Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 04 de Abril de 2016 - 00:00

Há 20 anos, Walter Casagrande encerrava a carreira após passagem relâmpago pela Bahia

por Luiz Fernando Teixeira

Há 20 anos, Walter Casagrande encerrava a carreira após passagem relâmpago pela Bahia
Foto: Reprodução / La Gazzetta dello Sport
A vinda de um centroavante com passagem pela Seleção Brasileira para disputar o campeonato baiano é um sonho inimaginável para a maioria dos clubes do estado, com exceção de Bahia e Vitória. Há 20 anos, porém, a Associação Atlética São Francisco[1] assinou com Walter Casagrande para a disputa do Baianão de 1996, em uma negociação que pegou muitos de surpresa. Afinal de contas, após viver o auge com as camisas de Corinthians, São Paulo, Flamengo, Porto (POR) e Torino (ITA), Casão havia pendurado as chuteiras após atuar pelo Lousano Paulista, em 1995. ”Eu não estava mais jogando quando fui procurado pelo clube, mas treinava forte diariamente porque gostava. O contato foi feito através de uma pessoa ligada ao prefeito da cidade”, disse o ex-atacante e agora comentarista Casagrande, ao Bahia Notícias. À época, ele já lidava com problemas no joelho que o atormentaram na segunda metade da carreira, mas mesmo assim foi apontado como a peça que faltava para que o São Francisco, então campeão da segunda divisão do Baianão, se firmasse na elite estadual. Mesmo assim, Casagrande estava sereno em campo. ”Não me senti pressionado. Eu tinha muita experiência, tinha jogado oito anos na Europa, uma Copa do Mundo, tinha acabado de jogar no Flamengo e voltado ao Corinthians”, relembrou o atacante.



Casagrande, entre Sócrates e Careca, na Copa do Mundo de 1986, no México | Foto: Divulgação

A estreia foi dos sonhos. No dia 10 de março, última rodada da primeira fase do torneio, foi dele o gol do empate no jogo contra o Ypiranga, em pleno estádio Junqueira Ayres – a essa altura do campeonato, o clube da Região Metropolitana de Salvador já havia vencido Bahia e Conquista, sido derrotado por Catuense, Jequié e River e empatado com a Jacuipense. “A estrutura do clube era precária, havia o estádio que era legal, mas não havia outras coisas”, relembrou o centroavante. Casagrande ainda entrou em campo uma segunda vez pelo São Francisco, contra a Catuense, e então deixou o clube menos de um mês após a estreia. “Não houve atrito nenhum na minha saída. Eu estava morando sozinho em Salvador e a minha mulher estava em São Paulo com os meus três filhos e eles eram pequenos, então ela me pediu para voltar para ajudá-la e também porque eles estavam sentindo a minha falta. Eles [os dirigentes do São Francisco] sempre me trataram muito bem, nunca atrasaram os pagamentos e não tive nenhum problema de relacionamento com ninguém”, declarou o comentarista. Apesar da passagem relâmpago, em que não teve nem a oportunidade de jogar na Fonte Nova ou contra Bahia e Vitória, Casagrande considerou sua passagem pelo São Francisco como “boa” – foi a única experiência dele fora da região sudeste no futebol brasileiro, após defender Caldense, Corinthians, São Paulo e Flamengo. O gol contra o Ypiranga foi o último dos 218 que marcou em sua carreira como profissional, que contou com a artilharia do Campeonato Paulista de 1982, além de títulos com a camisa do Corinthians, do Porto (POR) e do Torino (ITA), e uma participação na Copa do Mundo de 1986, pela Seleção Brasileira. Já o São Francisco, após algumas boas campanhas no final da década de 90, caiu de rendimento e não retornou à elite do Campeonato Baiano nos anos 2000.




[1]
A Associação Atlética São Francisco não tem relação com o São Francisco Esporte Clube, que tem um time de futebol feminino que conquistou 13 títulos estaduais a partir dos anos 2000, além de duas Copas Nacionais.


Histórico de Conteúdo