Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mais de 3 mil pessoas habilitadas ainda não tomaram a 2ª dose da vacina em Salvador
Foto: Jefferson Peixoto/ Secom PMS

Entre o público já habilitado para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19 em Salvador, mais de três mil pessoas ainda não se dirigiram aos postos de vacinação para completar o esquema vacinal. A recomendação para elas, que tomaram a Coronavac, é que a dose de reforço seja aplicada 28 dias após a administração da primeira.

 

 

A data indicada para a segunda aplicação consta no cartão de vacinação da pessoa imunizada e também no site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Para alertar esse público sobre a importância de concluir o processo, equipes da SMS encaminham mensagens de texto para o celular dos faltantes.

 

De acordo com a médica infectologista, Adielma Nizarala, o Programa Nacional de Imunização segue as recomendações da bula das vacinas que foram preparadas para serem aplicadas em dose dupla. A especialista lembra que os estudos realizados pelos fabricantes do imunizante concluíram que a segunda dose provoca a quantidade de anticorpos confiável para atestar a imunização.

 

“É necessário que as pessoas sigam rigorosamente as orientações prestadas pelo Programa Nacional de Vacinação, que estão alinhadas com as recomendações dos fabricantes – para assegurar a proteção contra o vírus. O esquema vacinal incompleto não assegura a imunidade contra a doença”, afirmou.

 

Em nota à imprensa, a secretaria ainda explica, com base em estudos, que o sistema imunológico leva cerca de duas semanas para criar anticorpos neutralizantes, capazes de barrar a entrada do vírus nas células. A resposta pode variar de acordo com faixa etária e outros aspectos individuais do vacinado. Ou seja, mesmo após a segunda dose não significa proteção imediata aos vacinados. A proteção começa, em média, duas semanas após a aplicação da segunda dose no paciente.

 

Ou seja, se uma pessoa que tomou a vacina se infectar antes desse tempo, não quer dizer que a vacina falhou, mas que não deu tempo do sistema imunológico criar a resposta imune, segundo o departamento de imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria. Vale lembrar ainda que a vacinação não assegura 100% de imunidade, no entanto, a pessoa que completou o esquema de vacinação reduz drasticamente as chances de desenvolver um quadro grave da doença.

 

Além disso, em todo caso, os cuidados não devem ser ignorados. Uso de máscara de proteção, higiene constante das mãos e manutenção do isolamento social – especialmente no sentido de evitar aglomerações – continuam sendo fortes aliados no combate à Covid-19, mesmo por quem já está imunizado.

 

Histórico de Conteúdo