Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Ministério da Saúde inicia tratativas para aquisição de 331 milhões de agulhas e seringas
Foto: Divulgação

No dia em que anunciou o Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19 (leia aqui), nesta quarta-feira (16), o Ministério da Saúde iniciou os protocolos para adquirir 331 milhões de seringas e agulhas. A informação foi apurada pelo Estadão, que destaca que a pasta não detalhou o destino dos materiais, mas a tendência é de que eles sejam usados na vacinação anti-Covid.

 

A licitação foi aberta para “possível e futura aquisição” de 331 milhões de seringas e agulhas. De acordo com a reportagem, a abertura das propostas deve acontecer no dia 29 de dezembro. A licitação prevê a compra de quatro tipos de seringas e agulhas. As vacinas mais avançadas até o momento preveem a necessidade de aplicação de duas doses.

 

A reportagem ouviu a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo). A entidade estima que a indústria nacional precisaria de 7 meses para fabricar essa quantidade de seringas.

 

“Em agosto, o governo organizou uma reunião com os três fabricantes, mas, daí para frente, nada mais aconteceu de concreto. E já estamos em dezembro; isso deveria estar decidido no máximo em setembro”, disse ao Estadão Paulo Henrique Fraccaro, presidente da Abimo. 

 

De acordo com Fraccaro, as três empresas brasileiras que fabricam seringas têm capacidade de produzir de 120 a 140 milhões de unidades por mês, mas a produção atual já está comprometida com a demanda normal do setor.

Histórico de Conteúdo