Bahia arrecadou mais de R$ 78 mil com venda de ingressos simbólicos
Foto: Reprodução / Instagram

Enquanto o futebol está parado e alguns dos maiores jogos de alguns times brasileiros são reprisados, os clubes lançaram campanhas de venda de ingressos simbólicos. O Bahia realizou a ação duas vezes, com as retransmissões da semifinal e da final do Campeonato Brasileiro de 1988, quando o Tricolor foi campeão. Com a arrecadação da venda de cópias dos ingressos originais o Bahia faturou R$ 78.950,00.

 

Dos sete clubes que já realizaram esse tipo de campanha durante a pandemia, três são do Nordeste: o Bahia, o Fortaleza e o Sport. Este último realiza a ação pela quinta vez e já arrecadou quase R$ 124 mil. 

 

O Fortaleza, assim como o Vasco, Fluminense, São Paulo e Coritiba, que também realizaram venda de ingressos, fizeram isso apenas em uma reprise. 

 

O incentivo de participação da torcida com a retransmissão dos jogos do Bahia foi para reverter o valor em doação programa "Dignidade aos Ídolos", que oferece ajuda a ex-atletas do Tricolor.

 

O diretor de marketing do Sport disse ao GloboEsporte.com que a campanha busca manter interação com a torcida. “É mais para não arrefecer o vínculo entre torcedor e clube. O Sport tem que manter a marca viva para depois que esse período passar”, explicou Rafael Soares.  

 

No ranking, também montada pelo site, o Vasco é quem lidera, até agora, o grupo com maior arrecadação, somando mais de R$ 222 mil com a reprise da Copa Libertadores em 98 contra o Barcelona-EQU pela TV Globo.

 

"Nesse momento de pandemia, principalmente no departamento de marketing, muitos pensam que ele é refém apenas do futebol ao vivo. Mas, no nosso caso, é diferente. Temos uma linha de conteúdo, principalmente nas redes sociais. Com a pandemia, demos uma ampliada e começamos a testar formatos novos", explicou o coordenador de marketing digital do Vasco, Guilherme Neto, sobre a interação da torcida com a campanha online.

Histórico de Conteúdo