Mais de 480 mil tubarões podem morrer durante produção de vacinas contra a Covid-19
Foto: Divulgação / AquaRio

Pelo menos 489.702 tubarões podem morrer devido à extração de uma substância para fabricar vacinas contra a Covid-19. Na pior estimativa da ONG conservacionista americana Shark Allies, esse número pode chegar a 536.412.

 

De acordo com reportagem do SBT, a substância é chamada de esqualeno. Cinco dos 176 imunizantes que estão sendo testados contra o novo coronavírus se utilizam dela para aumentar a eficácia. 

 

O esqualeno é retirado do fígado de tubarões, mas também pode ser encontrado no azeite, cana-de-açúcar, fermento, bactérias e algas. O que pesa na utilização dos animais é a velocidade de extração, e isso causa a morte de 2,7 a 3 milhões de tubarões por ano.

 

A Shark Allies afirmou, em abaixo-assinado online, que a intenção do protesto não é retardar a produção da vacina contra a Covid-19, mas sim reafirmar que existem outros meios para se obter o esqualeno. A empresa de biotecnologia Amyris, que extrai a substância da cana-de-açúcar, por exemplo, teria afirmado que consegue obter o suficiente da substância para produzir 1 bilhão de imunizantes em um mês ou menos.

 

"Com bilhões de doses necessárias por ano, nas próximas décadas, é fundamental que não dependamos de recursos de animais selvagens", afirma a diretora executiva da Shark Allies, Stefanie Brendl. 

Conquista: Empresário morre de coronavírus após perder pai pela doença há 2 meses
Foto: Reprodução / TV Sudoeste

Um empresário, de 48 anos, morador de Vitória da Conquista, no Sudoeste, morreu vítima do novo coronavírus. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (28), mas o ocorrido aconteceu no sábado (26). Segundo TV Sudoeste, Marivaldo Sousa Ribeiro se preparava para um transplante de medula quando foi infectado pela Covid-19. Assim como o empresário, o pai dele veio a óbito pelo coronavírus, fato ocorrido há dois meses. Ribeiro deixa esposa e dois filhos.

 

NÚMEROS

Nesta segunda, a prefeitura informou que foram confirmados mais 57 novos casos de Covid-19. Com isso, o município já acumula 7.686 registros do novo coronavírus, sendo 7.181 já considerados curados. Ainda segundo a prefeitura, 366 pessoas estão em tratamento, sendo 31 delas internadas e 335 em isolamento social. Até esta segunda, 139 pessoas já morreram no município em decorrência do vírus.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 08:30

Feira: Boletim aponta mais 3 óbitos por Covid-19; total de perdas chega a 216

por Francis Juliano

Feira: Boletim aponta mais 3 óbitos por Covid-19; total de perdas chega a 216
Foto: Divulgação / Prefeitura de Feira de Santana

Mais três pessoas morreram vítimas do novo coronavírus em Feira de Santana. Segundo boletim da secretaria municipal desta segunda-feira (28), os óbitos ocorreram no sábado (26) e domingo (27). Com isso, o número total de perdas pela enfermidade no município chegou a 216. A pasta também informou que sete casos da Covid-19 foram confirmados no dia, o que faz a cidade acumular 10.155 registros.

 

Ainda segunda a secretaria, há ainda 422 casos ativos, 400 pessoas estão isolamento domiciliar e 22 pacientes seguem internadas devido ao vírus. Em Feira de Santana, 9.517moradores são considerados curados. O município foi o primeiro da Bahia e do Nordeste a registrar caso confirmado da Covid-19. O fato ocorreu no dia 6 de março.

Terça, 29 de Setembro de 2020 - 07:41

PF faz buscas em gabinete do governador do Pará

PF faz buscas em gabinete do governador do Pará
Operação SOS | Foto: Divulgação / PF

A Polícia Federal faz buscas no gabinete do governador do Pará, Helder Barbalho, na manhã desta terça-feira. Os mandados são cumpridos no âmbito da Operação S.O.S, para desarticular suposta organização criminosa dedicada a desvios de recursos da Saúde destinados a contratação de organizações sociais para gestão de hospitais públicos do Pará, dentre eles os hospitais de campanha para o combate à pandemia do novo coronavírus. 

 

Segundo o Estado de S.Paulo, entre os investigados estão empresários, o operador financeiro do grupo, integrantes da cúpula do governo do Pará, além do governador filiado ao MDB. Entre os alvos das buscas realizadas nesta manhã está o Palácio do Governo, sede do Executivo do Pará.

 

A PF pediu mandado de busca e apreensão contra o governador, mas o STJ indeferiu a solicitação. A ofensiva cumpre 12 mandados de prisão temporária e 41 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 23:00

Ministério da Saúde agora quer 'dia D' com 'aula virtual' a médicos sobre cloroquina

por Natália Cancian | Folhapress

Ministério da Saúde agora quer 'dia D' com 'aula virtual' a médicos sobre cloroquina
Foto: Reprodução / Em

Alvo de críticas, a programação de uma espécie de "dia D" contra a Covid-19, em planejamento pelo Ministério da Saúde para ocorrer no sábado (3), deve agora ser virtual e incluir aulas a médicos sobre o uso da cloroquina -remédio que não tem comprovação científica de eficácia para a nova doença.

Segundo a secretária de Gestão em Trabalho em Saúde, Mayra Pinheiro, entre as medidas previstas, está gravar vídeos para "médicos que foram assustados e desestimulados a tratar seus pacientes precocemente" com o medicamento.

"Esse dia D é um dia para a gente conscientizar os médicos que ainda têm medo porque sofreram muito bombardeio de sociedades médicas, de grupos que, por ideologia, eram contra o medicamento, que era a única coisa que a gente tinha quando a doença começou", disse à reportagem.

"Vamos mostrar todas as evidências científicas e estar no sábado no YouTube com programação de aulas para médicos e conscientização da população de que ela dispõe de um recurso que, se usado precocemente, pode melhorar o curso da doença."

Ainda não há, porém, comprovação de eficácia do remédio contra a Covid-19. Estudos randomizados e controlados, tidos como padrão-ouro, também não apontaram resultados positivos.

Questionada sobre esses dados, Mayra disse que esses estudos têm "metodologia frágil". Segundo ela, a ideia da pasta é trazer uma publicação com referências de pesquisas acompanhadas pela pasta e relatos de casos.

A estratégia deve ainda abordar outros remédios, como a ivermectina, afirmou. Especialistas ouvidos pela reportagem, porém, negam que haja respaldo científico para um tratamento precoce com o medicamento.

A ideia de um "dia D" para estimular o "tratamento precoce" foi apresentada a representantes de secretários de Saúde e de entidades médicas na semana passada.

Entre as ações descritas na apresentação, obtida pela reportagem, a pasta listava a possibilidade de que o Exército distribuísse hidroxicloroquina para unidades básicas de saúde selecionadas, as quais ficariam abertas no sábado.

Antes, também sugeria verificar estoques e reforçar a distribuição de hidroxicloroquina para municípios interessados e que tenham condições de fracionar o remédio --doado pelos Estados Unidos em embalagens com doses maiores do que o habitual.

