Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 20 de Janeiro de 2021 - 00:00

Ressaca de Réveillon? Bahia registra recorde na média móvel de casos de Covid-19

por Rebeca Menezes / Matheus Caldas

Ressaca de Réveillon? Bahia registra recorde na média móvel de casos de Covid-19
Foto: Paula Fróes / GOVBA

Em meio ao início da vacinação em parte das cidades da Bahia, o estado registrou recorde em dois dias seguidos na média móvel de casos de Covid-19. Segundo dados obtidos por meio do boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), os números foram estabelecidos na segunda-feira (18) e nesta terça (19), dia do início da vacinação em Salvador e em outros municípios baianos.

 

Nesta terça, a média móvel ultrapassou pela primeira vez os quatro mil casos, com 4.066. Na última segunda, foram 3.795. O recorde anterior havia sido registrado apenas em 28 de julho do ano passado, quando a Sesab identificou a média de 3.781 casos.

 

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de casos do dia e dos seis anteriores. Portanto, ainda reflete notificações advindas do período pós-Réveillon, em que houve registros de aglomerações em diferentes partes do estado.

 

O indicativo se manteve acima dos dois mil desde o início de dezembro. Contudo, entre 23 e 30 de dezembro, retrocedeu de 3.232 para 1.940. No último dia de 2020, no entanto, o número teve um tímido aumento para 1.978 e, desde então, cresce progressivamente.

 

Enquanto a média móvel registra picos nunca antes vistos no estado, a imunização começa, mesmo sendo numa porcentagem reduzida da população.

 

Nesta terça, o governador Rui Costa (PT) iniciou, numa solenidade em Salvador, a campanha de imunização, ao lado do prefeito da capital, Bruno Reis (DEM) (leia mais aqui).

 

A remessa com 376.600 doses da Coronavac chegou à cidade na noite da última segunda. De lá, foi distribuída para todas as regiões da Bahia. Pela manhã, parte das principais cidades baianas iniciou a vacinação, privilegiando, em sua maioria, os profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à Covid-19. (leia mais aqui)

 

Em Salvador, o plano de imunização segue nesta quarta-feira (20). A campanha terá prosseguimento a partir das 9h, no Hospital Martagão Gesteira. Na unidade hospitalar, serão 273 profissionais imunizados.

 

A estimativa é que 5,3 mil doses sejam aplicadas nesta quarta, contemplando trabalhadores de 18 unidades de saúde, a exemplo de hospitais de grande porte, UPAs e gripários. Uma equipe formada por 30 vacinadores percorrerá as unidades para efetuar a imunização, que só termina por volta das 18h. 

 

Segundo o secretário municipal de Saúde (SMS) de Salvador, Leo Prates, o plano é finalizar a primeira parte da campanha até o sábado (22). “Já dei a missão aqui ao meu COE [Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública] para que a gente termine essa vacinação até o sábado com os nove pontos ativos”, resumiu, em entrevista ao programa Bahia Notícias no Ar, da rádio Salvador FM 92,3, nesta terça. 

Sesab reservou metade das doses para evitar falha na imunização; Salvador foi exceção
Fotos: Mateus Pereira/ GOVBA

Das pouco mais de 376 mil doses da CoronaVac disponibilizadas pelo Ministério da Saúde para a Bahia, metade delas ficaram armazenadas na Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A iniciativa tenta coibir eventuais erros na aplicação do imunizante, que precisa ser dividida em duas doses. A única exceção foi Salvador, que recebeu cerca de 45 mil doses, referentes as duas etapas para garantir a imunização da população.

 

De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, condições de segurança e de armazenamento justificam a iniciativa de reservar o equivalente a segunda dose dos municípios do interior da Bahia. Com a iniciativa, após 14 dias da primeira aplicação, a Sesab vai encaminhar o restante das doses disponibilizadas para cada cidade baiana.

 

Com apenas 6 milhões de doses disponíveis para todo o Brasil, o número destinado para cada município ficou bastante restrito. Nessa primeira etapa do Plano Nacional de Imunização, há um foco em imunizar profissionais de saúde que atuem na linha de frente do combate à Covid-19, bem como idosos em asilos e instituições de longa permanência. No entanto, as doses já recebidas pelas cidades na madrugada desta terça-feira (19) equivalem apenas a metade das efetivamente destinadas a cada uma das cidades.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 22:00

País mais atingido pela pandemia, EUA ultrapassam 400 mil mortos

por Folhapress

País mais atingido pela pandemia, EUA ultrapassam 400 mil mortos
Foto: Reprodução / G1

Os Estados Unidos chegaram a 400 mil mortes por Covid-19 nesta terça-feira (19), de acordo com acompanhamento feito pela Universidade Johns Hopkins.

O país, que passa por um pico de novas infecções e mortes, já superou a marca de 24 milhões de casos. Em janeiro, houve semanas em que a média de óbitos diários ultrapassou 3.300, número maior que o de vítimas dos ataques do 11 de Setembro. O dia mais letal até agora foi 12 de janeiro, quando foram registradas 4.406 mortes.

No ritmo atual, é possível que o total de mortes chegue a 500 mil até o final de fevereiro.

A principal característica da atual onda da doença no país é a interiorização —entre os líderes de novos casos per capita, estão estados do Meio-Oeste e do Sul, como Arizona, Oklahoma e Carolina do Sul.

Os EUA são líderes absolutos no número de casos e mortes no mundo. Infectologistas atribuem o avanço do vírus à falta de liderança da gestão Trump —que politizou o uso de máscaras e delegou o combate da pandemia aos estados— e à movimentação gerada pelos feriados no final do ano passado, do Dia de Ação de Graças ao Ano-Novo.

Vela com essência da vagina de Gwyneth Paltrow explode na casa de cliente
Foto: Divulgação

A vela de nome This Smells Like My Vagina (em traduçaão "Esse é o cheiro da minha vaginha") que possui essência da vagina da atriz Gwyneth Paltrow e lançada por sua própria empresa, a Goop, explodiu na casa de uma cliente no norte de Londres, na Inglaterra. 

 

Segundo informou o The Sun, a jornalista e consultora de mídia Jody Thompson, de 50 anos, contou que "momentos após acender o pavio da vela, no dia 13 de janeiro, o objeto explodiu e emitiu chamas enormes, com pedaços voando por toda parte". "Nunca vi nada assim", afirmou, de acordo com a revista Rolling Stones.

 

Thompson ainda disse que ela e o marido, David Snow, tiveram que jogar a vela acesa para fora da casa. "A coisa toda ficou em chamas e estava quente demais para segurar. Houve um inferno na sala", exclamou. 

 

"Isso poderia ter incendiado a nossa casa. Foi assustador na hora, mas é engraçado olhar para a situação agora e pensar que a vela da vagina de Gwyneth explodiu na minha sala de estar", brincou ela. 

 

Após o incidente, Thompson postou em suas redes sociais imagens que mostram a vela carbonizada. "Eu não 'joguei fora pela porta da frente' (estava quente demais para pegar) e a foto está horrível (tente tirar uma selfie sem um apoio segurando uma vela de vagina carbonizada)", escreveu. 

 

De acordo com o Consequence of Sound, até o momento Gwyneth Paltrow não se manifestou sobre o incidente causado pelo produto.

MPF apura omissão do Conselho de Medicina em divergências de médicos na pandemia
Foto: Paula Fróes / GOVBA

O Ministério Público Federal (MPF) em Goiás instaurou na última segunda-feira (18) um Procedimento Preparatório (PP) para apurar possíveis omissões ilícitas do Conselho Federal de Medicina (CFM) em relação a eventuais conflitos de interesse não declarados por médicos em entrevistas e pronunciamentos públicos no que se refere a assuntos relativos a medidas de combate à Covid-19.

