Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Marca Bahia Notícias Hall

Travelling

Davidson Pelo Mundo: Azerbaijão; se programe, vai amar!

Por Davidson Botelho

Davidson Pelo Mundo: Azerbaijão; se programe, vai amar!

O Azerbaijão conquista o visitante com seus belos cenários e atrações. Sua história riquíssima é tão extensa quanto a história da humanidade, afinal, o país está numa das mais antigas regiões habitadas do planeta. Situado no limite entre a Europa Oriental e da Ásia Ocidental, encontra-se o Azerbaijão, um caldeirão de culturas, tradições e influências. Faz fronteira com o Mar Cáspio a leste e tem como vizinhos o Irã, a Turquia, a Geórgia e a Rússia, que ajudaram a transformar o Azerbaijão no país único que é hoje em dia. Outrora parte da União Soviética, o Azerbaijão declarou independência em 1991. É um dos únicos países seculares da região, com prósperas comunidades muçulmanas, cristãs e judaicas.

 


Este manto de culturas e religiões diferentes criam um país diversificado. Ao lado de marcos antigos, encontra-se, também, arquitetura neoclássica, barroca e islâmica, além de um edifício premiado da falecida arquiteta Zaha Hadid. O país é também rico em maravilhas naturais, com montanhas e vulcões de lama. Mas a herança cultural abundante do Azerbaijão não é a única coisa que torna este país do Cáucaso um destino desejável. 


Numa rápida cronologia, o Azerbaijão já pertenceu aos impérios romanos, persas, turcos, mongóis, russos e à União Soviética. Foi justamente essa mistura de culturas que deu ao país um colorido instigante. Na história da humanidade, a Transcaucásia é uma das mais antigas regiões do mundo. Desde a Idade da Pedra ela é habitada e integra a milenar Rota da Seda. Por ser militarmente estratégica esta área foi e ainda é alvo de guerras e invasões.


O turismo floresceu desde a introdução do visto eletrônico em 2017, e tem uma grande variedade de lugares para se hospedar, desde albergues a hotéis sofisticados. Se quiser visitar o Azerbaijão na primavera, não deixe de assistir ao Festival de Ano Novo de Novruz , para experimentar a cultura tradicional do Azerbaijão. Se preferir o inverno, explore os resorts nas montanhas de Shahdag e Tufandag, entre dezembro e março  para a melhor neve sazonal. Há muitos eventos internacionais no Azerbaijão, desde o Grande Prémio de Fórmula 1 da capital até o Festival Internacional de Música de Gabala.

 


Sua capital e cidade mais importante é Baku, mistura peculiar do antigo e do novo. As famosas torres de chamas representam a importância do fogo na cultura do Azerbaijão, o nome Azerbaijão significa "protetor do fogo". Desde o momento em que o turista deixa o moderno Aeroporto Internacional Heydar Aliyev em Baku ele será recebido com imagens surpreendentes. Ao lado de majestosos edifícios dos séculos 18 e 19, que poderiam ser ícones arquitetônicos em Paris ou Londres, há prédios vanguardistas o suficiente para se destacarem em cidades como Chicago ou Dubai. Na paisagem urbana da capital do país, essas construções se misturam com templos, mesquitas, ruínas da idade média e lojas da Porsche, Rolls Royce, Bulgary e Chanel.


Baku significa ‘’Cidade Cortada pelos Ventos ‘’, e o viajante sente isso na prática. Ela é considerada uma das 10 cidades onde mais se venta no mundo. Sempre sob um vento forte, que vem do Mar Cáspio, o visitante irá admirar suas atrações. A cidade velha conhecida localmente como Icherisheher, é Património Mundial da UNESCO, uma cidade cercada por muralhas defensivas do século XII e contém o Museu de Livros em Miniatura, que abriga o menor livro do mundo, o qual mede apenas 2 x 2 mm.

 

Para melhorar a experiência, não deixe de visitar o Museu de Arte Moderna, onde pode explorar o trabalho de artistas locais do Azerbaijão desde o século II. Se quiser chegar ao coração da capital, é obrigatório visitar os mercados. O Mercado Yashil é o maior da cidade. Cheio de especiarias, sumos e frutas exóticas, Yashil é o lugar perfeito para provar deliciosos petiscos. Se quiser evitar as multidões, chegue cedo e mergulhe nos aromas perfumados e no colorido dos vegetais. O Mercado de Teze, o Teze Bazaar, também é uma ótima opção para degustar o caviar Beluga, com mel local e ervas. Os mercados também são um bom lugar para experimentar alguns pratos clássicos do Azerbaijão, incluindo plov, um prato de arroz aromatizado com açafrão e ervas aromáticas e o Piti,  um ensopado de cordeiro tradicional com legumes.


Uma das melhores maneiras de explorar o Azerbaijão é através das estradas e dos trens. Se não sabe por onde começar, o Conselho de Turismo do Azerbaijão criou quatro rotas por todo o país, que o levará a alguns dos lugares mais pitorescos.


No norte, não deixe de visitar Khinalig, a vila mais alta e remota do país. Datada da Idade do Bronze, há cerca de 4.000 anos atrás, é o lar do povo Khinalig, o qual vive um estilo de vida nómade tradicional. Com vistas deslumbrantes e vales verdejantes, é o lugar perfeito para ser visitado nos meses quentes de verão. Indo para o sul, pare na vila Sim, no coração das montanhas Talysh. A vila está cheia de rochas cobertas de musgo e árvores com mais de mil anos, dando-lhe uma atmosfera mágica. Rodeado por pomares de tangerina, pode contemplar o distante mar Cáspio enquanto saboreia um xícara de chá local, geleia e mel, ou excelentes cervejas locais. Os guias turísticos da vila irão acompanhá-lo até às cascatas vizinhas dos Sims, percursos de água que caem de rochas cobertas de musgo. Para o turista, vale saber ainda que as montanhas do Cáucaso estão ao Norte e a cadeia de montanhas Talysh, ao Sul. Há regiões montanhosas que se assemelham aos Alpes e oferecem o clima mais frio do que no resto do país, que apresenta temperaturas quentes e subtropicais.


Os brasileiros precisam de VISTO para entrar no país. É um visto eletrônico que pode ser solicitado pelo site da embaixada do Azerbaijão sem maiores problemas. O custo de vida no país ainda é bem aceitável comparado com outros países europeus. Em geral, o Azerbaijão é hoje um país com uma baixa taxa de criminalidade, a população local é muito amigável, mas deve sempre lembrar-se das regras básicas de segurança, respeitar a cultura e tradições do país e não exagerar na ostentação.


No mais, o Azerbaijão é uma excelente opção de turismo principalmente pra pessoas como eu, que amam desbravar o desconhecido e sair do trivial.

 

Boa Viagem!