Previa ainda um pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro -o que a Secom nega-, além de cartazes sobre a necessidade de tratamento precoce, a serem colocados em pontos de maior circulação de pessoas, como shoppings e academias.

Profissionais envolvidos na divulgação também receberiam uma camiseta --cujo slogan seria desenvolvido pelo empresário bilionário Carlos Wizard, conhecido defensor da cloroquina e que chegou a ser cotado como secretário de Ciência e Tecnologia, mas não assumiu o cargo.

Em nota divulgada na sexta-feira (25), o ministério confirmou a intenção de fazer um "dia de conscientização para o cuidado precoce", mas negou a distribuição do medicamento na iniciativa. Disse ainda que a data está em análise.

A ideia, apontou, é que a ação integre uma campanha que vem sendo veiculada chamada de #NãoEspere. "O objetivo é garantir o direito e acesso da população ao tratamento precoce e evitar o agravamento da doença, reduzindo complicações, internações e óbitos", disse.

A proposta, porém, tem gerado desconfiança entre secretários estaduais de Saúde.

Em nota, o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) disse defender que as pessoas com Covid-19 recebam atenção médica a partir dos primeiros sintomas, mas que isto "não deve significar o estímulo à utilização de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença".

Já Mauro Junqueira, secretário-executivo do Conasems, conselho que reúne secretários municipais de Saúde, disse apoiar a ideia da data como forma de estimular medidas de prevenção.

"Vemos movimentação em bares, ruas, praças, todo mundo sem máscara. Não podemos baixar a guarda."

"Vai ter gente falando da cloroquina? Vai. Mas deixamos claro que a responsabilidade da prescrição é do profissional médico. O que não pode é a pessoa ter a doença e se isolar e ficar sem nenhum acompanhamento, porque a hora que piora vai para a UTI", disse Junqueira.

A proposta também é rebatida por especialistas.

Para a infectologista Raquel Stucchi, da Unicamp, ter um dia D "seria uma ótima iniciativa para incentivar o uso correto de máscaras, conscientizar que a pandemia não acabou, que as pessoas não devem fazer aglomeração e proteger as pessoas com maior risco".

Segundo Stucchi, a orientação de procurar o médico de maneira precoce ajuda no diagnóstico e monitoramento, mas não há motivo para indicar a cloroquina. "Infelizmente não há uma medicação para prevenção ou tratar formas graves."

Voluntários se unem para consertar respiradores no Rio de Janeiro
Foto: Reprodução / Gov.Sp

Profissionais de engenharia do Rio de Janeiro se uniram de forma voluntária para fazer a manutenção e o conserto de ventiladores mecânicos de hospitais públicos do estado utilizados nas unidades de terapias intensiva (UTIs) de pacientes com a covid-19. Os respiradores são comumente usados para tratar pacientes com dificuldade respiratória grave e vêm tendo alta demanda durante a pandemia.

 

Segundo a Agência Brasil, o núcleo da central de reparos fica nos laboratórios de eletricidade e fresamento do campus Maracanã do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ), na capital fluminense. A Secretaria estadual de Saúde é a principal interlocutora entre os voluntários que atuam na manutenção dos equipamentos e os hospitais da rede pública que necessitam do serviço.

 

Segundo um dos coordenadores do projeto e professor do Cefet/RJ Mauricio Motta, a central funciona com voluntários trabalhando presencialmente e outros de forma remota, principalmente os que estão no grupo de risco da covid-19. Após o recebimento dos equipamentos, os respiradores passam por um processo de higienização, cadastramento e triagem antes de seguir para a bancada de reparo e testes. Ao fim da manutenção, os ventiladores são calibrados e, uma vez aprovados, são entregues ao hospital de origem junto com o certificado de calibração.

 

Ao todo, a equipe do projeto é composta por cerca de 30 profissionais das áreas de engenharia mecânica, elétrica, eletrônica e clínica, professores e enfermeiros. A iniciativa oferece o serviço de forma gratuita e tem parceria com uma equipe de engenharia e manutenção de Furnas, com o Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos e a empresa Nova Service, que é a responsável pela calibração dos equipamentos recuperados.

 

A equipe de voluntários também é formada por empresas como a White Martins, que fornece o gás utilizado. A ação tem o apoio do Clube de Engenharia, da Associação Comercial do Rio de Janeiro e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

 

De acordo com Motta, desde que a central de reparos começou a operar, em maio, já foram entregues 12 equipamentos consertados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, zona norte do Rio; um para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na região metropolitana, e outro para o Hospital Municipal Raul Sertã, em Nova Friburgo, na região serrana.

 

Segundo o docente do Cefet/RJ, são necessárias, em média, de duas a três semanas para o reparo do equipamento. Ele destaca que a motivação para o projeto foi verificar que nos meses iniciais da pandemia no Brasil era difícil e caro comprar e receber os ventiladores pois havia uma competição mundial para a compra dos respiradores.

 

“A gente viu a dificuldade de compra desses equipamentos, o tempo de entrega longo, e, às vezes, a qualidade dos novos equipamentos nem sempre é tão boa quanto a do que a gente está consertando”, disse Motta, acrescentando que a aquisição de um respirador gira em torno de R$ 80 mil e o conserto, R$ 20 mil.

 

O professor do Cefet/RJ ressalta que um dos desdobramentos possíveis do projeto poderá ser voltado para a formação de profissionais de engenharia especializados na área de equipamento hospitalar. “Existe a possibilidade de fazermos um estudo junto com Secretaria de Saúde e com o Sebrae para formação de profissionais técnicos e engenheiros para um atendimento específico das unidades hospitalares. Vimos que esse é um ponto de carência de profissional qualificado em todo o Brasil”.

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 22:10

Mortos em razão da Covid-19 chegam a um milhão em todo o mundo

por Mauricio Leiro

Mortos em razão da Covid-19 chegam a um milhão em todo o mundo
Foto: Divulgação

Após noves mesmes de pandemia que teve início na China, a Covid-19 atingiu nesta segunda-feira (28), um milhão de mortes no mundo. Os dados são divulgados pela Universidade Johns Hopkins (EUA). O total de mortos é de 1.000.555.


Ainda segundo a universidade, o total de infectados pelo novo coronavírus é de mais de 33 milhões de pessoas.

 

Os Estados Unidos são, de longe, o país mais afetado em número de mortes e casos, com aproximadamente 205 mil mortes. São seguidos pelo Brasil, com cerca de 142 mil óbitos até esta segunda-feira, e depois por Índia (95,5 mil), México (76,4 mil) e Reino Unido (41 mil).

Brasil tem alta no número de casos e chega a 4,74 milhões de casos da Covid-19
Foto: Reprodução / Agência Brasil

O Brasil tem alta em número de infectados e chega a 4.745.464 pessoas com Covid-19 no quadro da pandemia. As informações foram atualizadas pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (28). O país registrou 13.155 novos casos do novo coronavirus.

 

O total de óbitos em razão da doença chegou a 142.058. As novas mortes em 24h somaram 317 registros. 

 

Do total de casos, 10,9% dos pacientes estão em tratamento (519.224); e 86,1% dos brasileiros que contraíram covid-19 estão recuperados (4.084.182).