 

Na visão do procurador da República responsável pelo PP, Ailton Benedito de Souza, a pandemia trouxe à tona um desencontro de informações divulgadas por médicos em recomendações, sugestões, pareceres, entrevistas, palestras e outras manifestações sobre o enfrentamento à Covid-19. Na visão dele, em diversos momentos os profissionais demonstraram posicionamentos divergentes, acarretando na influência de “condutas de órgãos, instituições, profissionais, cidadãos e a sociedade em geral, ocasionalmente em contraste com políticas, programas e ações formuladas pelas gestões do Sistema Único de Saúde (SUS).”

 

O Código de Ética Médica estabelece que é vedado ao profissional médico "permitir que interesses pecuniários, políticos, religiosos ou de quaisquer outras ordens, do seu empregador ou superior hierárquico ou do financiador público ou privado da assistência à saúde, interfiram na escolha dos melhores meios de prevenção, diagnóstico ou tratamento disponíveis e cientificamente reconhecidos no interesse da saúde do paciente ou da sociedade.”

 

Como primeira medida para apurar os fatos, o MPF oficiou ao CFM para que informe, no prazo de 15 dias, quais providências têm adotado para garantir que pronunciamentos públicos de médicos à sociedade relacionados a medidas farmacológicas e não-farmacológicas de enfrentamento à pandemia de Covid-19 não contenham vícios característicos de possível conflito de interesse, indicando, se for o caso, eventuais ocorrências.

Show experimental reúne 500 pessoas e não teve infectados por Covid-19
Foto: Divulgação

Um evento musical experimental que aconteceu em Barcelona, com cerca de 500 presentes, não teve nenhum infectado por Coronavírus. O experimento, chamado de PRIMA-CoV, foi promovido em 12 de dezembro pela Primavera Sound, junto da Fundação de Luta contra a Aids e Doenças Infecciosas, e do Hospital Universitário Germans Trias i Pujol.

 

Segundo o Anota Bahia, o evento não contou com distanciamento social, mas com uso obrigatório de máscaras N95 e fluxos de ar e ventilação reforçados. Os voluntários tinham entre 18 e 59 anos, não tinham comorbidades, não viviam com idosos e não haviam recebido diagnóstico de Covid-19 nos últimos 14 dias.

 

Todos os presentes assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Com testagem feita antes do show e 14 dias depois dele, o estudo foi considerado um sucesso, comprovando a possibilidade de um evento seguro sem distanciamento social, mesmo durante a pandemia.

 

Bebidas alcoólicas foram servidas apenas no bar e a retirada da máscara só era permitida no momento de beber. O evento durou 05 horas e incluiu 04 apresentações: 02 sessões de DJs e 02 atrações de música ao vivo.

Fiocruz diz que só deve entregar primeiras doses da vacina em março
Foto: Divulgação

A Fiocruz prevê que só deve entregar no início de março as primeiras doses da vacina de Oxford/AstraZeneca produzidas no Brasil, já que a chegada de insumos da China atrasou. A promessa anterior, feita no final de dezembro, era concluir o primeiro lote do imunizante por volta de 8 de fevereiro.

 

O novo cronograma consta em um ofício da fundação encaminhado nesta terça-feira (19) ao Ministério Público Federal (MPF), que desde dezembro acompanha as estratégias de vacinação contra a doença. A informação foi adiantada pelo jornal "Estado de S. Paulo" e confirmada pelo MPF à Folha.

 

O documento, assinado pelo diretor do Instituto Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma Medeiros, foi uma resposta a um ofício do órgão que questionava sobre as datas de entrega das 2 milhões de doses prontas que serão trazidas da Índia e da outra parcela que será processada no Brasil pela Fiocruz.

 

Segundo a Folha, a previsão da fundação é que o IFA (ingrediente farmacêutico ativo) —material necessário para fazer a vacina produzido por uma parceira da AstraZeneca na China— chegue no próximo sábado (23), mas ainda é necessária confirmação. A importação, que inicialmente estava prevista para dezembro, depende da liberação do país asiático.

 

A Fiocruz diz que ainda será preciso mais de um mês para o fornecimento das vacinas, já que, depois de produzidas com o IFA, as doses ainda terão que passar por testes de qualidade. Estima-se que esses testes levem 17 dias, somados a mais 2 dias de análise pelo INCQS (Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde)?.

 

Isso se o insumo chegar no dia previsto e o produto tiver resultados satisfatórios no controle de qualidade. Caso contrário, o prazo pode se esticar.?

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 19:20

Pfizer e Janssen recebem certificação de boas práticas, necessária para pedir aval a vacinas

por Raquel Lopes | Folhapress

Pfizer e Janssen recebem certificação de boas práticas, necessária para pedir aval a vacinas
Foto: Pixabay

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu a certificação de boas práticas de produção às farmacêuticas Pfizer, que possui parceria com a BioNTech na produção da vacina contra a Covid-19, e a Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

O documento é um dos requisitos para que fabricantes possam solicitar o uso emergencial ou o registro definitivo de vacinas contra a Covid-19 e é válido por dois anos.

Na prática, a decisão da Anvisa indica que haverá menos impeditivos para análise de um pedido de registro ou uso emergencial quando ele ocorrer. A informação foi publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (19)

Ao todo, quatro empresas participam do processo de fabricação de insumos e formulação da vacina da Pfizer, todas já certificadas quanto ao cumprimento de boas práticas.

Já a Janssen possui três empresas que participam do processo de fabricação de insumo, mas a conclusão da análise é da Grand River Aseptic Manufacturing. Essa é a segunda empresa da farmacêutica que recebeu a certificação --ainda está pendente a informação relativa de mais uma.

A verificação do cumprimento das boas práticas de fabricação de medicamentos durante a pandemia pode ser realizada de duas formas: inspeção realizada pela Anvisa ou relatórios de inspeção elaborados por autoridades reguladoras com equivalência regulatória à brasileira.

A verificação do cumprimento das boas práticas da Pfizer foi feito através desses dois mecanismos. Já em relação à Janssen, a Anvisa avaliou relatórios de inspeção de autoridades reguladoras que fazem parte do Esquema de Cooperação de Inspeção Farmacêutica. 

A Anvisa informou que até o momento não há pedido de uso emergencial ou de registro das vacinas da Pfizer ou da Janssen.

A agência reguladora já havia concedido o certificado de boas práticas à Sinovac, empresa chinesa que é parceira do Instituto Butantan na produção da Coronavac.

Houve a conclusão também do pedido da WuXi Biologics, responsável pela fabricação do insumo farmacêutico ativo biológico da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e a Fundação Oswaldo Cruz.

No domingo (17) a agência reguladora aprovou, por unanimidade, a autorização para o uso emergencial das vacinas Coronavac e Oxford/AstraZeneca. Ambas se tornam as primeiras vacinas contra Covid a poderem ser aplicadas no Brasil. A decisão vale para o uso de 8 milhões de doses vinculadas à Fiocruz e ao Butantan.

Essa foi a primeira vez que a agência avaliou pedidos de uso emergencial de vacinas. As autorizações foram decididas em reunião da diretoria colegiada do órgão, com a presença dos cinco diretores e transmitida ao vivo.

Minutos depois da decisão, o governador João Doria (PSDB-SP) vacinou a primeira mulher no país.

Por conta do ocorrido, o governador foi acusado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de fazer marketing e de quebrar acordo com o governo federal e com os demais estados ao iniciar a vacinação em São Paulo antes do plano federal.

