Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 18 de Janeiro de 2021 - 15:52

Em meio a problemas financeiros, Bahia deve 13º salário aos funcionários

por Ulisses Gama

Em meio a problemas financeiros, Bahia deve 13º salário aos funcionários
Foto: Felipe Oliveira / Divulgação / EC Bahia

Não é só dentro de campo que a fase do Bahia anda complicada. A situação também é difícil quando se trata de questões financeiras. O Bahia Notícias apurou que o clube deve o 13º salário aos seus funcionários. O Tricolor também devia o mês de dezembro, mas esse débito foi quitado nos últimos dias. 

 

A falta de pagamento ao quadro do clube é uma consequência das perdas financeiras causadas pela pandemia do novo coronavírus. Quando os jogos foram paralisados, em março, os atletas do clube tiveram um corte de 25% no salário. A situação foi normalizada assim que as competições retornaram.

 

Procurado pela reportagem do BN, o Bahia argumentou que a situação previa o parcelamento do 13º salário em cinco vezes, com o primeiro pagamento em janeiro. De acordo com o clube, essa foi a maneira de manter o quadro sem demissões.

 

Na briga para fugir do rebaixamento e evitar um baque financeiro ainda maior, o Tricolor volta a jogar pelo Campeonato Brasileiro na próxima quarta-feira (20), às 18h, contra o Athletico Paranaense.

 

Confira o posicionamento completo do Bahia: 

 

"O projeto de reestruturação do clube pós-Covid-19, que proporcionou severos impactos financeiros ao Bahia, já previa o parcelamento do 13º salário em 5 vezes e primeiro pagamento em janeiro. 

 

Essa foi a forma encontrada pelo clube para evitar redução do quadro pessoal. Ter o 13º em dia resultaria na demissão de pelo menos 80 pessoas e o Bahia preferiu escolher um caminho alternativo. 

 

A prioridade do clube desde março, quando se iniciou a pandemia, sempre foi manter salários em dia e não demitir ninguém".

Histórico de Conteúdo