 

Veja:

 

Foto: Ministério da Saúde

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 20:00

Primeiro homem curado do HIV enfrenta câncer terminal

Primeiro homem curado do HIV enfrenta câncer terminal
Foto: Reprodução / YouTube

Primeiro paciente a ser curado da infecção do HIV, Timothy Ray Brown, conhecido como "paciente de Berlim" enfrenta uma leucemia em estágio terminal. Hoje com 54 anos, ele foi submetido a um transplante de um doador com resistência natural ao vírus da aids há cerca de 12 anos e o caso ficou conhecido em todo o mundo. 

 

Timothy Ray Brown hoje vive com cuidados paliativos, esse tipo de tratamento foca na qualidade e não na duração da vida. Oferecem assistência humana e compassiva para os pacientes que se encontram nas últimas fases de uma doença que não pode mais ser curada para que possam viver o mais confortavelmente possível e com a máxima qualidade. As informações são do Estadão.

 

O "paciente de Berlim" concedeu entrevista à The Associated Press, e contou que o câncer voltou no último ano e de forma mais agressiva. Ele foi diagnosticado com leucemia em 2006, traz reportagem do Estadão. Na época, o médico Gero Huetter, especialista em câncer sanguíneo da Universidade de Berlim, defendia que um transplante de medula era a melhor chance para que o paciente sobrevivesse e propôs utilizar o procedimento também para tentar curá-lo do HIV, com a participação de um doador com uma rara mutação genética que fornece resistência natural ao vírus da aids.

 

No procedimento a que Timothy foi submetido o paciente tem o sistema imunológico destruído com quimioterapia e radiação. O passo seguinte é o  transplante de células do doador, na expectativa de que elas se desenvolvam em um novo sistema imunológico para o receptor. 

 

A reportagem lembra que primeiro transplante de Brown ocorreu em 2007, mas foi apenas parcialmente bem-sucedido, pois o vírus do HIV sumiu, mas a leucemia permaneceu.

 

“Ainda estou feliz por tê-lo feito", conta Timothy sobre o transplante histórico. Ele ainda lembra que o procedimento dele abriu portas e serviu de inspiração para cientistas buscarem uma cura para a aids.

Unidade móvel da Hemoba chega a Lauro de Freitas na próxima terça-feira
Foto: Divulgação / Sesab

Entre terça-feira (29) e sexta-feira (2), a unidade móvel do Hemoba ficará em Lauro de Freitas para receber doadores de sangue do município. De acordo com a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), o ônibus ficará estacionado na Loja Maçônica União e Sabedoria, localizada no bairro de Pitangueiras, das 8h às 17h.

 

O atendimento será feito por ordem de chegada, respeitando o limite de dois doadores por ônibus, para evitar aglomeração. O roteiro do hemóvel foi retomado no início de setembro com restrições, devido à pandemia do novo coronavírus.

 

Foram adotadas medidas sanitárias de prevenção, diminuição no número de pessoas por ônibus e ainda a adição de uma sala anexa nas unidades.

 

Para doar sangue, o voluntário deve estar em boas condições de saúde, sem sintomas virais, pesar mais de 50 quilos, estar bem alimentado e ter entre 16 e 69 anos incompletos. Menores de 18 anos precisam estar acompanhados de um responsável legal, e apresentar documento original com foto, emitido por órgão oficial e válido em todo o território nacional.

Mães com Covid-19 não transmitem doença por amamentação, afirma estudo
Foto: Divulgação

Mães infectadas pela Covid-19 não transmitem a doença para os seus bebês pela amamentação. Essa é a conclusão de um estudo italiano publicado nesta segunda-feira (28), na revista científica Frontiers in Pediatrics.

 

De acordo com informações do portal Viva Bem, do UOL, a pesquisa se baseou em dados registrados na cidade de Turim (ITA) sobre recém-nascidos amamentados por mães infectadas pela Covid-19 e que utilizaram máscara, limparam as mãos com álcool gel e desinfectaram superfícies de objetos usados. Nenhum dos bebês testou positivo para a doença.

 

A liderança do estudo foi de cientistas da Cidade da Saúde e da Ciência de Turim. "Esses resultados são tranquilizadores para as mães e para os operadores sanitários que cuidam da saúde da mãe e das crianças. A pesquisa dá apoio também às recentes recomendações da OMS [Organização Mundial da Saúde] que, mesmo com as limitadas informações disponíveis até agora, em consideração com todos os benefícios, também imunológicos, do aleitamento materno, recomendou também para as mães positivas", ressaltou Enrico Bertino, coordenador da pesquisa e coordenador da Neonatologia Universitária do hospital Sant'Anna.

 

Em virtude da dificuldade de entender como o vírus contagia outras pessoas, o aleitamento materno foi um dos principais temas que geraram dúvidas no início da pandemia.

 

Em junho, porém, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, fez recomendação para que mães amamentassem normalmente seus filhos. A única restrição feita foi para o caso de elas estarem sentindo sintomas da Covid-19. 

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 17:30

Após leve aumento, número de casos ativos da Covid-19 volta a reduzir na Bahia

por Mari Leal

Após leve aumento, número de casos ativos da Covid-19 volta a reduzir na Bahia
Foto: Paula Fróes/GOVBA

Dados atualizados da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) confirmam que o estado possui, nesta segunda-feira (28), 6.756 casos ativos da Covid-19, revelando a retomada de tendência de queda, após um leve aumento na última semana. 


De acordo com o boletim, nas últimas 24h foram registrados 593 novos casos, a uma taxa de crescimento de 0,28%. O total de infecções na Bahia desde o início da pandemia é de 306.629. 


Já o número de óbitos contabilizados nas últimas 24h é de 49. O total acumulado desde março é de 6.648. A taxa de letalidade na Bahia é de 2,17%. 

OMS vai disponibilizar 120 milhões de testes rápidos de Covid-19 para 133 países 
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

Cerca de 120 milhões de testes diagnósticos da Covid-19 serão distribuídos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a 133 países de baixa e média renda. Os testes serão enviados aos países em um período de seis meses, conforme divulgado pela entidade nesta segunda-feira (28).

 

Conforme informações publicadas em rpotagem do estadão, a OMS não informou se o Brasil está entre os países que receberão os testes, mas a entidade afirmou que os exames ficarão disponíveis em "muitos países" na América Latina.

 

Os testes usados serão os de antígenos, aqueles capazes de identificar as proteínas do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Os resultados saem em cerca de 15 a 30 minutos. 

 

De acordo com a OMS, a testagem pode ser particularmente útil para responder a suspeitas de surtos em locais remotos; para investigar grupos (os chamados "clusters") nos quais há suspeita de surtos; para testar populações que têm maior exposição ao vírus, como os profissionais de saúde da linha de frente ou os trabalhadores essenciais; para testagem em locais com transmissão comunitária disseminada – para saber onde está o vírus e quem está infectado com ele.

Após irem a festa no interior de São Paulo, alunos de são suspensos de universidade
Foto: Reprodução / Instagram

Após irem a uma festa durante a pandemia da Covid-19, alunos de uma faculdade particular da cidade e São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, foram suspensos por 15 dias.

