Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quinta, 07 de Janeiro de 2021 - 13:40

Coronavac evita 100% dos casos graves, moderados e internações hospitalares

por Jade Coelho

Coronavac evita 100% dos casos graves, moderados e internações hospitalares
Foto: Reprodução/TV Globo

A eficácia da vacina Coronavac, desenvolvida contra a Covid-19 pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, vai de 78% a 100%.

 

De acordo com o diretor do Butantan, Dimas Covas, em comparação com as pessoas que não receberam a vacina, aquelas submetidas a imunização da Coronavac não apresentaram nenhum caso grave. Isso significa que a vacina tem 100% de eficácia em relação aos casos graves.

 

O percentual de eficácia se mantém em relação aos casos moderados e a internação hospitalar.

 

De acordo com Covas, não houve necessidade de hospitalização em nenhum dos voluntários.

 

"A pessoa pode até se infectar, mas a doença a não progride, o paciente não fica grave e não vai pra o hospital", disse Covas durante a apresentação. 

 

Os estudos mostram que em relação ao atendimento ambulatorial a eficácia é de 78%. Assim como nos casos leves.

 

O Instituto Butantan e o governo de São Paulo divulgaram os dados em entrevista coletiva no início da tarde desta quinta-feira (7). As informações anteriormente foram apresentadas à Anvisa. O Butantan submeteu o pedido de uso emergencial da Coronavac também nesta quinta.

 

Os testes foram realizados em 16 centros clínicos, em 8 estados, e foram acompanhados por organismos internacionais para controle de qualidade para os estudos e a segurança e eficácia da vacina.

 

Participaram dos teste clínicos 12.476 voluntários, todos profissionais da saúde da linha de frente da Covid-19. O fato foi destacado por Covas e colocado como um diferencial da qualidade da vacina. 

 

"Realizamos com profissionais de saúde, que estão mais submetidas a presença do vírus, na linha de frente, trabalham diretamente com pacientes com Covid 19. Todos esses profisisonais tiveram risco maior de infecção", ressaltou Dimas Covas.

Histórico de Conteúdo