Isaquias ameaça encerrar carreira caso técnico doente deixe o país
Foto: Divulgação

Maior medalhista brasileiro numa única Olímpiada, o baiano Isaquias Queiroz abriu seu coração e falou sobre seu técnico Jesús Morlán, que luta contra um tumor no cérebro. O canoísta disse que, se não fosse o treinador, ele não estaria mais na modalidade.

“Se ele tivesse que ir embora, acho que eu teria parado. Eu não teria continuado. Já são anos juntos, já nos entendemos muito bem. E vir outra pessoa... Eu não teria a mesma confiança que tenho com ele. Criei essa confiança. A gente morou junto na mesma casa (em Lagoa Santa, Minas Gerais, onde mora e treina hoje a equipe adulta de canoagem velocidade), conhece um ao outro, sabe os problemas que cada um tem. É uma coisa legal isso de conhecer um ao outro. Se for outro treinador, não sabemos como vai ser. Não sabemos o comportamento... Nem quero pensar nisso. Já pensei muito e decidi: "Se o Jesus for embora, eu vou embora. Aqui eu não fico não. Se o Jesus for embora, eu encerro minha carreira", revelou, ao Globoesporte.com.

Em vez de ir embora do Brasil e viver com a família na Colômbia, Morlán preferiu ficar no país e investir na preparação de Isaquias e Erlon, medalhistas no Rio 2016. Emocionado, o baiano de Ubaitaba falou sobre o técnico. “Ele representa tudo para mim. Sem ele, não seria o Isaquias que todo mundo conhece. Devo tudo isso a ele. Eu não estaria mais na seleção se não fosse por ele. Até pela parte de ele ter chegado e estar muita bagunça na seleção, a gente não tinha reconhecimento, e quando ele chegou passamos a ter. A gente teve ótimos resultados. Crescemos no esporte brasileiro. Fui duas vezes eleito o melhor atleta do ano do Brasil. Sem ele, não teríamos isso. Eu devo tudo a ele na minha carreira”, afirmou.

Histórico de Conteúdo