Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Jailson Reis diz que Cacau Menezes não pode assumir o Conselho Deliberativo do Vitória
Foto: Glauber Guerra / Bahia Notícias

O presidente do Conselho Fiscal do Vitória, Jailson Reis, afirmou, nesta quinta-feira (26), que Antônio Carlos Menezes, conhecido como Cacau, não tem o direito de ocupar o cargo de presidente do Conselho Deliberativo do clube. 

 

De acordo com o gestor, Cacau não faz mais parte do quadro de sócios do Leão. "Isso fere o artigo 37 do estatuto. Perder a condição de associado faz perder a condição de ser vice do Conselho Deliberativo. No meu entendimento, Cacau não pode assumir", pontuou, em entrevista ao programa BN Na Bola, da Rádio Salvador FM 92,3, apresentado por Emídio Pinto, Glauber Guerra e Ulisses Gama. 

 

Estava prevista uma reunião para esta sexta-feira (27) para determinar a sucessão do Conselho Deliberativo, já que Fábio Mota, então mandatário, assumiu a presidência do Vitória após a destituição de Paulo Carneiro (lembre aqui). 

 

Contudo, o próprio Cacau publicou uma resolução cancelando o encontro e assumindo a cadeira do Conselho (confira aqui). 

 

De acordo com Jailson, o Conselho Fiscal convocará o Deliberativo para remarcar essa reunião para a semana que vem e decidir como resolver a situação. 

 

"Vamos voltar à convocação feita primeiramente para a eleição e solução da sucessão do Conselho Deliberativo. Aquela reunião tem que acontecer. A ideia é que seja convocada na semana que vem, para que ela delibere de que forma será a eleição (...) Se direta ou indireta", explicou. 

 

Jailson afirmou que Cacau perdeu o direito de ser presidente do Conselho Deliberativo quando saiu do quadro de associados do clube - mesmo este não tendo avisado sobre a ausência de pagamentos. 

 

"O estatuto do Vitória prevê a perda do tempo dele após três meses de inadimplência. Existe uma lacuna de realmente chamar o sócio e alertar para determinadas situações, mas não é obrigatório o clube fazer isso. O ideal era o Vitória avisar, mas nem sempre o sistema consegue fazer o que deveria ter sido feito", ressaltou. 

Histórico de Conteúdo