Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

ASM diz que atrasos salariais no hospital do Wet aconteceram por conta da prefeitura
Foto: Max Haack / Secom

A Associação Saúde em Movimento (ASM), organização social que geria o hospital de campanha do Wet'n Wild, desativado no último mês, afirmou que os atrasos salariais aos colaboradores da unidade hospitalar se deram “devido ao retardamento do repasse mensal pela Prefeitura Municipal de Salvador, conforme prazo estabelecido em contrato” (entenda aqui).

 

Em nota enviada por sua assessoria de imprensa, a entidade ainda afirmou que só houve atraso salarial no mês de setembro.

 

A OS também negou que tenha havido instauração do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) em relação à gestão do Wet. 

 

“Ao tempo, esclarecemos que o Ministério Público do Trabalho, expediu recomendação de nº 156731.2020 em setembro de 2020, a fim de recomendar a Associação Saúde em Movimento, quanto ao Hospital de Campanha Covid-19, Wet’n Wild, medidas a serem adotadas, considerando que a atividade realizada pelo Hospital estaria classificada como de risco muito alto ou risco de auto exposição dos empregados ao vírus Covid-19. Nesse sentido, a Associação Saúde em Movimento, prontamente seguiu todas as medidas recomendadas pelo MPT, apresentando os protocolos de fornecimentos, utilização de EPIS, recibos de entregas e fichas de treinamentos ministrados para seus colaboradores”, diz trecho da nota.

Histórico de Conteúdo