Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 07 de Agosto de 2021 - 12:20

Em 11 horas, Bahia iguala número de ouros que tinha conquistado em mais de 100 anos

por Matheus Caldas / Nuno Krause

Em 11 horas, Bahia iguala número de ouros que tinha conquistado em mais de 100 anos
Foto: Gaspar Nóbrega / COB

Entre o momento que Isaquias Queiroz cruzou em primeiro a linha de chegada da final da prova do C1 1000 metros, na canoagem velocidade (veja aqui), e a seleção de futebol masculino do Brasil, capitaneada por Daniel Alves, venceu a Espanha por 2 a 1 no Estádio de Yokohama (leia aqui), a Bahia conquistou o mesmo número de medalhas de ouro (3) que havia conquistado nos últimos 100 anos de Jogos Olímpicos. Foram 11 horas, no total. 

 

Além de Isaquias e Daniel, Hebert Conceição subiu ao lugar mais alto do pódio no boxe, na categoria peso-médio (até 75 quilos) (saiba mais aqui). Contando com Ana Marcela Cunha, campeã na maratona aquática (lembre aqui), o estado tem, agora, quatro dos sete ouros do Brasil em Tóquio-2020. 

 

Desde Antuérpia-1920, a primeira participação do país no evento, três baianos tinham subido ao lugar mais alto do pódio: Ricardo, no vôlei de praia, Wallace, no futebol masculino, e Robson Conceição, no boxe.

 

O número de medalhas total do estado chegou a 19 com os Jogos de Tóquio. Antes do início, eram 15 (veja aqui). 

 

Em Tóquio, a Bahia ainda tem chance de ouro com outra atleta: Beatriz Ferreira, atual campeã mundial do peso-leve (até 60 quilos), vai entrar no ringue às 2h, para disputar a final contra a irlandesa Kellie Harington. Seria a vigésima medalha do estado. 

Histórico de Conteúdo