Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 09 de Dezembro de 2020 - 13:40

Caso de superfungo em UTI da BA mobiliza governo, Ministério da Saúde, Anvisa e USP

por Jade Coelho

Caso de superfungo em UTI da BA mobiliza governo, Ministério da Saúde, Anvisa e USP
Foto: Ilustrativa/Paula Fróes/GOVBA

A identificação do superfungo Candida auris, que motivou um alerta da Anvisa nesta segunda-feira (7), aconteceu em uma Unidade de Tratamento Intensivo de um hospital da rede privada de Salvador. Esse pode ser o primeiro caso positivo no país (leia mais aqui). O episódio mobilizou o governo baiano, o hospital privado em que o fungo foi identificado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde e a Universidade de São Paulo (USP). Todos este entes trabalham em colaboração para esclarecer a situação e tomar as medidas cabíveis necessárias para afastar a ameaça à saúde pública.

 

O nome da unidade de saúde em que o fungo foi identificado não foi revelado. 

 

A Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) divulgou um vídeo em que o infectologista da Vigilância Epidemiológica, Antônio Bandeira, esclarece o alerta e o processo de investigação que vai confirmar se realemente se trata da primeira ocorrência no Brasil do superfungo temido no mundo inteiro.

 

O médico explica que o setor de microbiologia de um hospital privado estranhou as características do fungo e encaminhou amostra para  Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Moniz (Lacen-BA), que em duas análises confirmou de que se tratava do superfungo. A amostra também foi enviada para o Laboratório do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). 

 

O Candida auris é um fungo resistente a medicamentos, responsável por infecções hospitalares, e que pode ser fatal. 

 

"Como se trata da primeira circulação desse fungo no Brasil foi encaminhada para São Paulo para que possa ser feita, como agora está sendo processada, o sequenciamento genético", disse o médico, ao ressaltar que se trata de um exame complexo, que requer uma tecnologia avançada.

Histórico de Conteúdo