Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 06 de Abril de 2020 - 20:27

Mandetta permanece na Saúde, mas admite: 'Ajudaram a limpar minhas gavetas'

por Matheus Caldas

Mandetta permanece na Saúde, mas admite: 'Ajudaram a limpar minhas gavetas'
Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

Após as informações de que o presidente Jair Bolsonaro pensava em demiti-lo (leia mais aqui), o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta confirmou nesta segunda-feira (6) a continuidade no cargo. A informação foi confirmada em entrevista coletiva aos jornalistas após reunião do ministro com o chefe de Estado.

 

Mandetta admitiu a tensão pela possibilidade em sair do cargo e agradeceu à equipe que “ajudou a fazer a limpeza das gavetas”, mas garantiu que vai continuar trabalhando contra o coronavírus. “[As críticas] Têm sido uma constante no ministério. Adotaram uma determinada linha de termos muitas vezes que voltar, fazer contrapontos, para poder reorganizar a equipe que fica numa sensação de angústia”, declarou.

 

O titular da pasta afirmou que o trabalho nesta segunda rendeu abaixo do esperado pois a equipe estava com a “cabeça avoada” com as informações de que Bolsonaro poderia coloca-lo para fora. “É muito difícil num momento em que todos estão com os nervos a flor da pele pelos mais diversos motivos. É muito difícil trabalhar nesse sistema aonde a gente não sabe como vai ser o próximo dia ou a próxima semana. A gente não sabe se a doença vai se comportar igual se comporta nos outros países”, comentou.

 

Segundo o jornal O Globo, após a veiculação do intuito de que o presidente da República iria demitir nesta segunda o ministro em meio à crise, autoridades se articularam para tentar impedir a demissão. De acordo com a reportagem, os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal (STF), “entraram em circuito” para tentar impedir a saída de Mandetta.

 

Alcolumbre ligou para o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) dizendo que, caso a demissão fosse concretizada, a relação do governo com o Parlamento "ficaria muito difícil".

 

Toffoli, por sua vez, fez chegar ao Planalto a informação de que a decisão de Bolsonaro pegaria mal com a suprema Corte, e pediu ao ministro que pregasse harmonia com Bolsonaro. 

 

Segundo a revista Veja, militares, como Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Governo), convenceram Bolsonaro de que, por ora, a melhor decisão era não demitir Mandetta.

Histórico de Conteúdo