Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 14 de Janeiro de 2015 - 19:10

Candidato a defensor público-geral é considerado inelegível e advogado diz que vai recorrer

por Bruna Castelo Branco

Candidato a defensor público-geral é considerado inelegível e advogado diz que vai recorrer
Foto: Reprodução
Candidato para a eleição de defensor público-geral da Bahia, Clériston Cavalcante de Macêdo foi considerado nesta quarta-feira (14) inelegível ao cargo pela Comissão Eleitoral. O advogado que tem feito a defesa de Clériston, Carlos Rátis, já informou que entrará com um recurso junto ao Conselho Superior e com todas as medidas judiciais que forem necessárias “para que o candidato não sofra essa restrição”.  Com a impugnação, a única candidata para ocupar a posição será a atual defensora pública-geral Vitória Bandeira. Segundo seus opositores, esta decisão pode levar a eleição, que ocorrerá no dia 30 de janeiro, a ser considerada 'anti-democrática'. “É importante ressaltar que Clériston está lutando pelo direito de participar desta eleição. Não existe eleição de um candidato só”, afirmou Rátis. Macêdo, que já foi subdefensor público, foi julgado inelegível por não ter se desincompatibilizado do Conselho Superior da Defensoria Pública. Ele tem o apoio de grande parte dos ex-candidatos da eleição anterior para a formação de lista tríplice ao cargo. A partir desta lista, a escolha do novo chefe da Defensoria cabe ao governador do estado. Na eleição anterior, Clériston ficou atrás de Vitória Bandeira por quatro votos de diferença.


Histórico de Conteúdo