 

O evento foi realizado em uma chácara, de acordo com informações da TV Tem, afiliada da Rede Globo na região. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra centenas de pessoas aglomeradas, sem máscaras, consumindo bebidas alcoólicas e cantando hinos da faculdade em questão.

 

A instituição se pronunciou por meio de nota, afirmando que não teve relação com a festa. Os alunos identificados no vídeo foram suspensos, e uma sindicância será aberta para analisar o caso. Os estudantes de medicina podem ser expulsos.

 

São José do Rio Preto contabilizou, até a última sexta-feira (25), 21.459 casos da Covid-10, que resultaram em 584 mortes. O número de recuperados é 18.940. Pessoas internadas por complicações geradas pelo novo coronavírus somam 169. 

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 14:00

Consumo de ultraprocessados cresce no Nordeste durante pandemia

Consumo de ultraprocessados cresce no Nordeste durante pandemia
Alimentos ultraprocessados em mercado | Foto: Reprodução / Agência Brasil

As primeiras análises do Estudo NutriNet Brasil, que envolveram os primeiros dez mil participantes da pesquisa, indicam um aumento generalizado na frequência de consumo de frutas, hortaliças e feijão (de 40,2% para 44,6%) durante a pandemia. Por outro lado, a evolução positiva na alimentação foi acompanhada por um aumento no consumo de alimentos ultraprocessados nas regiões Norte e Nordeste e também entre as pessoas de escolaridade mais baixa. Esses resultados sugerem desigualdades sociais na resposta do comportamento alimentar à pandemia.

 

Na análise do consumo de alimentos não saudáveis, foram considerados 23 subgrupos de alimentos ultraprocessados incluindo refrigerante, suco de fruta em caixa ou lata, iogurte com sabor, salsicha ou hambu?rguer ou nuggets, presunto ou salame ou mortadela, pa?o de forma ou de cachorro-quente ou de hambu?rguer, margarina, batata frita congelada, entre outros. Nas regiões Norte e Nordeste, o número médio de subgrupos consumidos por pessoa aumentou em cerca de 10%: de 2,2 para 2,4 e de 2 para 2,2, respectivamente. Aumento semelhante também foi constatado entre os brasileiros de todas as regiões com escolaridade inferior a 11 anos de estudo.

 

"O aumento do consumo de alimentos ultraprocessados, que aponta para uma piora na qualidade da dieta, preocupa", comenta o Professor Carlos Monteiro, coordenador do NutriNet Brasil. Enquanto o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados fortalece os mecanismos de defesa do organismo, o consumo de ultraprocessados favorece doenças crônicas que aumentam a letalidade da Covid-19. "Esse aumento do consumo de alimentos não saudáveis poderia estar refletindo a intensificação da publicidade desses produtos observada durante a pandemia", acrescenta.

 

Para essa análise, o Estudo NutriNet Brasil aplicou o mesmo questionário alimentar em dois momentos: entre 26 de janeiro e 15 de fevereiro (antes da pandemia) e entre 10 e 19 de maio (durante a pandemia). Foi questionado o consumo de uma série de alimentos no dia anterior ao preenchimento do formulário. Na amostra composta pelos dez mil primeiros participantes do estudo, constavam respostas de 290 pessoas do Norte e 1.122 do Nordeste, em sua maioria jovens adultos, de 18 a 39 anos (59,8%), mulheres (69,7%) e com nível de escolaridade superior a 11 anos de estudo (85,4%).

 

A motivação desta análise foi conhecer o impacto da pandemia de Covid-19 sobre o comportamento alimentar da população.

 

O recorte faz parte do Estudo NutriNet Brasil, lançado em janeiro de 2020, que tem como objetivo investigar a relação entre padrões de alimentação e o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. A pesquisa tem duração de 10 anos e irá acompanhar 200 mil pessoas.

Prefeitura fará consultas e exames extras por 90 dias para zerar fila por atendimento
Foto: Divulgação

O prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou nesta segunda-feira (28) que a prefeitura vai oferecer 280 mil procedimentos extras de saúde, como consultas e exames, para tentar zerar a fila de espera por atendimento, que engrossou devido à pandemia. A oferta vai acontecer durante 90 dias.

 

De acordo com o gestor, os procedimentos serão feitos por clínicas que já prestam serviços para a prefeitura e por outras que a administração vai contratar para reforçar a rede municipal.

 

“A Secretaria de Saúde está baixando uma portaria para definir como as novas clínicas devem se habilitar para o provimento desses serviços. Vamos descentralizar, usar as clínicas, os laboratórios espalhados pela cidade, que são contratados ou contratarão conosco, e vamos zerar, nos próximos 90 dias, a fila de espera para consultas na nossa cidade”, afirmou Neto em coletiva nesta manhã, durante início das obras do Programa Morar Melhor na região de Jaguaripe. 

 

Entre as especialidades oferecidas para adultos, estão mais de 18 mil consultas oftalmológicas, 15.367 cardiológicas, 15.023 com otorrinolaringologista, 11.885 com neurologista e 11.116 com urologista. Crianças terão atendimento para cardiologia, neurologia, cirurgia pediátrica, ortopedia e traumatologia. 

 

A prefeitura também vai oferecer exames como ultrassom transvaginal, ultrassom mamária bilateral, abdômen total, mapa (exame de pressão arterial), endoscopia, ecocardiogramas, para articulações e tireoide.

 

Segundo Neto, o mutirão é importante porque a pandemia  de coronavírus aumentou a quantidade de pessoas não atendidas para procedimentos especialistas. “Com a pandemia, isso se tornou mais grave. Muita gente ficou com medo de sair de casa pra ir no posto de saúde, ir no multicentro, procurar uma das clínicas contratualizadas pela prefeitura. A oferta permanente é menor que a demanda. Com a pandemia, como muitos deixaram de procurar as unidades de saúde, isso foi se avolumando”, explicou.

 

Os detalhes sobre o início dos mutirões e onde os atendimentos serão prestados ainda serão divulgados pela prefeitura. 

Segunda, 28 de Setembro de 2020 - 07:20

A investigação epidemiológica do coronavírus chegou em Salvador. Antes tarde do que nunca

por Fernando Duarte

A investigação epidemiológica do coronavírus chegou em Salvador. Antes tarde do que nunca
Foto: Priscila Melo/ Bahia Notícias

Comum em países como Japão e Coreia do Sul, a busca ativa por contaminados pelo novo coronavírus fez parte da estratégia de enfrentamento da pandemia. Na Alemanha, o chamado paciente zero foi encontrado após uma investigação epidemiológica, que permitiu o controle da disseminação da doença. Agora, quase sete meses após a confirmação do primeiro caso no Brasil, Salvador anunciou que fará uma medida similar. Pena que demorou tanto.

 

No começo da pandemia, os secretários de Saúde Fábio Vilas-Boas (Bahia) e Léo Prates (Salvador) relataram a dificuldade para localizar e isolar os pacientes assintomáticos. Primeiro pela dificuldade logística. Há uma complexidade muito grande na identificação das pessoas doentes e nas próprias relações entre aquelas que testaram positivo para o novo coronavírus. Como seria inviável refazer toda a cadeia de contaminação, com recursos humanos e financeiros limitados, o investimento possível foi solicitar que a própria população se recolhesse em quarentena quando apresentasse algum sinal da doença.