No mesmo dia, os governadores foram convidados por Pazuello a viajarem para São Paulo para participarem de ato de entrega das vacinas.

O cronograma federal previa o início da vacinação para quarta, mas Pazuello foi pressionado pelos governadores para o começo imediato, com a entrega das doses nesta segunda com aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) e a vacinação a partir das 17h.

Conforme mostrou o Painel, porém, o ministério mudou horários dos voos e diversos estados só receberão os pacotes de noite, atrasando o início da imunização. Em alguns casos, autoridades estaduais já estavam aguardando nos aeroportos, quando foram surpreendidas pelas mudanças. Ao menos seis locais que receberiam antes das 16h agora só vão receber na parte da noite.

Cidade de MG libera comércio com rodízio controlado por CPF
Foto: Divulgação

Com o agravamento da pandemia da Covid-19 em todas as regiões do país, a estratégia adotada em Ribeirão das Neves, cidade mineira na Região Metropolitana de Belo Horizonte, implementou um rodízio no comércio com a permissão de entrada a partir do número do CPF. O decreto foi publicado nesta terça-feira (19). As informações são de reportagem de Estado de Minas Gerais.

 

O decreto permite que os serviços considerados essenciais funcionem sem restrição de circulação ou dias. De acordo com a reportagem, a lista inclui bares, restaurantes e lanchonetes, padarias, lojas de conveniência, açougues, peixarias e hortifrutigranjeiros, serviços ambulantes de alimentação, farmácias, drogarias, pet shoppings, clínicas veterinárias e médicas, laboratórios, oficinas mecânicas, hotéis, motéis, campings, alojamentos e pensões e instituições de ensino superior, técnico e tecnólogo.  

 

Para conter a aglomeração de pessoas haverá rodízio de atendimento e compras presenciais com o estabelecimento em dias específicos de acordo com o número do CPF do consumidor.

 

A determinação da prefeitura define que as segundas e quartas poderão ser atendidos os clientes que tenham o documento com finais 1, 2, 3, 4 e 5. Às terças e quintas, aqueles que têm o CPF com finais 6, 7, 8, 9 e 0. Às sextas e sábado o atendimento é liberado para qualquer pessoa. Estão incluídos nesse rol as agências bancárias, cooperativas de crédito, lotéricas, supermercados e hipermercados.

 

Ainda conforme a reportagem, o decreto da prefeitura de Ribeirão das Neves prevê que algumas atividades funcionem apenas em certos dias do mês. Algumas poderão abrir nos dias pares e outras nos dias ímpares. Livrarias, clínicas de estética, agências de viagem, concessionárias, academias de pilates, salões de beleza, lojas de vestuário, barbearias e floriculturas, por exemplo, só poderão funcionar nos dias pares, por exemplo.

 

Já lojas de material de construção, antiquários, lojas de informática, de eletrodomésticos, tecidos, academias de ginástica, clubes, lojas de departamento, de design e decoração, autoescolas, entre outras, estão autorizadas a abrir apenas nos dias ímpares, traz a reportagem de Estado de Minas Gerais.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 18:15

Covid-19: Bahia registra 4.004 novas contaminações; casos ativos têm leve queda

por Lula Bonfim

Covid-19: Bahia registra 4.004 novas contaminações; casos ativos têm leve queda
Foto: Bahia Notícias

A Bahia registrou, nesta terça-feira (19), 4.004 novas contaminações da Covid-19 e 30 mortes em decorrência da doença. Com isso, segundo o boletim epidemiológico publicado pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesab), o estado acumula agora 544.324 casos confirmados e 9.697 óbitos desde o início da pandemia, que teve sua primeira notificação em território baiano no dia 6 de março, em Feira de Santana.

 

O número de casos ativos, entretanto, teve uma leve queda, de 10.993 na segunda-feira (18) para 10.433 nesta terça (19). A maior parte dos contaminados está em Salvador (2.412), seguida de Vitória da Conquista (421), Itabuna (283), Ilhéus (179), Santo Antônio de Jesus (169), Alagoinhas (159), Cruz das Almas (159), Jequié (155), Porto Seguro (145) e Lauro de Freitas (127).

 

A taxa de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para o tratamento de adultos com Covid-19 também apresentou redução nas últimas 24 horas, de 76% para 74%. As regiões sul (92%), sudoeste (87%) e norte (82%) puxam a média estadual de vagas ocupadas para cima.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 18:00

Índia anuncia exportação de vacina para 6 países; Brasil fica de fora

por Folhapress

Índia anuncia exportação de vacina para 6 países; Brasil fica de fora
Foto: Thirdman / Pexels

A Índia começará a exportar vacinas contra a Covid-19 nesta quarta-feira (20) para seis países, informou o ministério das Relações Exteriores do país. Os destinos das doses serão Butão, Maldivas, Bangladesh, Nepal, Mianmar e Seychelles. O Brasil ficou fora da lista.

O Ministério das Relações Exteriores disse que a Índia fornecerá vacinas contra a Covid-19 aos países parceiros nas próximas semanas e meses, considerando a necessidade de cada um.

O primeiro-ministro Narenda Modi disse que a Índia está aguardando a confirmação das autorizações regulatórias necessárias para enviar as doses também ao Sri Lanka, Afeganistão e ilhas Maurício. No documento divulgado no site do ministério, esses são os únicos países na lista de futuros beneficiários.

"A Índia está profundamente honrada por ser um parceiro de longa data para atender às necessidades de saúde da comunidade global. O fornecimento de vacinas contra Covid para vários países começará amanhã e mais virão nos próximos dias", escreveu Modi em uma rede social.

A Índia recebeu pedidos de dezenas de países, incluindo apelos urgentes do Brasil, para iniciar as exportações da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceira com a farmacêutica Astrazeneca. As doses são produzidas pelo Instituto Serum, maior produtor mundial de vacinas.

O primeiro lote de exportações será enviado para o Butão nesta quarta-feira, mas a quantidade de doses não foi informada. Na quinta-feira (21), 2 milhões de doses serão despachadas para Bangladesh.

O Ministério das Relações Exteriores de Bangladesh confirmou os planos, afirmando que um voo especial da Índia desembarcará em Dhaka na quinta-feira. "Bangladesh receberá 2 milhões de doses da vacina contra Covid-19 Oxford-AstraZeneca da Índia como uma doação em 21 de janeiro", disse em comunicado.

Na segunda-feira (18), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo brasileiro não recebeu até o momento uma "resposta positiva" a respeito de quando será enviada da Índia a remessa de 2 milhões de doses da vacina desenvolvida pela AstraZeneca, mas que isso pode ocorrer nos próximos dias desta semana.

Na semana passada, a negativa do governo da Índia em liberar as vacinas frustrou os planos da pasta, que contava com os imunizantes para o início da campanha de vacinação no Brasil.

Um avião da Azul deveria buscar as doses e era esperado para retornar ao país até domingo. Contudo, a aeronave que iria ao país asiático buscar o produto nem chegou a decolar.

Fontes diplomáticas em Brasília confirmam à coluna de Jamil Chade, no UOL, que, por enquanto, não existe uma data confirmada para que a Índia possa fornecer os imunizantes ao Brasil. Uma parcela do governo de Nova Déli defende que vizinhos asiáticos sejam atendidos antes que qualquer outro país do mundo.

No Instituto Serum, uma das previsões é de que o abastecimento ao Brasil poderia ocorrer apenas no início de fevereiro.

Enquanto o Brasil ainda aguarda as doses da vacina vindas do país asiático, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu na segunda-feira o embaixador indiano no Brasil, Suresh K. Reddy, para uma reunião no Palácio do Planalto.

