Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sábado, 24 de Julho de 2021 - 17:05

Sócios do Bahia aprovam venda do Fazendão em Assembleia Geral

por Ulisses Gama

Sócios do Bahia aprovam venda do Fazendão em Assembleia Geral
Foto: Ulisses Gama / Bahia Notícias

Em Assembleia Geral Extraordinária realizada neste sábado (24), a maioria dos sócios do Bahia disseram "sim" para a venda do Fazendão, antigo centro de treinamento do clube. A votação virtual, que se encerrou às 17h, teve 88,59% de aprovação e 11,41% de rejeição. Antes de passar pelos associados, o parecer da venda já havia sido aprovado pelo Conselho Deliberativo. A eleição teve 3549 votos, participação recorde, sendo 16 abstenções. 

 

O Bahia tem uma proposta da construtora MRV no valor de R$ 22 milhões, com divisão em 30 parcelas, 18 delas por R$ 488.888,89 cada e 12 de 1.100.000,00. Essa oferta não conta com um terreno anexo do Jardim das Margaridas, que pode se tornar uma outra negociação do clube no futuro. De acordo com a diretoria, o Bahia segue aberto para ouvir propostas e o valor será usado para pagar dívidas trabalhistas.

 

 "[Investir em] Aquisição de atletas de forma nenhuma, e em estrutura já investimos bastante no CT Evaristo de Macedo, justamente para vender o Fazendão. O Conselho entendeu que o caminho é que a receita originária seja para pagar dívida. O clube deve demais, principalmente em dívida trabalhista", disse Bellintani, no último dia 6 de julho, em entrevista ao programa BN na Bola, da Rádio Salvador FM 92,3.

 

"Só de juros nós pagamos R$ 200 mil por mês. Aqueles que defendem que a gente deveria preservar o Fazendão têm que pensar em como o clube vai suportar um juros desse tamanho e manter um patrimônio inutilizado", completou.

 

No mesmo dia, o mandatário disse que o Bahia não corre riscos pela venda.

 

"O Bahia não tem risco nenhum. Se quiser receber algum valor antes do momento zero da construção, e o projeto não for aprovado, tem que devolver esse dinheiro. O risco máximo é esse, devolver o dinheiro recebido, se não quiser receber nada antes", explicou.

 

O Bahia deixou o Fazendão no começo de 2020 após 40 anos de uso do CT Osório Villas Boas, inaugurado em 1979. Recentemente, a estrutura vem sendo utilizada por clubes como Jacuipense e Olímpia.

Histórico de Conteúdo