Consórcio do Nordeste lança edital para compras coletivas de saúde
Foto: Elisa Elsie/GovRN

O extrato do primeiro edital de compras coletivas do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste será publicado nesta terça-feira (17), no Diário Oficial do Estado (DOE). O anúncio foi realizado por governadores da região após encontro em Natal, no Rio Grande do Norte, na tarde desta segunda (16).

 

"Depois de toda a apresentação ao mercado e a fornecedores, nós vamos publicar amanhã a primeira compra coletiva do consórcio, na área da saúde. Teremos outros editais até dezembro, alcançando boa parte dos produtos que hoje os estados compram. Com isso, vamos trazer economia aos cofres públicos de cada estado", explicou o governador da Bahia e presidente do Consórcio do Nordeste, Rui Costa. O edital completo estará disponível para os interessados na Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

 

Durante o encontro, os gestores ainda discutiram a respeito da saída da Petrobras do Nordeste e a nova lei do Fundeb. "O Fundeb atual vence no início do ano que vem e estamos preocupados com o calendário legislativo. Precisamos ter uma nova lei antes do vencimento da lei atual. Caso contrário, isso coloca em risco todo o funcionamento da educação no Brasil", acrescentou Rui.

 

Sobre a Petrobras, o presidente do consórcio revelou que o grupo buscará diálogo junto ao Ministério de Minas e Energia e ao Congresso Nacional. "Estamos muito preocupados com o que já foi feito e o que se ameaça fazer. A venda e o fechamento dos ativos no Nordeste provocariam mais demissões e colocaria em risco até a comercialização de derivados do petróleo na região", disse.

Secretários de saúde da RMS visitam obras do Hospital Metropolitano
Foto: Divulgação

Secretários de saúde das cidades da Região Metropolitana de Salvador visitaram as obras do Hospital Metropolitano nesta segunda-feira (16). O responsável por guiar os gestores na visita técnica foi o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

 

A unidade de saúde está sendo construída na cidade de Lauro de Freitas. As obras estão 90%  concluídas e a previsão é de que o hospital seja inaugurado no primeiro trimestre de 2020.  

 

Vilas-Boas destacou que o equipamento de saúde será o principal da RMS. “Atendendo a todos os casos da rede de urgência e emergência do litoral norte e das cidades que compõem a região metropolitana, o que irá desafogar o Hospital Geral do Estado, Hospital Geral Roberto Santos e o Hospital Geral de Camaçari”, ressaltou.

 

Entre obras e equipamentos, a unidade receberá investimentos da ordem de R$ 180 milhões. O Hospital Metropolitano terá 265 leitos, sendo 55 de Terapia Intensiva (UTI). O hospital será de grande porte, com 27.900 metros quadrados de área construída. A unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma (particularmente o trauma raqui-medular), acidente vascular cerebral (AVC) e contará com dez salas de cirurgia. Um dos destaques do projeto é a Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atenderá pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral, na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico venoso, reabilitação precoce e investigação etiológica completa.

Lenços umedecidos Baby Wipes e Huggies são alvo de recall após identificação de bactéria
Foto: Reprodução / G1

Após a identificação da bactéria Enterobacter gergoviae no ambiente e no organismo humano, a marca Kimberly-Clark anunciou o recall de dois lotes de lenços umedecidos para bebês.

 

De acordo com o G1, são alvos do recall as toalhas Baby Wipes lote 024, produzidas entre às 6h e 9h do dia 24 de janeiro de 2019, e as toalhas Umidecidas Max Clean Huggies, lote 2019, produzidas entre as 6h30 e às 7h30 do dia 7 de agosto de 2019.

 

O recolhimento dos produtos foi iniciado na última quinta-feira (12). A orientação é de que as pessoas que compraram e estiverem utilizando os produtos desses lotes suspendam o uso e entrem em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor da empresa pelo telefone 0800 709 5599 (de segunda a sexta, das 8h às 20h), ou pelo site www.kimberly-clark.com.br/contato.