Com o atraso, o Ministério da Saúde teve de recorrer à Coronavac para que os estados pudessem iniciar a vacinação. As duas vacinas --da AstraZeneca e a Coronavac -- foram autorizadas no domingo pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 17:45

Sete morrem por falta de oxigênio em Coari, diz prefeitura

Sete morrem por falta de oxigênio em Coari, diz prefeitura
Foto: Reprodução / Arquivo pessoal

A prefeitura de Coari, distante 450 km de Manaus pela via fluvial, divulgou uma nota em que afirma que sete pacientes internados com Covid-19 no Hospital Regional da cidade morreram por falta de oxigênio, nesta terça-feira (19). Segundo o texto, Coari deveria ter recebido 40 cilindros de oxigênio na segunda-feira (18), mas a aeronave que levaria os tanques acabou viajando para Tefé (AM) e ficou impossibilitada de retornar, pois o aeroporto não aceita voos noturnos.

 

O texto culpa falhas de planejamento da Secretaria de Saúde do Amazonas pela falta do insumo, o que prejudicaria as medidas de combate à Covid-19 no município. Segundo a nota, 200 cilindros do Hospital Regional de Coari estão retidos pela Secretaria da Saúde — e parte deles estaria aguardando o abastecimento. A prefeitura acusa a o governo de distribuir a outra parte a Unidades Básicas de Saúde ou (UBS de Manaus), segundo o G1

 

Após as mortes, uma multidão foi até a porta do hospital para protestar contra as mortes.A Secretaria da Saúde do Amazonas foi questinada pelo site sobre as acusações, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Médicos no AM relatam Covid com maior gravidade, velocidade e letalidade em jovens
Foto: Divulgação

Profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 em Manaus, capital do Amazonas, têm relatado que a doença tem aumentado a velocidade de evolução e a gravidade. De acordo com reportagem do Uol, a segunda onda da Covid-19 tem demonstrado maior transmissibilidade causada por mutações que geraram uma nova variante no estado.

 

Os registros de mortes dos últimos 30 dias apontam que pessoas mais jovens têm sido mais atingidas. Quatro em cada dez vítimas fatais no período tinham menos de 60 anos.

 

"Algo de muito diferente está ocorrendo em Manaus. Não sei informar se é uma cepa nova ou se é algo diferente. Mas quem está na linha de frente está vendo um aumento da gravidade dos casos", afirma Noaldo Lucena, infectologista e pesquisador que atua em clínica popular, atendimento domiciliar e hospitais públicos.

 

"Claramente estamos diante de um ser invisível que é muito mais patogênico e transmissível. Hoje chegam famílias inteiras com os sintomas ao mesmo tempo, antes era um de cada vez", completa.

 

Ainda segundo o pesquisador, os pacientes vêm apresentando lesões mais graves nos pulmões. "Neste ano, eu já vi mais 150 pessoas aqui na clínica e mais 300 no serviço público. Digo que menos de 2% deles tinham comprometimento leve. Os demais eram comprometidos acima de 50%. Alguns com 70%, 80%, 90%, com necessidade de internação imediata e até suporte ventilatório", analisa.

 

Os sintomas também são mais silenciosos, dificultando a análise feita a partir de exame clínico. A partir do Portal da Transparência dos cartórios, o Uol revela que o Amazonas registrou 710 óbitos, sendo 285 de pacientes com menos de 60 anos. Isso representa 40,1% do total, contra 36,1% verificado anteriormente.

 

Segundo a infectologista Silvia Leopoldina, que atua nas redes públicas estadual e municipal de Manaus, "antes, os primeiros sintomas de gravidade apareciam em torno do décimo dia em diante. Agora têm pacientes que, com sete, oito dias, estão com comprometimento de 75% dos dois pulmões".

 

A enfermeira e professora Ana Paula Rocche, que trabalha com atendimento a pacientes, conta que as pessoas têm relatado, ao invés de dor, uma "agonia" no peito. "O pulmão parece que vai ressecando, que vai encolhendo; e aí você entra com tudo que é antibiótico, anticoagulante e o pulmão não expande. Isso não é normal", revela.

 

Para o professor da Universidade Federal do Amazonas e pesquisado da Fiocruz Amazônia, Bernardino Albuquerque, a situação atual do estado decorre principalmente do colapso do sistema de saúde.

 

"A partir do final de dezembro, houve uma saturação no atendimento. Temos visto pacientes esperando horas em uma ambulância. O estado clínico fica agravado por essa peregrinação, além de faltar insumos. Se tivéssemos um sistema de saúde preparado para atender esse segundo momento, não haveria tantas mortes. O governo desmontou toda estrutura que tinha antes, estamos começando tudo de novo", pondera.

 

Já o pesquisador Felipe Naveca, também da Fiocruz Amazônia, afirma que há chances da nova variante do novo coronavírus ser mais grave, "mas não existem evidências ainda sobre ser mais patogênica". 

Idosos do Abrigo D. Pedro II recebem vacina contra Covid-19 em Salvador
Idosa usa pandeiro para comemorar vacina | Foto: Vitor Santos/ Sempre

Parte do grupo prioritário por viverem em uma instituição de longa permanência, os 53 idosos do Abrigo D. Pedro II, no bairro de Piatã, em Salvador, receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta terça-feira (19). 

 

Segundo a Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esporte e Lazer (Sempre), esta unidade socioassistencial está entre as 78 instituições que, de acordo com cronograma, vão receber os imunizantes para os assistidos em vulnerabilidade.

 

“Estou muito feliz. Ainda vou tomar a outra dose e, aí, vou voltar a fazer tudo que gosto”, comemorou com um pandeiro dona Margarida Ricarda Santana, 83 anos, que foi a primeira idosa imunizada no abrigo.

 

Assim como ela, outras idosas que vivem no local contaram que a vacina traz esperança de retomada de atividades interrompidas pela pandemia, com segurança. É o caso de Maria Lúcia Peçanha, de 74 anos.. “A gente pediu tanto a Deus, e Deus abriu essa porta, a vacina chegou aqui em Salvador. Tomei e não doeu nada, viu? Obrigada por tudo”, declarou animada.

 

A aposentada Lúcia Peçanha, de 72 anos, contou como estão sendo os dias em meio à pandemia. “Os parentes não vêm visitar por causa do vírus. Quando vêm, eles ficam do lado de fora do portão, cumprimentamos de longe. E quando não dá para vir, a gente se fala pelo celular, para saber se está tudo bem. Sei que tudo é para o nosso bem, mas sinto muita falta”, declarou. Ela também revelou o que pretende fazer no pós-pandemia. “A primeira coisa depois? Eu vou ver minha família, minha filha, porque é muita saudade mesmo.”

Combinação entre Sputnik V e AstraZeneca deve começar a ser testada em fevereiro
Foto: Divulgação

A farmacêutica russa R-Pharm revelou que os testes em humanos da combinação entre a vacina Sputnik V, da Rússia, e o imunizante da AstraZeneca/Oxford devem começar no início de fevereiro.

 

De acordo com a agência de notícias Reuters, a ideia é unir um componente de cada vacina para averiguar a resposta imunológica contra a Covid-19. O acordo para o teste foi assinado pelas desenvolvedoras em dezembro.

 

Vale lembrar que a vacina da AstraZeneca/Oxford, junto com a CoronaVac, da China, foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial no Brasil. A Sputnik V teve o pedido de análise rejeitado, por não ter estudo de fase três em desenvolvimento no Brasil, segundo a Agência.

 

A Bahia, uma das interessadas no produto, entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a importação do imunizante seja aprovada (lembre aqui).