 

Não foi o melhor dos mundos. Infelizmente, os números cresceram mais do que qualquer um gostaria. Todavia, o resultado foi muito abaixo das previsões iniciais para o estado. Houve uma consonância nas ações do governo da Bahia e da prefeitura de Salvador, somadas a um mínimo de consciência social. O isolamento não foi o perfeito, mas permitiu que o sistema de saúde se preparasse para o pior - que, felizmente, não aconteceu. Ponto positivo numa crise sanitária sem precedentes.

 

Como a busca ativa não foi possível durante as fases iniciais da pandemia - o que poderia evitar a massificação da Covid-19 -, a prefeitura de Salvador anunciou, na última sexta-feira (25), o início da investigação epidemiológica nos bairros do município. A iniciativa vai promover uma testagem amostral em áreas da cidade para identificar a presença de pessoas com coronavírus ou com os anticorpos que sugiram uma contaminação anterior. É uma tarefa complexa, porém permitida agora que já há mais informações sobre o comportamento do vírus, com certo rascunho da transmissibilidade dele.

 

Para além dos dados já disponíveis, como ocupação de leitos, números de casos confirmados e óbitos, essa medida talvez seja a que mais aproximará Salvador de retomar uma “normalidade”. Mesmo que não haja a chamada imunidade de rebanho, entender como a doença se espalhou pela maior cidade da Bahia é algo crucial para o futuro próximo e até mesmo para enfrentar outras pandemias.

 

Este texto integra o comentário desta segunda-feira (28) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para a rádio A Tarde FM. O comentário pode ser acompanhado também nas principais plataformas de streaming: Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e TuneIn.

Pesquisa aponta que 'mais pobres' têm 2 vezes mais chance de ter Covid do que 'mais ricos'
Foto: Reprodução / G1

A Universidade Federal de Pelotas (UFPel) divulgu um estudo em que aponta que as pessoas mais pobres do Brasil tem duas vezes mais chances de ter sido infectada pela Covid-19 do que a população mais rica.

 

De acordo com informações do G1, a pesquisa também revelou que apenas um a cada dez casos da doença no país foi oficialmente notificado. "Os 20% mais pobres da população tiveram o dobro do risco [de contaminação] que os 20% mais ricos – mesmo a pandemia tendo chegado ao Brasil pelos aeroportos, por pessoas de maior nível socioeconômico", avalia o epidemiologista Pedro Hallal, reitor da UFPel e primeiro autor do estudo.

 

O objetivo do estudo é analisar a proporção de pessoas com anticorpos para a Covid-19 País. Além disso, os indígenas, por conta da situação de vulnerabilidade social, também entraram nessa estatística. Os anticorpos para a Covid-19 eram quatro vezes mais frequentes entre os indígenas do que entre a população branca.

 

A maior prevalência, entretanto, também foi associada à pobreza. Os cientistas acharam improvável, por exemplo, que essas pessoas tivessem alguma predisposição genética que facilitasse a infecção.

Domingo, 27 de Setembro de 2020 - 17:40

Após seis dias, Bahia volta a registrar menos de mil casos de Covid-19 em 24h

por Matheus Caldas

Após seis dias, Bahia volta a registrar menos de mil casos de Covid-19 em 24h
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

A Bahia registrou 850 casos do novo coronavírus nas últimas 24h. A informação consta na edição deste domingo (27) do boletim da Secretaria da Saúde (Sesab) do Estado. É a primeira vez desde a última segunda-feira (21) que o estado apresenta menos que mil casos da Covid-19 na análise diária.

 

Desta forma, a Bahia chegou a 306.036 casos confirmados desde o início da pandemia, dos quais 7.001 encontram-se ativos. No total, 6.599 pessoas morreram em razão do vírus – mais 47 mortes foram contabilizadas na edição deste domingo do boletim.

Fiocruz afirma que Manaus vive segunda onda de Covid-19 e sugere lockdown
Foto: Mário Oliveira / Semcom

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que Manaus vive uma segunda onda de contágio da Covid-19. Com isso, o autor do estudo, Jesem Orellana, propõe a adoção de lockdown para conter a circulação do vírus. 

 

Na última sexta-feira (25), o governo do Amazonas determinou o fechamento de bares e casas noturnas após identificar o aumento no número de casos de infecção.

 

"É indubitável que estamos em uma segunda onda em Manaus, que estamos tendo um elevando número de hospitalizações por casos graves de síndromes respiratória aguda grave. Esse tipo de cenário epidemiológico em que se tem a Prefeitura aumentando os atendimentos nas unidades básicas de saúde, você tem o governo do estado aumentando o número de leitos para internação por casos suspeitos e confirmados de covid-19, é completamente incompatível com a tese de que temos imunidade de rebanho", disse o pesquisador, em entrevista à Globonews.

 

O estudo contradiz outro divulgado na última semana, que foi coordenado pela Aaculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) (leia mais aqui).

 

Manaus tem 49.237 pessoas infectadas e 2.487 mortes pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

Fiocruz registra queda de 10% na média móvel de mortes por Covid-19 no Brasil
Foto: Fiocruz

Dados divulgados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam uma queda de 10,35% no número de mortes por Covid-19 no Brasil. Nesta sexta-feira (25), a média móvel de mortes pela doença foi de 687,86. Segundo a Fiocruz, os dados sinalizam 79,23 registros a menos, em relação à sexta-feira anterior (18), quando haviam sido registradas 767,29 mortes.https://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.png?id=1389031&o=nodehttps://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.gif?id=1389031&o=node

 

A média móvel de sete dias é calculada somando-se o número de mortes nesse intervalo de tempo (o dia de referência mais os seis dias anteriores) e dividindo-se o total por sete. Com isso, é possível reduzir o impacto de oscilações diárias.

 

Esse é o menor número médio de mortes desde o dia 9 de setembro (682,86). O pico de mortes (1.095,14) foi atingido em 25 de julho. Desde então, apresentou tendência de queda (com oscilações e leves altas) até o dia 9 de setembro. Depois disso, as mortes voltaram a aumentar até chegarem a 814,57 no último dia 15 e depois caíram novamente.

 

Entre os estados, há aqueles que apresentaram na última semana altas e aqueles que apresentaram queda. Entre as quedas, destacam-se Rondônia (-46%), Pará (-43,34%), Santa Catarina (-26,17%) e Rio Grande do Sul (-20,26%). Entre as altas ocorridas do dia 18 de setembro até ontem aparecem Paraíba (17,5%), Sergipe (15,29%), Espírito Santo (12,44%). Roraima e Rio Grande do Norte não tiveram seus dados divulgados ontem.

Sábado, 26 de Setembro de 2020 - 18:59

Após 4 dias em queda, número de casos ativos de Covid-19 na Bahia volta a subir

por Bruno Leite

Após 4 dias em queda, número de casos ativos de Covid-19 na Bahia volta a subir
Foto: Divulgação / Sesab

O estado da Bahia voltou a registrar um aumento no número de casos ativos do novo coronavírus (Covid-19) neste sábado (26). O quantitativo, que apresentava um comportamento de redução, registrou 102 pessoas a mais. Um total de 2.128 casos  baianos testaram positivo nas últimas 24h.

