CNJ intima desembargadora baiana a prestar esclarecimentos por corrupção ativa e extorsão
Foto: TJ-BA

O ministro Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça, instaurou, de ofício, procedimento de investigação contra a desembargadora Sandra Inês Rusciolelli, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), e a intimou para prestar esclarecimentos de fatos que "supostamente caracterizariam prática de condutas irregulares, inclusive de aspecto criminal, imputados à magistrada". O crime investigado é de extorsão, corrupção ativa e associação criminosa, com indicativo de participação do filho da desembargadora, Vasco Rusciolelli Azevedo.

 

O corregedor ainda pediu informações sobre a nomeação de Patrícia Andréa Santos Ribeiro para ocupar um cargo no TJ-BA, bem como o salário do cargo, formação técnica ou acadêmica e se é compatível com a função ocupada. Também questionou a situação de Almir Santos, apontado como motorista da desembargadora, e ainda se algum filho da magistrada ocupa cargo ou função na Corte baiana. Informações preliminares apontam que a magistrada nomeava servidores e pedia uma parte dos vencimentos para benefício próprio. Uma das nomeadas denunciou a desembargadora ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A Polícia Federal e a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) investigam o fato, tendo ouvido já a denunciante.

Histórico de Conteúdo