Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Excesso de fúria: psicólogo explica o limite entre os ataques de raiva e agressividade
Foto: Pixabay

É comum que algumas situações do dia a dia causem estresse, desconforto e até raiva, mas é preciso ficar atento quando a reação é desproporcional e se sobressai ao fato ocorrido. O alerta é do psicólogo do Sistema Hapvida, Carol Costa, que explica que, quando desmedido e frequente, o excesso de fúria precisa ser tratado por especialistas da saúde mental. “Quando a atitude é desproporcional ao agente causador isso pode se transformar em algo maior”, detalha o profissional, que revela haver alguns transtornos que podem estar ‘escondidos’ no descontrole, como a ‘síndrome de Hulk’.

 

Também conhecido como Transtorno Explosivo Intermitente (TEI), a síndrome pode gerar ataques de raiva e cólera desproporcionais à situação. Nesses casos, a pessoa não consegue controlar a reação e pode até mesmo agredir alguém de forma física ou verbal. A destruição de objetos também pode acontecer. “Passando o fato a pessoa sente até vergonha, pois percebe que foi exagerado”, comenta o especialista. 

 

Conforme Carol, a primeira coisa a ser feita nessas situações é procurar um psiquiatra, que irá avaliar o quadro e fazer análises que levarão a um diagnóstico. O tratamento costuma ser feito através de encaminhamento com psicólogo e medicamentos.

Histórico de Conteúdo