 

Segundo o boletim epidemiológico, divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) na tarde de hoje, a Bahia tem 7.272 pacientes com a Covid-19. Nesta sexta-feira (25), esse quadro era de 7.170 pessoas.

 

A Bahia registrou, desde o início da pandemia, 305.186 infectados pelo novo coronavírus e 6.552 óbitos em decorrência da doença.

 

A taxa de ocupação dos 1.027 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados a adultos é de 51% - o que corresponde a 523 pessoas. Já as vagas de UTI pediátricas - são 31 - apresentam uma taxa de ocupação de cerca de 42%, o que quer dizer que treze crianças encontram-se internadas nesses leitos.

Sábado, 26 de Setembro de 2020 - 18:40

Crises locais eclipsam quadro de Covid grave mas estável na América Latina

por Sylvia Colombo | Folhapress

Crises locais eclipsam quadro de Covid grave mas estável na América Latina
Foto: Secom / PMS

Embora existam sinais de estabilização da pandemia de coronavírus na América Latina, e, por vezes, até tendência de queda nos números, a região continua sendo uma das mais afetadas pela Covid-19 no mundo.

Entre os dez países com maior número de infecções, cinco são latino-americanos: Brasil (3º), Colômbia (5º), Peru (6º), México (8º) e Argentina (9º). E, entre os dez com mais mortos por 100 mil habitantes, cinco também são da região: Peru, Bolívia, Chile, Brasil e Equador.

Mas um outro lado da crise sanitária -as consequências econômicas, políticas e sociais desencadeadas pelas medidas de restrição- eclipsa o ainda grave quadro da pandemia na região. Revoltas contra a polícia surgiram na Colômbia; marchas antigoverno voltaram a ocorrer no Chile; a instabilidade eleitoral se acentuou na Bolívia; e, na Argentina, uma crise econômica severa já deu as caras.

Anunciado nesta semana, o PIB argentino registrou uma queda de 19,1% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior --a cifra é pior do que a registrada na histórica crise de 2002.

Dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), órgão da ONU, apontam para quedas de 9,9% no PIB da Argentina, 10,5% no do México, e 14% no do Peru.

"O vírus está sendo uma tragédia para a América Latina, e não dá para comparar o desempenho dos países da região com o da Europa e o dos EUA, porque as condições são muito particulares", diz o cientista político Steven Levitsky, da Universidade Harvard.

Assim, a dificuldade para manter cidadãos em suas casas gerou caos social na Colômbia. Em Bogotá, a polícia matou o taxista Javier Ordóñez, que, segundo os agentes, teria resistido a uma ordem de prisão. O motivo: bebia na rua com amigos, o que viola as regras de distanciamento social.

Os gritos de "por favor, parem" e "agente, eu lhe suplico", registrados em vídeo que viralizou, provocaram protestos que deixaram ao menos dez mortos e centenas de feridos na capital colombiana.

Já o Chile, tomado por manifestações contra o presidente Sebastián Piñera há quase um ano, viu a pandemia como um intervalo dos atos. Agora, os protestos quase diários de 2019 voltaram a ocorrer com intensidade, e as cenas de policiais prendendo ativistas habitam o dia a dia outra vez.

Crises políticas também se agravaram devido à pandemia. A Bolívia deve realizar, enfim, sua eleição presidencial, após três adiamentos de um ciclo eleitoral que parece interminável. Do pleito que chegou a reeleger Evo Morales para, em seguida, vê-lo renunciar, até o dia da nova votação, em 18 de outubro, o país assistiu a choques entre o MAS (Movimento ao Socialismo, partido do ex-presidente) e a líder interina, Jeanine Añez, que envolveram até uma investigação de pedofilia.

No Peru, em vez da maior taxa de mortos per capita do mundo, o que chamou a atenção recentemente foi a tentativa de tirar Martín Vizcarra do poder. Acusado de corrupção, o presidente teve de ir ao Congresso se explicar. Escapou, mas ficou sob pressão.

Ainda que a liderança na taxa de óbitos tenha sido obtida com a ajuda da queda drástica nos índices europeus, o Peru já registrou quase 799 mil casos e 31.938 mortes, numa população de 31,9 milhões. A boa notícia é que a tendência dos números diários é de queda.

Neste ambiente, os únicos países da região que mantém uma boa performance desde o início da crise são Paraguai e Uruguai. O primeiro, porque sempre respeitou as medidas para conter a disseminação. E o segundo, devido a uma política intensa de testes e ao sistema de saúde sólido.

"A pressão para que as fronteiras sejam abertas, porém, são imensas. O turismo é uma parte importante do PIB uruguaio [15%, incluindo setores relacionados]", diz o cientista político Daniel Chasquetti.

A situação na América Latina pode ser ainda pior do que a conhecida pelos dados oficiais, uma vez que ONGs e veículos de imprensa já alertaram para a subnotificação, como no México e no Equador.

O maior símbolo dessa situação é Guayaquil, segunda maior cidade equatoriana, duramente atingida no início da pandemia. Corpos e caixões foram deixados nas ruas, muitos moradores morreram sem conseguir ir a um hospital, e enterros foram feitos às pressas, sem tempo para que testes fossem realizados para determinar a causa da morte.

Médicos independentes e organizações de direitos humanos acusam ainda as ditaduras da Nicarágua e da Venezuela de manipularem seus dados internos para esconderem a gravidade da situação.

"A Venezuela demorou a ter uma explosão de casos porque é o país mais isolado na região, mas já temos muito mais infectados do que dizem os relatórios oficiais", diz o infectologista Julio Mendez.

Até o momento, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins, a partir de dados de governos, a Venezuela registrou pouco mais de 70 mil infecções e 581 mortes.

Na Nicarágua, segundo dados do Observatorio Ciudadano, que recolhe informações de médicos e faz uma comparação com cifras de mortos por doenças respiratórias e enterros em anos anteriores, o país teve até quarta (23) 10.121 casos e 2.699 mortes. Na mesma data, o governo apontava 5.073 casos e 149 mortes.

"Os hospitais estão lotados, a pandemia continua sendo minimizada por Daniel Ortega [ditador da Nicarágua] e estamos com um problema cada vez maior de médicos e enfermeiros contaminados que tiveram de ser afastados", diz o infectologista Leonel Arguello.

A pequena quantidade de testes realizada na América Latina também dificulta a interpretação dos números. O Chile, latino-americano que mais faz exames de detecção da Covid-19 --164 a cada 1 milhão de pessoas--, está bem abaixo de Dinamarca (622/1 milhão), Reino Unido (341/1 milhão) e EUA (308/1 milhão).

Um dos grandes desafios do momento é conseguir permitir uma reabertura econômica enquanto o número de novos casos diários não cai de maneira significativa. Por outro lado, as quarentenas muito longas provaram-se difíceis de serem mantidas em uma região com alta informalidade e com Estados com pouca capacidade de obrigar as pessoas a permanecerem em casa.