 

As fases 1 e 2 serão realizadas de forma conjunta, com a participação de 100 voluntários. Eles receberão uma dose da AstraZeneca e, após 29 dias, uma da Sputnik V. Azerbaijão, Argentina, Emirados Árabes Unidos, Rússia e outros países abrigarão as pesquisas.

 

A possibilidade desses testes existe porque as duas vacinas usam um vetor viral. Ou seja, os pesquiadores usam um outro vírus, modificado, e introduzem uma parte do material genético do Sars-Cov-2 no organismo. A ideia é gerar resposta imunológica.

 

O tipo de vírus que leva o coronavírus para o corpo humano é um adenovírus. Na vacina de Oxford, eles são usados em duas doses iguais, enquanto na russa são diferentes. Cientistas afirmam que isso aumenta as chances de resposta do organismo e criação de anticorpos. 

Salvador lança 'vacinômetro' e conta com tecnologia para evitar fraudes na imunização
Foto: Bahia Notícias

A prefeitura de Salvador conta com a tecnologia para evitar fraudes na vacinação contra a Covid-19, iniciada nesta terça-feira (19) em cerimônia simbólica no santuário das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), na capital baiana (leia aqui e aqui). A gestão lançou uma plataforma online em que é possível acompanhar o número de pessoas vacinadas, de postos de vacinação, trabalhadores da saúde e até informações como sexo e raça e cor. O “vacinômetro” (veja aqui), de acordo com o secretário municipal da Saúde, Leo Prates, faz parte da estratégia da prefeitura para evitar que pessoas que não são do grupo prioritário para a imunização, e, portanto, não têm direito, sejam vacinadas.

 

O gestor da SMS foi o entrevistado do programa Bahia Notícias no Ar desta terça e explicou que cada equipe de vacinação possui um tablet com um programa em que são lançados os dados de cada pessoa vacinada.

 

“Por isso criamos o painel, a ideia é monitorar o número de pacientes. Acho difícil no projeto que criamos ter fraude. Para fraudar nesse momento só se utilizar nome de alguém para fazer, acho quase impossível”, analisou Leo Prates.

 

O secretário ainda ressaltou que outro fato que dificulta a fraude na vacinação é que as equipes de vacinação, 11 neste momento, estão indo até às instituições para vacinar as pessoas prioritárias. Como as vacinas ainda não estão disponíveis em quantidade que beneficie todo o grupo de risco, formado na capital com 570 mil pessoas, Salvador dividiu o grupo previso para a fase um. Neste momento estão sendo vacinados apenas os profissionais da saúde do enfrentamento a Covid-19 e os idosos em instituições de longa permanência.

 

A intenção da SMS é vacinar 22 mil pessoas até o sábado (23), antecipou Leo. Ele esteve ao lado do governador Rui Costa, do prefeito de Salvador Bruno Reis (DEM), do secretário de Saúde do estado Fábio Vilas-Boas, além de representantes da Osid, na cerimônia que marcou o início da vacinação.

Após sondar Fábio Jr., governo deve excluir famosos de propaganda de vacinação 
Foto: Govesp

Depois de cogitar a participação do cantor e compositor Fábio Júnio para estrelar a campanha de vacinação (clique aqui e saiba mais), o governo federal deve voltar atrás e excluir os famosos da peça publicitária. A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo.

 

Ainda segundo a publicação, até essa segunda-feira (18), a ideia era lançar uma campanha com o slogan “Brasil Imunizado - Somos Uma Só Nação”, o mesmo usado para plotar o avião que iria buscar vacinas de Oxford na Índia, mas acabou abortando a missão após o país anunciar que não liberaria os imunizantes (saiba mais). 

Conquista, Camaçari e outras cidades começam a vacinar contra Covid na tarde desta terça
Vacina em Camaçari | Foto: Jean Victor

Com suas doses da Coronavac já entregues, diversos municípios baianos pretendem dar início à vacinação contra a Covid-19 na tarde desta terça-feira (19). É o caso de cidades como Vitória da Conquista, Barreiras e Camaçari.

 

Em Conquista, as primeiras doses da Coronavac serão aplicadas às 14h, em uma cerimônia no Comando do Policiamento da Região (CPR) Sudoeste. De acordo com a secretária de Saúde, Ramona Cerqueira, a gestão municipal recebeu cerca de quatro mil doses por volta das 8h da manhã.

 

Em Camaçari, onde a prefeitura afirma ter recebido 2.040 doses, também será realizada uma cerimônia às 14h. Será um ato simbólico, no auditório da Secretaria de Governo, onde uma pessoa dentro do grupo prioritário será a primeira a ser vacinada.

 

Procurada pelo Bahia Notícias, a assessoria de comunicação da prefeitura disse que o secretário de Saúde, Elias Natan, vai apresentar o plano de vacinação neste evento. Mas a campanha em larga escala terá início, de fato, na quarta-feira (20).

 

Quatorze horas também foi o horário escolhido pela Prefeitura de Barreiras, que afirma ter recebido 2.050 doses da vacina. A aplicação começará a ser feita no abrigo dos idosos do município, na presença do prefeito Zito Barbosa, que já realizou uma pequena cerimônia nesta manhã para mostrar o recebimento dos imunizantes.

 

Foto: Magnólia Lemos/ Prefeitura de Barreiras

 

Da mesma forma, em Juazeiro, a vacinação está prevista para começar pouco mais tarde, às 15h. A primeira das 2.548 doses recebidas pelo município será aplicada em um profissional de saúde, na sala de vacina do Centro de Saúde III, no bairro do Angary.

 

 

VACINA A PARTIR DE QUARTA

Ao menos outras duas cidades baianas vão deixar para começar a campanha de vacinação na quarta-feira (20), como previsto inicialmente pelo Ministério da Saúde: Teixeira de Freitas e Jequié. Elas receberam suas doses do imunizante ainda nesta madrugada.

 

VACINAÇÃO NA BAHIA

A primeira aplicação da Coronavac no estado aconteceu às 7h, em Salvador. A sede das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), no Largo de Roma, sediou o evento que deu início à campanha de vacinação na Bahia (veja aqui).

 

Logo depois, cidades do interior como Amargosa, Feira de Santana, Alagoinhas e Lauro de Freitas também começaram a vacinar seus cidadãos. Nesta fase, os imunizados serão os profissionais de saúde na linha de frente do combate à Covid-19 e idosos em instituições de longa permanência (veja aqui) (Atualizada às 13h07)

Índia começa a exportar vacina de Oxford nesta quarta, mas Brasil não receberá
Foto: Divulgação

A Índia vai dar início nesta quarta-feira (19) à exportação de vacinas contra a Covid-19 desenvolvidas pela Astrazeneca e Oxford, que no Brasil tem parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A informação foi apurada pela agência Reuters junto á fontes do governo. 

 

As doses em questão tem como destino o Butão e Bangladesh.

 

De acordo com reportagem do portal Uol, as autoridades pediram anonimato à agência porque os planos não são públicos. 

 

Além do Brasil, a Índia recebeu pedidos de dezenas de países para iniciar as exportações da vacina, que são produzidas pelo laboratório indiano Serum. 

 

Segundo a reportagem, fontes diplomáticas em Brasília confirmam à coluna de Jamil Chade, no UOL, que, por enquanto, não existe uma data confirmada para que a Índia possa fornecer os imunizantes.

 

No domingo (17) a Anvisa decidiu, em reunião extraordinária, qpela aprovação do uso emergencial da vacina de Oxford. Na ocasião também foi autorizada a vacina Coronavac, desenvolvida pela Sinovac com o Instituto Butantan, e que já está sendo aplicada na população.