 

A marca divulgou que a bactéria não apresenta riscos para a saúde em pessoas saudáveis. Mas em indivíduos com o sistema imunológico comprometido, pode causar infecções tratáveis com assistência médica.

 

"Em casos extremos de pessoas que, além do sistema imunológico comprometido, estejam hospitalizadas e apresentem doenças preexistentes, a infecção pode se tornar severa e requerer assistência médica adicional para se evitar risco de vida", alertou a fabricante.

 Tratamento inadequado de saúde mata 5 a cada minuto, aponta OMS
Foto: Reprodução/Getty Images

A Organização Mundial da Saúde (OMS), através do chefe da entidade Tedros Adhanom Ghebreyesus, revelou que "morrem por minuto cinco pessoas devido a tratamento inadequado". Um relatório apresentado pela entidade apontou que milhões de pessoas morrem todos os anos como consequência de erros médicos. 

 

O problema, na avalição de outro membro da OMS, Neelam Dhingra-Kumar, é na verdade "um problema global. Ele relaciona o fato, em reportagem da Agência Brasil, a existência de uma hierarquia nos sistemas de saúde, em que é comum que médicos ou enfermeiros mais jovens não se sintasm a vontade para falar, ou funcionários encobrem erros cometidos por temer represálias.

 

Ainda segundo a OMS, cerca de 40% dos pacientes tratados em ambulatórios sofrem os efeitos de erros médicos. Nos hospitais o número cai para 10%.

Segunda, 16 de Setembro de 2019 - 10:40

Prates defende que prefeituras tenham maior flexibilização na contratação de médicos 

por Rodrigo Daniel Silva

Prates defende que prefeituras tenham maior flexibilização na contratação de médicos 
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

O secretário municipal de Saúde (SMS), Leo Prates (DEM), defendeu, nesta segunda-feira (16), que as prefeituras tenham maior flexibilização na contratação de médicos. Prates está em Brasília nesta semana para tratar do assunto no Ministério da Saúde.

Segundo Prates, hoje as gestões só podem contratar os profissionais para atuarem 40 horas. A intenção dos administradores é que se possa contratar médicos para 20 horas. "É uma discussão nacional para que tenha essa flexibilização. Isso já aconteceu. Hoje, está muito engessado", declarou, em entrevista ao Bahia Notícias.

O titular da SMS argumenta que os médicos preferem atuar hoje na iniciativa privada por ganharem mais. Se cair de 40h para 20h, o profissional, segundo Prates, poderá conciliar o trabalho na área privada com a gestão pública, onde poderá ter estabilidade.

Perícia confirma que incêndio em hospital no Rio de Janeiro teve início em gerador
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil/

Peritos da Polícia Civil confirmaram que o incêndio ocorrido na última quinta-feira (12), no Hospital Badim, no Rio de Janeiro, teve início em um gerador de energia da unidade de saúde. Segundo informações da Agência Brasil, a constatação veio após vistoria no subsolo do prédio, neste sábado (14).


Apesar de saberem que o começo do fogo ocorreu no gerador, os técnicos devem esperar que a empresa responsável pela manutenção retire uma peça específica do equipamento, para que ela possa ser analisada no laboratório do instituto de criminalística e seja apontada a causa do incêndio.


“Sabemos que o problema foi no gerador. Vai ser feito um estudo mais aprofundado para saber a manutenção e como se deu esse problema, que gerou o incêndio”, disse o delegado responsável pela investigação, Roberto Ramos, da Delegacia da Praça da Bandeira (18ª DP).


O delegado disse também que ainda não é possível apontar os responsáveis pelo incêndio.  “Inicialmente, nossa preocupação era constatar essa perícia de maneira eficaz. Pessoas serão ouvidas na segunda-feira. Vamos ouvir todo mundo que for necessário para as investigações”, declarou.