Senai Cimatec finaliza reparo de 324 respiradores mecânicos na Bahia

Um total de 324 respiradores mecânicos foi devolvido a hospitais da Bahia. Os equipamentos estavam com defeito e passaram por reparo no Senai Cimatec. Segundo a Secretaria do Planejamento (Seplan),  a ação foi finalizada nesta sexta-feira (25), depois de ser iniciada em março passado. Segundo o diretor do Senai Cimatec, Leone Andrade, trabalharam nos reparos um equipe de profissionais, como engenheiros clínicos, técnicos e engenheiros de eletrônica e mecânica, engenheiros de automação, gestores e o pessoal de logística.

 

“A iniciativa de manutenção de aparelhos surgiu aqui na Bahia. Rodamos todo o piloto deste programa, validamos os procedimentos de recolher, transportar, fazer limpeza e assepsia, realizar os testes iniciais e triagem, conserto e limpeza de filtros, calibração e teste de segurança elétrica. Fizemos a capacitação remota em outros estados e países, espalhando esta iniciativa. Foram mais de 2,2 mil respiradores mecânicos recuperados em todo o país”, explicou.  Para esta ação, a rede voluntária em todo o país teve além do Senai os seguintes parceiros: ArcelorMittal, BMW Group, Estúdios Globo, Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Ford, General Motors, Honda, Hyundai, Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Instituto Votorantim, Mercedes-Benz do Brasil, Moto Honda, Petrobras, Poli-USP, Jaguar Land Rover, Renault, Scania, Toyota, Troller, Usiminas, Vale, Volkswagen do Brasi e Volvo do Brasil, com o apoio do Ministério da Saúde, do Ministério da Economia, do Ministério da Defesa, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da Associação Brasileira de Engenharia Clínica (ABEClin).  

 

Petrobras, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Votorantim e a aliança Todos pela Saúde, que conta com recursos do banco Itaú, entre outros doadores, também colocaram R$ 4 milhões à disposição da iniciativa.

Sábado, 26 de Setembro de 2020 - 08:20

Feira: Cidade registra mais 4 óbitos por Covid-19; Tomba é bairro com maior n° de casos

por Francis Juliano

Feira: Cidade registra mais 4 óbitos por Covid-19; Tomba é bairro com maior n° de casos
Foto: Divulgação / prefeitura de Feira de Santana

Mais quatro óbitos decorrentes da Covid-19 foram registrados em Feira de Santana nesta sexta-feira (25). As vítimas foram duas mulheres, de 57 e 58 anos, e duas idosas, de 61 e 85 anos. Com as perdas, o município já tem 203 óbitos pela doença. Segundo informações da divisão epidemiológica da secretaria de saúde municipal, o bairro do Tomba é a localidade com maior número de casos confirmados de novo coronavírus. São 617 casos de Covid-19.

 

Em segundo lugar vem o bairro SIM, com 594 testes positivos da doença, e em terceiro, Mangabeira, com 418. O quarto é Campo Limpo, com 368, e o quinto é Brasília, com 346. A relação dos dez bairros com mais casos de coronavírus ainda tem Papagaio (334), Parque Ipê e Santa Mônica (321), Jardim Cruzeiro (291)e o Conjunto Feira 10 (286). Ao todo, o município acumula 10.073 casos confirmados do vírus. 

Sábado, 26 de Setembro de 2020 - 00:00

Ciência aposta em aprimoramento genético para melhorar qualidade de vida dos surdos

por Jade Coelho

Ciência aposta em aprimoramento genético para melhorar qualidade de vida dos surdos
Foto: Reprodução/ Faculdade de Barretos

Em 26 de setembro se celebra o Dia Nacional dos Surdos, que chama a atenção para as demandas e a luta pelos direitos dessa parcela da população. Uma das apostas da medicina e da ciência para melhorar a qualidade de vida e aprimorar e individualizar tratamentos de surdez é o estudo genético e molecular. A médica especialista em otorrinolaringologia, Adja Oliveira, ressalta que a análise genética ainda não está disponível, mas que os estudos apontam para prognósticos positivos.

 

“A participação da genética é muito importante. Na infância já existe uma causa genética conhecida para a perda auditiva. Na vida adulta, apesar de muitos fatores envolvidos, a gente sabe que a própria predisposição para esses fatores tem componentes genéticos e hereditários”, disse a médica. Adja ressalta que esse tipo de estudo pode auxiliar na identificação das alterações genéticas e, no futuro, direcionar para um tratamento mais individualizado, inclusive com perspectivas para prevenção da perda auditiva.

 

A médica explica que a vantagem está em se descobrir mecanismos moleculares envolvidos com a perda auditiva, e então a possibilidade de direcionar tanto ações preventivas pra um grupo específico como também propor tratamentos moleculares e genéticos para evitar doenças.

 

Estima-se que no Brasil mais de 10 milhões de pessoas tenham deficiência auditiva. A otorrinolaringologista explica que as lesões sensorioneurais levam ao tipo mais comum de surdez.

 

A idade é um fator de grande influência na degeneração das células auditivas, mas outros fatores também levam à perda auditiva. De acordo com Adja a lista inclui a exposição a certos sons ou doenças circulatórias e metabólicas, como hipertensão arterial e diabetes.

Campanha de Major Denice adota protocolos de segurança contra COVID-19
Foto: Divulgação/Mila Cordeiro

A campanha da Major Denice confirmou, nesta sexta-feira (25), que adotará os protocolos de segurança contra a Covid-19 já determinados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e irá prezar pelo cumprimento do decreto estadual que estabelece o limite de 100 pessoas em eventos e atividades públicas. 


A candidata reforçou que “o afastamento entre as pessoas continua sendo uma medida indispensável enquanto durar a pandemia da Covid-19, até que a vacina contra a doença seja encontrada – mesmo após a reabertura de serviços, comércios e a liberação de outras atividades em cidades como Salvador”.


"Estamos falando de atividades que foram retomadas para que a vida das pessoas comecem a se aproximar novamente da normalidade, mas que não podem ultrapassar o limite do bom senso em hipótese alguma. Por isso que orientamos nossa militância, nossos candidatos a vereadores e vereadoras e nossos dirigentes a não provocarem aglomerações. 


Principalmente aqueles e aquelas que possuem comorbidades, são idosos ou compõem o grupo de risco por outros fatores devem evitar ir às atividades", reforçou Major Denice.


A “Coligação que Cuida de Gente” (PT-PSB) realizará sua primeira atividade de campanha neste domingo (27), na Igreja do Bonfim. Também participará da atividade religiosa a candidata a vice-prefeita, Fabíola Mansur, o governador Rui Costa e correligionários e dirigentes partidários das duas siglas.


A atividade será transmitida ao vivo, às 9h, nas redes sociais da Major Denice. 

Sexta, 25 de Setembro de 2020 - 21:20

Inflamação crônica e resposta lenta levam obesos a maior risco e morte por Covid-19

por Ana Bottallo|Folhapress

Inflamação crônica e resposta lenta levam obesos a maior risco e morte por Covid-19
Foto: Reprodução/Istock

Um estudo avaliou como o sobrepeso e a obesidade são fatores de maior risco para gravidade e morte por Covid-19, levando à internação hospitalar e até morte, independentemente da idade, sexo e comorbidades.

