 27 mil estava adimplentes, portanto, poderiam ter votado. Mas pouco mais de 17 mil compareceram às urnas nesta quarta.

Histórico de Conteúdo