Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Rui acompanha secretários e cobra mudança da distribuição de vacinas pelo Ministério da Saúde
Foto: Paula Fróes/GOVBA

O modelo de divisão utilizado pelo Ministério da Saúde para distribuir doses das vacinas contra Covid-19 aos estados brasileiros foi novamente criticado. Nesta quarta-feira (14) foi a vez do governador da Bahia, Rui Costa (PT), reclamar da maneira como a pasta está conduzindo a divisão.

 

Na terça-feira (14) o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, questionou os critérios do Ministério da Saúde (leia aqui). Pelo Twitter, o titular da pasta estadual afirmou que “o critério atual gera iniquidades que só fazem se agravar mais a cada dia”. O titular da Sesab ressaltou que o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) “já se manifestou e irá trabalhar pra mudar na próxima pauta”, ao se referir ao colegiado que se reuniu nesta terça com o Ministério da Saúde e governadores. No encontro, foi solicitada a mudança nos critérios determinados pela pasta federal. Caso a demanda dos secretários seja atendida, as doses serão distribuídas observando a população proporcional de cada estado. 

 

Rui reafirmou nesta quarta a posição da Bahia e cobrou “uma correção de algo que precisa ser revisto o mais rápido possível, que é o ajuste da quantidade de doses ser proporcional a população de cada estado e cada cidade”.  

 

Segundo o governador baiano, ao estabelecer critérios de vacinação, o Ministério da Saúde aplicou esses mesmos critérios no volume de distribuição, o que fez com que cidades e regiões recebessem proporcionalmente um número muito maior que outras.

 

“Tanto é que há capitais brasileiras que estão vacinando pessoas de 30 anos e já estão com patamar de 64% e 66% da população vacinada. As pessoas perguntam porquê? Porque houve distribuição desigual das vacinas”, afirmou durante entrevista ao Jornal da Manhã, da TV Bahia.

Histórico de Conteúdo