Os dados foram publicados por pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Bauru (USP Bauru) e da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu na revista especializada Obesity Research and Clinical Practice no início do mês de setembro.

Dados do Vigitel (Sistema de Vigilância de Fatores de Risco para doenças crônicas não transmissíveis), do Ministério da Saúde, de 2019 apontam que 20,3% da população brasileira adulta é obesa (índice de massa corpórea ou IMC igual ou acima de 30). Já a porcentagem da população adulta com excesso de peso (IMC igual ou maior de 25, incluindo casos de obesidade) é de 55,4%.

Os fatores da obesidade que estão associados a esse risco são uma inflamação crônica baixa do organismo, a baixa produção de interferons --proteínas que impedem a replicação viral--, atividade reduzida de células de defesa, como macrófagos --responsáveis por eliminar as células infectadas--, células B --responsáveis pela produção de anticorpos neutralizantes-- e linfócitos T --resposta imune celular.

Também são fatores a maior carga viral do Sars-CoV-2 nestes indivíduos --o vírus parece se aproveitar do acúmulo de tecido adiposo como reservatório-- e ainda a associação frequente de diabetes do tipo 2 com obesidade, causando um déficit ainda maior no sistema imunológico.

Utilizando um método combinado de revisão sistemática com meta-análise --análise dos dados de diversas pesquisas já publicadas, sem fazer novos estudos empíricos--, os pesquisadores analisaram nove artigos científicos publicados até o dia 27 de abril, sendo a última busca realizada no dia 3 de maio.

O estudo, coordenado pela pesquisadora Sílvia Sales-Peres, da USP Bauru, avaliou um total de 6.577 pacientes internados com Covid-19 em estado grave em cinco países: China, França, Espanha, Itália e Estados Unidos.

Cerca de 56,2% dos indivíduos que apresentaram complicações graves pesquisados eram obesos.

Na amostragem, a maior parte dos pacientes era homem (59,8%), e as comorbidades mais frequentes eram hipertensão (51,5%), diabetes (30,3%) e doenças do coração (16,7%).

O risco provável para pacientes obesos e não-obesos contrair Covid-19 independentemente de severidade não foi estatisticamente significativo, mas isso pode estar relacionado à quantidade de pacientes obesos (107) versus não obesos (356) incluídos na pesquisa.

Porém, quando avaliadas a progressão da doença e a mortalidade, essas foram positivamente associadas à obesidade. A taxa de mortalidade global encontrada pelos pesquisadores para pacientes obesos foi de 9%.

Segundo Sales-Peres, houve uma subnotificação nos primeiros trabalhos sobre Covid-19 dos pacientes com obesidade.

"Os primeiros estudos avaliaram severidade em pacientes com hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares. Mas eles não avaliaram que esse paciente hipertenso era obeso, que esse [paciente] diabético era obeso. Cerca de 33% dos obesos têm diabetes do tipo 2 e 60% dos indivíduos com sobrepeso ou obesidade têm hipertensão."

Os indivíduos obesos apresentam maior risco para desenvolvimento do quadro agravado da doença não só por ter uma comorbidade, mas por ter um tipo de inflamação crônica de baixo grau no organismo que agrava o sistema imune.

Essa inflamação é como uma deficiência no sistema imunológico, que pode ser observada na baixa presença de células B, de linfócitos T e de macrófagos, que atuam como defensoras naturais no combate ao vírus. Esses pacientes também apresentam quantidade elevada de citocinas, que aumentam o processo inflamatório.

A associação com o diabetes tipo 2 piora ainda mais essa condição, uma vez que a glicose elevada no sangue afeta os macrófagos. O acúmulo de tecido adiposo pressiona ainda o diafragma, comprometendo o sistema respiratório.

Por terem uma rede de células adiposas, a quantidade de vírus que pode invadir e se replicar nessas células é maior, fato comprovado ao se observar que a carga viral expelida por um paciente obeso é maior do que aquela expelida por um paciente sem o excesso de peso.

Sales-Peres ressalta que o uso de corticoides e de terapias para diminuir a resposta inflamatória exacerbada do organismo --a chamada tempestade de citocinas-- pode ser comprometido em pacientes obesos ou com sobrepeso devido à essa resposta imune inata defasada.

"O paciente com sobrepeso ou obeso não possui esses fatores que complementam a terapia medicamentosa. Se o organismo não responde, muitas vezes a medicação não funciona."

A pesquisadora reforça a importância de uma campanha nacional de saúde pública para orientar a população com sobrepeso e obesidade de reforçar os cuidados e melhorar a alimentação e qualidade de vida.

"Recomendamos a prática de atividades ao ar livre. mesmo que caminhadas, e um enfoque maior na alimentação saudável. É importante também esse paciente saber que, caso seja infectado, seu quadro pode progredir muito rapidamente. Por isso, ao menor sinal de infecção é preciso buscar atendimento médico", diz.

Brasil chega a 140 mil mortes e casos da Covid-19 em 24h tem leve queda
Foto: Reprodução / Agência Brasil

O Brasil acrescentou mais 31.911 infectados pela Covid-19 no quadro da pandemia, segundo dados atualizados pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (25). O país chegou a 4.689.613 casos do novo coronavirus.

 

O total de óbitos em razão da doença chegou a 140.537. As novas mortes em 24h somaram 729 registros. 

 

Do total de casos, 508.127 pacientes estão em acompanhamento. O número de recuperados da covid-19 chega a 4.040.949. Isso representa 86,2% do total de infectados pelo novo coronavírus. 

 

Veja:

 

Foto: Ministério da Saúde

Sexta, 25 de Setembro de 2020 - 20:20

Feira: Tomba e SIM concentram 12% dos mais de 10 mil casos de Covid-19 no município

por Lula Bonfim

Feira: Tomba e SIM concentram 12% dos mais de 10 mil casos de Covid-19 no município
Foto: Reprodução / Sky Scraper City

Os bairros do Tomba e do Sim concentram aproximadamente 12% dos casos confirmados de Covid-19 em Feira de Santana, desde o primeiro registro da doença no estado, no dia 6 de março deste ano. O município chegou à marca de 10.073 contaminações nesta sexta-feira (25).

 

Conforme informações da prefeitura de Feira, o bairro popular do Tomba registrou 617 casos de contaminação pelo novo coronavírus nesse período, enquanto o SIM, de classes média e alta, contabilizou 594 infectados pela doença.

 

Mangabeira (418), Campo Limpo (368), Brasília (346), Papagaio (334), Parque Ipê (321) e Santa Mônica (321) também são localidades que se destacam no número de casos confirmados da Covid-19, todos acima de 300 registros.

 

Do outro lado do ranking, com apenas um registro de contaminação pelo vírus, estão os conjuntos Bom Viver, Francisco Pinto e Luciano Barreto; a Galileia; o Loteamento Elza Azevedo; os povoados Alecrim Miúdo, Candeia Grossa, Tapera e Areia; e a localidade chamada Três Riachos.

Histórico de Conteúdo