Domingo, 15 de Setembro de 2019 - 09:40

Vítimas mortais de incêndio em hospital no Rio de Janeiro chegam a 11

por Ana Luiza Albuquerque, Diego Garcia e Lucas Lacer | Folhapress

Vítimas mortais de incêndio em hospital no Rio de Janeiro chegam a 11
Foto: Reprodução / Uol

Onze pessoas morreram no incêndio de grandes proporções que atingiu o hospital Badim, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, na noite de quinta-feira (12). As mortes foram confirmadas e os corpos foram identificados ao longo desta sexta (13).

As vítimas são: Maria Alice Teixeira da Costa, 75, Luzia dos Santos Melo, 88, Virgílio Claudino da Silva, 66, Ana Almeida do Nascimento, 95, Irene Freitas, 83, Berta Gonçalves Berreiro Sousa, 93, Marlene Menezes Fraga, 85, Darcy da Rocha Dias, 88, Alayde Henrique Barbieri, 96, José Costa Andrade, 79, e Ivone Cardoso Natarelli, 75.

A diretora de perícia do IML, Gabriela Graça, disse que a maioria das vítimas morreu por inalação de fumaça. Outras morreram em função do desligamento de aparelhos com a queda da energia.

O Corpo de Bombeiros foi acionado às 17h50 de quinta e enviou 12 viaturas e agentes de quatro quartéis ao edifício, que foi tomado por uma fumaça preta e espessa, como mostram imagens gravadas por transeuntes. Na manhã desta sexta, o cheiro de queimado ainda era forte no local.

Segundo o hospital, a causa mais provável do incêndio seria um curto-circuito em um gerador no subsolo do prédio mais antigo do Badim, que tem dois edifícios, um inaugurado em 2000 e o outro em 2018. A fumaça do incêndio subiu para todos os andares. O prédio abriga leitos e um CTI (Centro de Tratamento Intensivo).

O hospital é privado e faz parte da rede D'Or São Luiz. Havia 226 funcionários e 103 pacientes no edifício quando o incêndio começou. Eles foram transferidos para outras unidades de saúde.

O diretor médico do hospital, Fabio Santoro, afirmou nesta sexta que, dos 103 pacientes, 77 continuavam internados em 12 instituições de saúde e 15 haviam recebido alta. Vinte funcionários e acompanhantes também estavam internados.

O inquérito para investigar o incêndio está sendo conduzido pela 18ª delegacia de polícia. Brigadistas e outras pessoas que estavam no hospital na quinta-feira foram chamados para prestar depoimento.

Policiais civis estiveram no prédio nesta sexta para iniciar a perícia e identificar as causas do incêndio. O procedimento será retomado neste sábado (14).

O delegado Roberto Ramos disse que os peritos encontraram dificuldades ao longo do dia para realizar o trabalho, como a pouca luminosidade, a fumaça que ainda permanecia no edifício e a água que restou após os bombeiros apagarem as chamas. Ele não confirmou que o foco do incêndio seria o gerador.

O Corpo de Bombeiros diz que o Badim tinha o Certificado de Aprovação, que comprova o cumprimento da legislação contra incêndio e pânico. A prefeitura também diz que o local possui alvará de funcionamento. A Secretaria Municipal de Urbanismo afirma que o hospital está com a documentação em dia.

Técnicos da Vigilância Sanitária inspecionaram a unidade em julho deste ano. De acordo com o órgão, foram identificadas necessidades de adequação em nove áreas do local. Porém, não havia nada que impedisse o funcionamento do estabelecimento.

Após perícia na região atingida pelo incêndio, a Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), interditou o hospital Badim e mais quatro imóveis ao redor.

Duas casas da vila aos fundos do hospital foram totalmente interditadas. Na mesma vila, houve ainda duas interdições parciais --em outra casa e em uma garagem. Os técnicos avaliaram que havia ameaça de queda de reboco e do revestimento do teto.

