Anvisa retira tarja vermelha de 600 agrotóxicos; sobraram apenas 98
Foto: Nathalia Ceccon / Idaf-ES

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu retirar a tarja vermelha de 600 agrotóxicos e redistribui-los entre outras categorias. Nesta quinta-feira (1), foi definido que apenas aqueles produtos que levam à morte serão definidos como "extremamente tóxico" ou "altamente tóxico".

 

Ao todo, 698 produtos eram considerados extremamente tóxicos. Esse número foi reduzido para 43. Os outros foram redistribuídos entre as demais categorias estabelecidas pela anvisa: altamente tóxico (55); moderadamente tóxico (75); pouco tóxico (277); improvável de causar dano agudo (243) e não classificado - sem advertência (5).

 

De acordo com informações do G1, aqueles que podem causar intoxicação, sem risco de morte, vão levar a classificação "moderadamente tóxico" (tarja amarela), "pouco tóxico" (azul), ou "impossível de causar dano agudo" (azul).

 

Ao todo, cerca de de 1.942 produtos foram analisados, e 1.924 foram reclassificados. Os outros 18 não tiveram informações suficientes para serem redistribuídos. Vale ressaltar que o número de reavaliações equivale a 87,4% dos pesticidas disponíveis para comercialização no país, de acordo com o Ministério da Agricultura. São 2.201 ao todo.

 

O ritmo de liberações de agrotóxicos desde o início do governo Bolsonaro é o mais alto já registrado no período. Para um produto ser aprovado, ele tem que ter o aval da Anvisa, do Ibama e do Ministério da Agricultura.

Histórico de Conteúdo