Segunda, 03 de Novembro de 2014 - 09:50

Afta acomete 13% dos baianos; saiba como prevenir feridas

Afta acomete 13% dos baianos; saiba como prevenir feridas
Foto: Reprodução
A afta, que aparece em pequenas feridas na boca, acomete em torno de 25% da população mundial. Na Bahia, a estimativa é que 13% da população (por baixo) tenha o problema. O assunto foi um dos temas discutidos no Congresso Internacional de Odontologia da Bahia, realizado neste final de semana, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador. As feridas aparecem de uma série de fatores: ingestão de alimentos ácidos, sistema imunológico fragilizado, estresse, hereditariedade, deficiência nutricional, medicamentos e tratamentos (como a quimioterapia), e até problemas advindos da Tensão Pré-menstrual, a TPM. Quanto à faixa etária, o professor da Universidade Federal da Bahia Fernando Falcão (um dos maiores nomes em estomatologia do país) diz que o problema é mais comum em crianças e idosos. De acordo com Falcão, as aftas geralmente desaparecem depois de duas semanas. Caso o período de cicatrização seja maior, é importante que o paciente procure um estomatologista ou gastroenterologista para avaliar o quadro. Segundo o médico baiano e mestre em gastroenterologia pela Universidade de São Paulo Flávio Feitosa, portadores da síndrome do intestino irritável, doença de Crohn, doença celíaca (alergia ao glúten) são mais susceptíveis às aftas. De acordo com Feitosa, o consumo de alguns produtos podem irritar ainda mais o local machucado pelas aftas. É o caso das frutas cítricas, pimenta, condimentos em geral, que prejudicam a cicatrização. A prevenção do problema pode ser feita através da ingestão de alimentos naturais, ricos em vitaminas do complexo B (como as carnes, legumes, folhosos, leite e ovos), ferro (pimentão, feijão, salsa, frutas secas, chocolate meio-amargo, melado de cana-de-açúcar, rapadura e açúcar mascavo, fígado e peixes).


Histórico de Conteúdo