A representante comercial Renata Schmid, 40, é uma das moradoras da vila. A reportagem entrou em sua casa, parcialmente interditada por risco de curto circuito. A cozinha estava muito quente, vidros da sala se quebraram, o reboco da parede caiu e havia rachaduras na parede. Assim como na entrada do hospital, o cheiro de queimado tomava o ambiente.

Uma creche que fica de frente para a escada que dá acesso ao CTI virou hospital de campanha durante a emergência. O dono da escola, Darci Martins, 40, conta que viu fumaça saindo do prédio por volta das 17h30. Um segurança do hospital disse que um gerador havia explodido, mas sem alarde.

Às 18h30, Darci conta que recebeu a ligação de uma amiga médica, que coordena o CTI do Badim, pedindo que abrisse a creche para receber os pacientes evacuados do hospital.

Com oito crianças ainda na creche, os donos avisaram os pais e receberam os mais de 50 pacientes, acompanhantes e agentes de saúde e segurança. Em seguida, os pacientes foram transferidos a unidades de saúde na cidade, trabalho que foi encerrado às 23h. "Havia 50 pacientes e cerca de 400 pessoas aqui", relata.

Mas o expediente continuou. Por volta de 7h desta sexta, 30 funcionários do hospital foram enviados para fazer uma limpeza na creche, que recebeu, além das pessoas, macas e equipamentos para a manutenção dos pacientes.

Moradores dos prédios vizinhos abriram as garagens para acomodar mais pacientes longe da fumaça e ofereceram água, conta o empresário.

Em posicionamento oficial do hospital, Fabio Santoro disse que a diretoria expressa "profunda tristeza" e que "se solidariza com as pessoas atingidas". Também agradeceu a rede de solidariedade que se formou para ajudar o hospital e as vítimas, o trabalho do Corpo de Bombeiros e as redes pública e privada de saúde, que abrigaram os pacientes.

O diretor médico também afirmou que desde a noite de quinta o hospital está em contato com os familiares das vítimas. Disse que uma equipe foi deslocada para o IML para acolher as famílias e tomar as providências relacionadas ao sepultamento dos corpos.

Sábado, 14 de Setembro de 2019 - 12:40

Brasil entra em projeto que quer mapear células humanas; pesquisa envolve câncer

por Gabriel Alves | Folhapress

Brasil entra em projeto que quer mapear células humanas; pesquisa envolve câncer
Foto: Divulgação

O Brasil vai entrar em uma das maiores jornadas científicas desde o Projeto Genoma Humano, no final do século 20: o Atlas de Células Humanas (Human Cell Atlas, no original em inglês, ou HCA).

Lucio Freitas Junior, pesquisador do ICB (Instituto de Ciências Biomédicas) da USP, é o responsável por costurar a participação do país no consórcio internacional do HCA. A iniciativa o procurou em busca de representatividade sul-americana. Membros do projeto estiveram em São Paulo nesta semana para apresentá-lo à comunidade científica brasileira.

A ciência por trás da nova iniciativa é de ponta e pode mudar a maneira de entender a vida e as doenças no ser humano.

A citologia e histologia, ramos da biologia, já tinham a função de caracterizar as células, mas até poucas décadas atrás esse conhecimento era apenas morfológico (descrição de seu aspecto) e químico (como reagem a corantes, por exemplo) --sempre dentro de um contexto, como o órgão de origem (como fígado ou cérebro).

A noção do que é uma célula nasceu no século 17, mas ainda não se sabe dizer exatamente o que faz uma célula ser diferente da outra nem quais são os papéis dos diferentes subtipos celulares --mesmo células muito parecidas podem operar de maneira distinta.  

Só depois de conhecer um pouco mais a fundo cada uma dessas células será possível juntar as peças e obter novas informações de como os órgãos e tecidos funcionam.