Vacinação contra a Covid-19 começa nesta terça no interior da Bahia
Foto; Divulgação/ HGCA

Após o início da campanha de vacinação em Salvador (veja aqui), cidades do interior baiano também já começaram a vacinar sua população contra a Covid-19. Uma delas é Feira de Santana, que recebeu suas primeiras doses da Coronavac na manhã desta terça-feira (19).

 

Na cidade, as primeiras vacinadas foram duas enfermeiras que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus, Laíse Bastos, de 33 anos, e Raiane Pereira, 30. Elas atuam no na UTI do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA).

 

“Estamos com 38 pacientes internados nas unidades de covid 19 no Clériston Andrade. Imunizar nossos funcionários será uma grande vitória, para continuarmos nesta guerra contra a Covid”, comemorou o médico José Carlos de Carvalho Pitangueira, diretor-geral do HGCA, em nota enviada pela unidade de saúde.

 

O coordenador do Núcleo Regional de Saúde, Edy Gomes, participou do ato e, como enfermeiro, aplicou a primeira dose na enfermeira Laíse Gomes. De acordo com ele, 13.200 doses chegaram ao município nesta manhã. Elas serão aplicadas, prioritariamente, nos profissionais que assistem vítimas da Covid, idosos institucionalizados e indígenas, como recomenda o Ministério da Saúde.

 

LAURO DE FREITAS

Em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), a vacinação também já começou. Por volta das 9h30, a prefeitura divulgou, nas redes sociais, imagem da primeira cidadã a ser vacinada.

 

A escolhida foi a técnica de enfermagem Eliene da Cruz, de 56 anos, que mora no bairro de Portão. Ela atua na área há mais de 30 anos e atualmente trabalha na Unidade de Saúde da Família (USF) Irmã Dulce, referência para pacientes com Covid.

 

 

ALAGOINHAS

Logo cedo, por volta das 8h40, a Prefeitura de Alagoinhas iniciou a vacinação na cidade. A gestão municipal se autodeclara a primeira do interior a começar a campanha.

 

Foto: Roberto Fonseca

 

Por lá, o prefeito Joaquim Neto, médico de formação, foi o responsável por aplicar a primeira dose da Coronavac na enfermeira Rita de Cássia Carneiro da Silva, de 50 anos. Ela atua no município há 22 anos. Na sequência, Neto vacinou o técnico de enfermagem e quilombola Claudionor Paixão.

 

AMARGOSA

A vacinação também já começou a ser feita em Amargosa. O prefeito da cidade, Júlio Pinheiro, registrou em seu Instagram o momento em que a primeira dose foi aplicada em uma cidadã do município, por volta das 9h de hoje. (Atualizada às 12h07 para acrescentar mais cidades)

Pacientes transferidos de Manaus ficarão no Hospital do Subúrbio, Espanhol e Couto Maia
Foto: Fernando Vivas/GOVBA

Os 18 pacientes de Manaus, no Amazonas, que serão transferidos para a Bahia nesta terça-feira (19) serão levados para os hospitais do Subúrbio, Espanhol e o Instituto Couto Maia, de acordo com o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. 

 

A previsão é de que eles cheguem ao estado ainda nesta terça durante a noite (leia aqui). A informação foi dada nesta manhã pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT), durante a cerimônia simbólica que marcou o início da imunização contra a Covid-19 no estado, realizada no santuário das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), na capital baiana.

 

Os hospitais que vão receber os pacientes do Amazonas são exclusivos para tratamento da Covid-19 na Bahia.

 

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) ainda não tem informações sobre o perfil dos pacientes. 

 

Na semana passada a Bahia disponibilizou 30 leitos para pacientes vindos do Amazonas, sobretudo da capital. O estado vive um colapso no sistema de saúde por causa do aumento na quantidade de casos da Covid-19. 

 

O Amazonas sofre com o sistema de saúde pressionado e em colapso, falta de leitos, de insumos e na semana passada a capital viveu uma situação dramática, com a falta de oxigênio para tratamento de pessoas internadas e relatos de pessoas morrendo asfixiadas nos hospitais devido ao problema.

 

Além dos hospitais, os cemitérios de Manaus também vem sofrendo com a pressão e superlotação. Por dois dias consecutivos nesta semana o número de enterros na cidade foi superior a 200,  o número é maior até que o registrado no primeiro pico da doença, entre abril e maio do ano passado.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 10:40

Primeiras vacinadas, baianas comemoram: 'Não sabia se ria ou chorava'

por Jade Coelho

Primeiras vacinadas, baianas comemoram: 'Não sabia se ria ou chorava'
Mª Angélica é enfermeira no Icom | Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

A primeira profissional da Saúde vacinada contra a Covid-19 na Bahia, a enfermeira Maria Angélica de Carvalho Sobrinha, de 53 anos, ficou sabendo na segunda-feira (18) à tarde que seria imunizada. Foi um dia comum de trabalho até que às 16h ela recebeu ligação da diretora do Instituto Couto Maia, Ceuci Nunes, com a notícia. 

 

A enfermeira atua na linha de frente da pandemia, é servidora do Couto Maia, hospital de referência em doenças infecciosas na Bahia, e no início da pandemia também atuava no Hospital da Cidade. 

 

Na manhã desta terça-feira (19), já vacinada, Maria Angélia se comoveu. "Não sabia se sorria ou se chorava, pela emoção mesmo", disse após a cerimônia simbólica que marcou o início da imunização contra a Covid-19 na Bahia, no santuário das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), na capital baiana.

 

Estiveram presentes o governador Rui Costa, o prefeito de Salvador Bruno Reis (DEM), os secretários de Saúde do município Leo Prates e do estado Fábio Vilas-Boas, além de representantes da Osid.

 

"Esse momento é muito importante para a humanidade, os baianos e para os profissionais da saúde. É muito difícil quando você vai trabalhar numa coisa que você ama, e sabe que você pode ser vetor para a sua família, e também para todas as pessoas no trajeto por onde  você passa", disse Maria Angélica. 

 

Além dela, outras três pessoas foram vacinadas pelo próprio secretário Fábio Vilas-Boas, que é médico, durante a cerimônia. Dona Lícia Pereira Santos, idosa de 86 anos que mora, desde 2014, no Centro de Geriatria das Obras Sociais de Irmã Dulce; a representante da população indígena Deisiane Tuxá; e o médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Uenderson Barbosa.

Uenderson Barbosa é medico do Samu | Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 

Deisiane é natural de Rodelas, no interior do estado. Ela trabalha em Salvador no Distrito Especial Indígena da Bahia, local responsável pela atenção à Saúde Básica das populações aldeadas indígenas do estado. O distrito em que Deisiane atua é responsável por 135 aldeias.

 

"Agradeço a felicidade de estar aqui hoje, de representar não só o meu povo Tuxá, mas todos os povos da Bahia. Temos mais de 30 mil indígenas, e esse momento é histórico. É preciso que a gente acredite na vacina, em dias melhores", disse após receber a primeira dose da vacina Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. 

 

Deisiane Tuxá foi a primeira indígena vacinada na Bahia | Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 

"Claro que temos que manter todas as medidas de cuidado, mas acreditar que esse momento de avanço é positivo", completou Deisiane.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 10:20

Vilas-Boas nega disputa da Bahia com governo federal por protagonismo em vacinação

por Jade Coelho / Bruno Luiz

Vilas-Boas nega disputa da Bahia com governo federal por protagonismo em vacinação
Foto: Max Haack / Ag. Haack/ Bahia Notícias

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, rechaçou a possibilidade de o governo do Estado travar disputa com o governo federal pelo protagonismo da campanha de vacinação contra a Covid-19, iniciada nesta terça-feira (19) em solo baiano.

