Flamengo: Exibição própria do segundo jogo gera discordâncias internas e críticas da torcida
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

A transmissão própria do segundo jogo gerou discordâncias internas no Flamengo e críticas da torcida. O relato foi feito pelo site GloboEsporte.com. Após o sucesso da exibição gratuita do duelo com o Boavista (confira aqui), a diretoria rubro-negra resolveu cobrar ingresso, no valor de R$ 10, para quem quisesse acompanhar a partida diante do Volta Redonda, neste domingo (5), pela semifinal da Taça Rio, na plataforma MyCujoo. Porém, devido aos problemas técnicos o sinal acabou sendo disponibilizado gratuitamente.

 

A plataforma não foi capaz de suportar a quantidade de acessos simultâneos e nove minutos após o início da transmissão, no modelo de pay-per-view, o presidente Rodolfo Landim determinou que o sinal fosse aberto nas redes sociais.

 

Apesar dos bons números alcançados na transmissão do jogo contra o Boavista, Landim revelou que o valor arrecadado ficou aquém do esperado. O clube recebeu pouco mais de R$ 800 mil, entre patrocínios e doações dos torcedores. Descontados os custos da exibição da partida, o Rubro-Negro embolsou cerca de R$ 500 mil.

 

"A gente agradece muito a quem participou da última transmissão e fez os pagamentos, eles ajudaram. Mas, falando francamente, o valor arrecadado foi pequeno", disse Landim à Fox Sports em entrevista no último sábado (4).

 

Após a partida de quarta, a diretoria do Fla se reuniu para avaliar se seria viável fazer uma nova transmissão. Os dirigentes consideraram que era necessário buscar um número relevante para impactar negociações futuras. E se fosse possível cobrar um ingresso barato de 20% dos 2,2 milhões que acessaram a Fla TV. A projeção era arrecadar R$ 4 milhões brutos. O clube cogitou utilizar uma plataforma mais robusta, mas não houve tempo hábil para viabilizar a transmissão e a MyCujoo acabou sendo escolhida, já que foi usada para os torcedores no exterior.

 

O anúncio da transmissão paga foi feito na noite da última sexta (3). A notícia não foi bem recebida pela torcida, que após comemorar o rompimento com a TV Globo, criticou a nova decisão do clube. A rejeição nas redes sociais surpreendeu a diretoria rubro-negra. Os muros da sede clube amanheceram pichados no sábado (veja aqui). Com a repercussão negativa, criou-se uma discordância na cúpula da agremiação, mas o presidente bateu o pé e manteve o plano de cobrança.

 

No domingo, alguns sócios reclamaram de não receber o e-mail de confirmação, enquanto outros não conseguiam acessar a transmissão. O aplicativo usava uma plataforma terceirizada de pagamentos que começou a travar. A indignação dos torcedores alcançou os grupos de dirigentes flamenguistas nas redes sociais e a pressão pela liberação da exibição cresceu. Às 15h51, quando o time já estava no gramado do Maracanã, Landim determinou a liberação do sinal da Fla TV. No entanto, ela só chegou ao departamento de comunicação do clube às 16h20, pouco antes do atacante Bruno Henrique abrir o placar do jogo que terminou com 2 a 0 para o Flamengo. Com a vitória, a equipe garantiu vaga na final da Taça Rio contra o Fluminense.

Histórico de Conteúdo