Quarta, 08 de Abril de 2020 - 14:10

Delator relata que outra desembargadora do TJ-BA está 'morrendo de medo'

por Cláudia Cardozo

Delator relata que outra desembargadora do TJ-BA está 'morrendo de medo'
Foto: Jefferson Peixoto / Ag. Haack/ Bahia Notícias

O delator da Operação Faroeste, Júlio Cesar Cavalcanti, apresentou para o Ministério Público Federal (MPF) uma conversa que teve através do aplicativo Whatsapp com o advogado Vanderlei Chilante. Nas mensagens, Chilante diz que recebeu informações de Brasília de um acordo de Júlio, que nega que teria feito a delação e informa que a desembargadora Ilona Reis, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) “estaria morrendo de medo”. 

 

A desembargadora pode estar no radar do Ministério Público Federal (MPF). O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou que o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) apure a atuação da desembargadora em uma decisão envolvendo a disputa de mais de 300 mil hectares de terras no oeste baiano. Segundo o pedido, Ilona Reis descumpriu decisões do plenário do CNJ referentes a disputa das terras, relatados pela conselheira Maria Tereza Uille. 

 

Conforme noticiado pelo Bahia Notícias, a comissão para apuração da conduta da magistrada será composta pelos desembargadores Eserval Rocha, Pilar Célia Tóbio e Moacyr Montenegro Souto (saiba mais). A apuração no TJ-BA deverá ser concluída em 60 dias. De acordo com o despacho do corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, o TJ vai apurar possível falta funcional da desembargadora na condução de um agravo de instrumento sobre a disputa de terras do oeste baiano e não observar a determinação do CNJ. Júlio e Chilante teriam conversado sobre a atuação da desembargadora em um encontro no aeroporto de Salvador no dia 20 de fevereiro deste ano. 

Histórico de Conteúdo