 

A guerra política em torno da vacina tem como principais combatentes Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria. Nesta segunda (18), o presidente da República disse que a Coronavac, imunizante produzido pela fabricante chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, “é do Brasil, não é de nenhum governador” (veja aqui). 

 

A fala foi em referência ao fato de Doria ter iniciado a vacinação antes do governo federal. No domingo, logo após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial do imunizante, o governo paulista aplicou a primeira dose da Coronavac em uma profissional de saúde. Isso frustrou os planos da gestão Bolsonaro, que pretendia começar a campanha nesta quarta (20), simultaneamente, em todo o país. O fato também deu protagonismo a Doria, principal adversário político do presidente, na corrida pela vacina.

 

Segundo Vilas-Boas, que tem um contrato para adquirir a vacina russa Sputnik V, as ações do estado visam a prevenção, e não a disputa com o governo federal. 

 

“Eu refuto qualquer tentativa de disputa política. Estamos trabalhando nisso desde agosto. Eu assinei o memorando de entendimento com os russos em agosto. Nós compramos as seringas, agulhas e freezeres no ano passado. A logística foi feita com muita antecedência. Eu sabia que ia faltar agulha, que ia faltar vacina. O governador Rui Costa esteve à frente dos problemas, O governo está agindo de forma responsável e preventiva”, defendeu, em entrevista nesta manhã, durante evento de aplicação das primeiras doses da Coronavac em baianos, realizado no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em Salvador (veja como foi a vacinação aqui).

 

O secretário ainda justificou a estratégia de vacinar apenas 180 mil pessoas do grupo de risco para Covid-19, devido à falta de doses suficientes para imunizar toda a população prioritária. Com isso, metade das 376 mil vacinas enviadas ao estado pelo Ministério da Saúde será guardada para aplicação da segunda dose.

 

“A pior coisa seria distribuir pra 370 mil pessoas e descobrir, daqui a um mês, que não terá segunda dose. Vamos com calma, a posição mais cautelosa que temos é essa. Vamos guardar, por precaução, metade das doses. Se, daqui a um mês descobrirmos que temos doses suficientes, chamamos mais pessoas”, explicou.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 10:00

Leo Prates cobra habilitação de leitos Covid e de unidades de saúde pelo governo federal

por Jade Coelho / Ailma Teixeira

Leo Prates cobra habilitação de leitos Covid e de unidades de saúde pelo governo federal
Foto: Jade Coelho/ Bahia Notícias

Além de acompanhar o envio de doses da Coronavac a Salvador, o secretário de Saúde da cidade, Leo Prates, esteve em Brasília nessa segunda-feira (18) para levar cobranças ao Ministério da Saúde. Na ocasião, Prates e o prefeito Bruno Reis (DEM) discutiram o apoio do governo federal para as ações de combate à pandemia.

 

"Tudo é uma equação financeira, a gente foi discutir a renovação da habilitação dos leitos de UTI Covid no município. Não há expectativa, nesse momento, de fechamento de leitos de UTI, muito pelo contrário, e nós precisamos do aporte do governo federal", ressalta Prates em entrevista à imprensa.

 

O secretário falou com os jornalistas na manhã desta terça-feira (19), após a cerimônia que marcou o início da campanha de vacinação em Salvador, nas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), no Largo de Roma. Ele e outras autoridades do município e do estado participaram do evento que teve uma enfermeira negra, de 53 anos, como a primeira pessoa vacinada na Bahia (veja aqui).

 

Depois do ato, Prates se queixou da falta de recursos por parte do ministério para atender a cobertura de saúde da cidade. "Nós fomos conversar por que Salvador já poderia ter hoje 62% de cobertura de atenção primária. E por que não tem, Leo? Na verdade, tem, mas o governo federal não habilitou 30 equipes de saúde da família, que nós já estamos em funcionamento, e o município está bancando sozinho", pontuou o secretário.

 

Outro exemplo dessa falta de assistência é a Unidade de Pronto-Atendimento Santo Antônio, localizada perto das Osid. "É quase um hospital e desde 31 de maio o ministério não habilitou", disse Prates, acrescentando que, também nesse caso, o município está pagando a conta sem apoio. Apesar das cobranças, ele avaliou a reunião como 'profícua'. Ou seja, proveitosa.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 09:20

Golpe sugere pré-cadastro do MS para vacinação contra Covid-19 por telefone

por Matheus Moreira | Folhapress

Golpe sugere pré-cadastro do MS para vacinação contra Covid-19 por telefone
Foto: Priscila Melo / Bahia Notícias

Golpistas se aproveitam da expectativa pela vacinação contra Covid-19 para enganar cidadãos e obter acesso a aplicativos de mensagens como o WhatsApp e o Telegram, segundo informou o Ministério da Saúde no dia 14 de janeiro.

De acordo com publicação da pasta nas redes sociais, os golpistas ligam para os celulares das vítimas e fazem um falso questionário para levar o cidadão a acreditar no golpe e compartilhar com o criminoso um código que dá acesso aos aplicativos de mensagens.

A isca usada pelos golpistas é a possibilidade de pré-agendar uma data para a vacinação. A pasta, no entanto, não está agendando datas para a vacinação contra a Covid-19 e não faz ligações para cidadãos.

"O Ministério da Saúde esclarece que não realiza agendamento para aplicação de nenhum tipo de vacina, e nem envia códigos para celular dos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde). Caso receba solicitação de cadastro, não forneça seus dados e denuncie às autoridades competentes", diz a publicação do ministério nas redes sociais.

Outra modalidade do golpe, também sugerindo agendamento para vacinação contra o novo coronavírus, acontece por meio de SMS. A vítima recebe uma mensagem de texto, supostamente do Ministério da Saúde, pedindo para que clique no link e confirme o código para agendar a vacinação. Ao fazer isso, a vítima dá aos golpistas acesso aos seus aplicativos de mensagem.

Procurado, o Ministério da Saúde não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem.

VACINAÇÃO EM SP
Nos primeiros dias de janeiro, um texto falso compartilhado em redes sociais e por aplicativos de mensagens apresentava informações imprecisas sobre a vacinação contra a Covid-19 no estado de São Paulo.

O texto foi atribuído à rádio CBN, que nega ser responsável pelas informações erradas ou imprecisas.

O falso texto informa que além da vacinação dos profissionais da Saúde, indígenas, quilombolas e idosos com 60 anos ou mais, também seriam vacinados já na primeira fase da campanha de vacinação os idosos com menos de 60 anos e as crianças.

A informação é imprecisa.

De acordo com o calendário compartilhado pelo governador João Doria (PSDB) durante o Seminário de Gestão Pública para Novos Prefeitos do Estado de São Paulo, transmitido ao vivo na primeira semana de janeiro, serão vacinados apenas os profissionais da saúde, indígenas, quilombolas e idosos com 60 anos ou mais na primeira etapa que, a princípio, estava marcada para começar no dia 25 de janeiro e chegar ao fim no dia 28 de março.

O governo estima que a primeira fase de vacinação aplicará as duas doses em 9 milhões de paulistas até o dia 28 de março.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 09:00

No hospital de Irmã Dulce, Ana Paula destaca 'ciência' e 'fé' em início de vacinação 

por Jade Coelho / Jamile Amine

No hospital de Irmã Dulce, Ana Paula destaca 'ciência' e 'fé' em início de vacinação 
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

Presente na cerimônia que marcou o início da imunização contra o novo coronavírus na Bahia, realizada na manhã desta terça-feira (19), nas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), a vice-prefeita e secretária de Governo de Salvador, Ana Paula Matos, celebrou a simbologia do ato. 

