Quarta, 08 de Julho de 2020 - 07:20

Teste positivo de Bolsonaro é a narrativa perfeita para propaganda de remédio

por Fernando Duarte

Teste positivo de Bolsonaro é a narrativa perfeita para propaganda de remédio
Foto: Isac Nóbrega/PR

Diante do comportamento inconsequente em aglomerações, era esperado que, em algum momento, o presidente Jair Bolsonaro fosse diagnosticado com Covid-19. O anúncio foi um resumo simbólico do governo: sem preparo algum e sem medir os impactos da situação. Bolsonaro fez uma coletiva restrita a veículos amigos e, mesmo usando máscaras, expôs os presentes ao risco de contrair o novo coronavírus. Nada fora do protocolo.

 

O teste positivo do presidente o coloca como garoto propaganda perfeito para a hidroxicloroquina. Como não há preocupação com evidências científicas para o uso do medicamento, a simples declaração de que Bolsonaro foi beneficiado pela substância vai justificar a corrida e a pressão para que o remédio seja prescrito pelos médicos. É sintomático que ele seja tratado pelo que pode ser um efeito placebo.

 

Infelizmente, o presidente se esforçou em negar, ao longo dos últimos meses, a gravidade da crise do novo coronavírus. A loteria da vida pode colocar a Covid-19 como uma “gripezinha” no caso de Bolsonaro e isso torna o potencial dessa contaminação ainda mais assustador. Se antes, com as sucessivas negativas da doença, o impacto da fala dele sobre a população era enorme, o estrago da versão “super-homem”, com uso da hidroxicloroquina, pode render efeitos ruins ainda maiores. Como sabemos, o chefe do Executivo nunca foi muito dado a medir os próprios atos.

 

Em um ambiente em que naturalizamos o absurdo, infelizmente não é surreal ver a quantidade de dúvidas levantadas após a afirmação de que o presidente contraiu o vírus. Bolsonaro criou um ambiente de incerteza e de descredibilização da presidência que, infelizmente, resultou nesse caldo de divisionismo político. É uma pena, porém é uma consequência direta da forma como ele lida com quem pensa diferente dele.

 

Após o diagnóstico, as lideranças políticas sensatas pediram que a confirmação da doença amenize a forma pouco responsável com que Bolsonaro lida com o coronavírus. Não dá para criar expectativa, até mesmo pela maneira como o presidente escolheu divulgar o resultado do exame. Bolsonaro e a hidroxicloroquina se merecem. Ambos podem ter efeito positivo ou negativo diante de uma doença. Pena que, a depender da dose, ambos podem matar. No caso da Covid-19, já foram mais de 66 mil pessoas que perderam a vida no Brasil nessa conta.

 

Este texto integra o comentário desta quarta-feira (8) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios A Tarde FM, Irecê Líder FM, Clube FM, RB FM, Alternativa FM Nazaré, Valença FM e Candeias FM. O comentário pode ser acompanhado também nas principais plataformas de streaming: Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e TuneIn.

Histórico de Conteúdo