Faroeste: Ministro diz que nem coronavírus conteve venda de sentenças no TJ-BA
Foto: Divulgação

O ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), afirmou que nem mesmo as restrições para o combate ao coronavírus, como isolamento social, impediu um esquema de compra e venda de sentenças no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). 

 

De acordo com o site Crusoé, a Polícia Federal monitorou a entrega de dinheiro na última semana para comprar um voto da desembargadora Sandra Inês Rusciollelli. Na manhã desta terça-feira (24), a desembargadora foi presa junto com o filho, durante a 5ª fase da Operação Faroeste. “Registre-se que essa atividade ilícita perdurou mesmo após a deflagração da Operação Faroeste, que resultou no afastamento e na prisão preventiva de desembargadores e juízes do TJ-BA, tendo sido realizada a entrega do dinheiro no dia 17/03/2020. Ou seja, nem com as investigações desnudando o suposto esquema criminoso no Oeste baiano, e com várias medidas cautelares em pleno vigor, os investigados cessaram o curso de suas ações antijurídicas”, afirmou o ministro. 

 

Para ele, chamou a atenção que os fatos aconteceram durante o período de isolamento social por conta da pandemia do coronavírus. “Tudo isso a corroborar a necessidade premente da aplicação das medidas cautelares pleiteadas no presente procedimento”. 

Histórico de Conteúdo