 

“O sentimento é de muita emoção e também de muita confiança. É muito bom a gente ter essa união da ciência também com a fé. A gente fez essa primeira vacina aqui no santuário de Irmã Dulce, primeira santa brasileira”, pontuou Ana Paula, destacando o trabalho conjunto do governo municipal e estadual.

 

“Até de madrugada, o secretário municipal de Saúde Leo Prates e o do estado, Fábio Villas-Boas, estavam trabalhando, nem dormiram nessa noite. Isso mostra para a população que eles estão bem assistidos, bem cuidados, e a gente vai, com fé em Deus, conseguir muito em breve essa vacinação em larga escala”, acrescentou. 

 

A vice-prefeita comentou ainda as indefinições a respeito do quantitativo da vacina repassada pelo governo federal ao município, que é menor até mesmo do que o grupo prioritário da primeira fase de imunização. “Preocupa, mas a gente se organizou. A gente só está aplicando metade das doses para garantir que cada pessoa seja efetivamente imunizada a partir da segunda dose. E também estamos trabalhando, fazendo contato com as fábricas, buscando inclusive adquirir as vacinas, se assim for possível”, declarou Ana Paula, que disse ter certeza de que “os esforços conjuntos vão dar os resultados necessários”.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 08:40

Bruno Reis avalia início da vacinação em SSA: 'Que a gente possa salvar milhares de vidas'

por Jade Coelho / Ailma Teixeira

Bruno Reis avalia início da vacinação em SSA: 'Que a gente possa salvar milhares de vidas'
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

Cerca de 10 meses após a descoberta do primeiro caso de coronavírus em Salvador, a capital baiana dá início à vacinação contra a Covid-19 na manhã desta terça-feira (19). A campanha começou com uma cerimônia especial na sede das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), no Largo de Roma (veja aqui).

 

Para o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), esse é um momento de "muita responsabilidade", principalmente pela forma com que a gestão municipal tem combatido a pandemia, "respeitando a ciência, ouvindo técnicos, especialistas, adotando uma série de medidas que foram necessárias ao longo desse período".

 

"Que a gente retome o dia a dia da nossa cidade, a nossa rotina, que a gente possa salvar milhares de vidas, que a gente possa restabelecer a nossa economia, resgatar a nossa área social da cidade", clamou Bruno, ao falar com a imprensa. 

 

Ele anunciou ainda que pretende apoiar o governo do estado no processo travado para adquirir 10 milhões de doses da Sputnik V, vacina russa. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autorizou o uso emergencial do imunizante no Brasil porque, entre outros motivos, eles não iniciaram os testes da fase 3 no país.

 

CAMPANHA EM SALVADOR

Só nesta terça, a prefeitura pretende vacinar cerca de 2,5 mil pessoas. De acordo com a gestão municipal, a cidade recebeu cerca de 42 mil doses da vacina nesta primeira remessa, mas, como não há data definida para a entrega de mais unidades, a gestão vai aplicar em 21 mil pessoas e guardar a outra metade para garantir que elas possam receber a segunda dose 14 dias depois.

 

Nesta fase inicial, serão imunizados os idosos abrigados em instituições de longa permanência e profissionais da saúde que atuam na rede de urgência e assistência direta aos pacientes infectados com o novo coronavírus. (Atualizada às 9h40)

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 08:03

Bahia vai receber 18 pacientes com Covid-19 transferidos de Manaus, afirma Rui Costa

por Jade Coelho / Bruno Luiz

Bahia vai receber 18 pacientes com Covid-19 transferidos de Manaus, afirma Rui Costa
Foto: Max Haack / Ag. Haack/ Bahia Notícias

A Bahia vai receber na noite desta terça-feira (19) 18 pacientes transferidos de Manaus. A informação foi dada nesta manhã pelo governador do estado, Rui Costa. Ele participou do evento com as primeiras baianas que receberam doses da vacina Coronavac, ocorrido no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador.

 

Vale lembrar que o estado disponibilizou 30 leitos para pacientes vindos do Amazonas, sobretudo da capital, que vive um colapso no sistema de saúde por causa do aumento na quantidade de casos da Covid-19. Na semana passada, Manaus viveu uma situação dramática, com a falta de oxigênio para tratamento de pessoas internadas e relatos de pessoas morrendo asfixiadas nos hospitais devido ao problema.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 08:00

Bruno diz que se Rui vencer ação no STF, tem interesse em se associar pela vacina Sputnik

por Jade Coelho / Jamile Amine

Bruno diz que se Rui vencer ação no STF, tem interesse em se associar pela vacina Sputnik
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

Durante evento que marcou o início da vacinação contra a Covid-19 na Bahia, realizado na manhã desta terça-feira (19), nas Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), em Salvador (saiba mais), o prefeito Bruno Reis afirmou que a gestão municipal tem interesse em se associar ao governo do estado para garantir doses do imunizante russo Sputnik V.

 

Após dizer que Salvador está preparada com profissionais, estrutura e logística de armazenamento - inclusive com freezers capazes de funcionar a menos de 70 °- para dar prosseguimento à vacinação, Bruno destacou que o problema enfrentado na cidade e no mundo é o de fornecimento do imunizante. 

 

“E quero, governador, dizer que caso o amigo tenha êxito na ação que propôs ao Supremo Tribunal Federal para adquirir as vacinas da Sputnik, a prefeitura de Salvador tem a disposição de se associar e poder usar recursos próprios para a aquisição”, declarou o prefeito, ao governador Rui Costa, que também presente na cerimônia. 

 

“Não há nada mais desejado, pelo menos por mim e sei que essa é também a do governador, que a gente possa, tanto na Bahia como em Salvador, voltar a viver aquela cidade, aquele estado, pujante que estava atraindo milhares de visitantes do Brasil e do mundo”, acrescentou Bruno, que antes da pandemia projetava “o melhor verão de todos os tempos” na capital.

 

Com as restrições da pandemia, ele destacou que a cidade precisou se reinventar e que tem sido um trabalho bem sucedido. “Hoje quando a gente compara os números de Salvador e da Bahia com o Brasil, nós somos referência. Então a gente fica feliz de poder iniciar esse processo de vacinação hoje”, concluiu o prefeito.

Terça, 19 de Janeiro de 2021 - 07:55

Lewandoswki será relator no STF de ação da Bahia sobre uso emergencial da Sputnik V

por Jade Coelho / Bruno Luiz

Lewandoswki será relator no STF de ação da Bahia sobre uso emergencial da Sputnik V
Ministro Ricardo Lewandowski | Foto: Nelson Jr. / SCO/ STF

O ministro Ricardo Lewandowski será o relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) na qual o governo da Bahia pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para uso emergencial da vacina Sputnik V, produzida por um laboratório do governo russo, no Brasil.

 

A distribuição do processo para o ministro foi feita nesta segunda-feira (18). Ele assumirá a relatoria por prevenção, ou seja, porque é responsável por um outro processo com temática parecida, sobre medidas para garantir a vacinação contra Covid-19 no país.

 

Nesta terça-feira (19), o governador da Bahia, Rui Costa, falou sobre o assunto e destacou que, caso o STF permita, já há 10 milhões de doses da Sputnik V prontas para distribuição ao país. 

 

“Espero que possamos, através da Justiça, acelerar o uso da vacina russa, Sputnik, para que a gente possa ter a importação. Nós temos um contrato, o estado da Bahia, com o laboratório, mas isso não é qualquer obstáculo para que a União possa assumir seu papel e assumir a importação. Teria disponível para trazer hoje 10 milhões de doses da Sputnik, a vacina russa”, afirmou, em fala após a vacinação das primeiras baianas, com doses da Coronavac, no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador. 

Histórico de Conteúdo