A Aparecidense e o massagista Romildo Fonseca da Silva serão punidos judicialmente. Foi o que anunciou Paulo Schmitt, procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nesta segunda-feira (9). No último sábado (7), o funcionário do clube goiano invadiu o campo e evitou que a equipe sofresse um gol no final do empate por 2 a 2 com o Tupi. A partida deverá ser anulada, segundo Schmitt.
 
- O artigo 243-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva prevê multa de R$ 100 a R$ 100 mil para o clube. Para o massagista, essa pena pode variar em número de partidas de suspensão. A possibilidade de se aplicar a anulação da partida é muito grande  - explicou o procurador ao Sportv. 
 
Aos 44 minutos do segundo tempo, Aparecidense e Tupi empatavam por 2 a 2, resultado que classificava a equipe goiana para as quartas de final da Série D. Se marcasse um gol, o time mineiro garantiria a vaga. Até que Ademilson, jogador do Tupi, chutou a bola que ia em direção ao gol, mas teve sua trajetória interrompida pelo massagista.
 
- A gente vai trabalhar durante a semana na análise das provas, para que  a denúncia seja oferecida o mais rapidamente possível e os auditores possam julgar a anulação da partida. O resultado foi impactado diretamente pela atuação de quem não podia e não devia estar ali - afirmou Schmitt.

Histórico de Conteúdo