Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Desembargadora ganhou relógio avaliado em meio milhão de acusado na Faroeste
Maria do Socorro | Foto: Divulgação / TJ-BA

A desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Maria do Socorro Barreto Santiago, foi acusada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de ter ganhado um relógio da marca Rolex, avaliado em R$ 449 mil. A informação é da coluna Bela Megale, do Globo.

 

Segundo os procuradores, o presente foi pagamento de propina feito por um dos alvos da Operação Faroeste, o "quase-cônsul" Adailton Maturino dos Santos.

 

Maria do Socorro foi solta no mês passado por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou o uso de tornozeleira eletrônica. Ela também está impedida de acessar as dependências do TJ-BA (leia mais aqui). Ela é acusada de atuar em benefício do advogado em uma disputa judicial sobre posse de terras no oeste do estado.

 

Adailton Maturino permanece preso. O relógio foi identificado durante buscas em endereços da desembargadora. Após interrogar o vendedor, descobriram que o acessório havia sido vendido para Adailton, que posteriormente o deu para Maria do Socorro.

 

"A dinâmica delituosa deu-se por meio do recebimento de um relógio Rolex, DAYTONA, Oyster Perpetual, caixa e bracelete em ouro amarelo, mostrador na cor preta, referência 116528, calibre 4130, cuja avaliação atual de modelo semelhante gira em torno de R$ 449.227,0038.", escreveu a PGR na denúncia.

 

A defesa de Maria de Maria do Socorro se manifestou em nota. Leia abaixo.

"A Defesa da Desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago se mostra perplexa e indignada com as últimas as notícias veiculadas. A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal na Ação Penal 1025 contra a Desembargadora reprisam os fatos já abordados na Ação Penal 940. Estamos diante de uma repetição incansável dos mesmos fatos em ações penais diferentes. Não podemos aceitar acusações inverídicas como verdadeiras. Acusações repetidas apenas para desgastar a imagem da desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago , de uma ex- Presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, com um histórico profissional e carreira de 37 anos admirável, querida e admirada pelo servidores do tribunal da Bahia". Atualizado em 18/07/2021, às 7h40.

Histórico de Conteúdo