Segundo Alex Shalek, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), integrante do consórcio, o objetivo é criar uma espécie de tabela periódica das células, ou seja, um grande mapa de referência dos tipos e propriedades de todas as células humanas como uma base para entender, diagnosticar, monitorar e tratar pessoas doentes. 

Pelas estimativas iniciais, a primeira versão do atlas deve contar com 10 bilhões de itens, entre os tipos e subtipos celulares e seus possíveis estados.

No arsenal de técnicas a serem empregadas estão microscopia de alta resolução, para observar individualmente o comportamento de cada célula, e análise dos diferentes genes manifestados por cada célula, de acordo com sua localização nos diversos tecidos do corpo.

Uma das coisas mais curiosas sobre o atlas é a grande participação de físicos, matemáticos e cientistas da computação. O volume de dados é tão grande, como os provenientes das análises genéticas, que é preciso encontrar maneiras automatizadas para lidar com tanta informação sem perder o fio da meada.

O grande financiador internacional por trás da iniciativa é a CZI (Chan Zuckerberg Initiative), fundada por Mark Zuckerberg, criador do Facebook, e sua mulher, a pediatra Priscilla Chan. Jonah Cool, da CZI, conta que das cerca de 2.000 propostas recebidas em três editais, nenhuma era da América Latina. O grosso dos participantes está na Europa e nos EUA. Uma nova chamada para projetos será aberta a partir do próximo dia 17, diz Cool. 

Em seu último edital destinado ao atlas, anunciado em junho, a CZI anunciou US$ 68 milhões para 38 grupos em mais de 200 laboratórios em 20 países.

Freitas Junior afirma que, graças ao apoio institucional da USP e do ICB e da sinalização positiva da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estágio de São Paulo), o Brasil tornou-se parte oficialmente do consórcio --antes havia apenas colaborações individuais. O plano é agregar outras instituições ao HCA: primeiro, as do estado, depois, do país e, por fim, da América Latina.

"Muitos pesquisadores do país já fazem pesquisas de excelente qualidade. Eles vão continuar fazendo o que fazem de melhor, mas é preciso que eles falem mais entre si, para economizar recursos, ser mais eficientes", diz.

Entre as possibilidades de contribuição brasileira estão pesquisas com doenças importantes no país, como leishmaniose, chikungunya e doença de Chagas. 

"Mas é algo global. Os resultados abastecem a pesquisa básica e a aplicada, que busca algum tipo de medicamento", diz Freitas Junior.

A tarefa está longe de ser fácil. As técnicas são tão novas --como eram na época do Projeto Genoma Humano-- que ainda são caras e relativamente desconhecidas. Separar um pedaço de um órgão (como a pele ou o cérebro) em seus diversos tipos de célula, sem destruí-las, é um desafio, lembra Jorge Kalil, imunologista e professor titular da USP.

Ele diz que uma das possibilidades de estudos, como o mapeamento do perfil de expressão gênica das diversas células integrantes do sistema imunológico, pode ajudar a entender por que certas vacinas protegem mais umas pessoas do que outras.

Outro possível alvo é o câncer. Conhecer exatamente qual tipo de célula o faz crescer, qual é responsável por conseguir alimento e qual impede que o sistema imunológico o reconheça pode ser um caminho para tratá-lo com maior eficiência e menos efeitos colaterais, diz Emmanuel Dias-Neto, do A.C.Camargo Cancer Center.

Surto de sarampo já atinge 16 estados; mais de 3,3 mil casos são confirmados
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

O Brasil já possui 16 estados com surto ativo de de sarampo. De acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, são 3.339 casos confirmados da doença em todo o país. Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais passaram a fazer parte da lista.

 

Os casos suspeitos de sarampo chegam a 24.011, sendo que 17.713 estão em investigação e outros 2.957 foram descartados. Neste ano, quatro mortes por sarampo foram confirmadas. Três em crianças com menos de um ano e um homem de 42 anos. Nenhum deles havia sido vacinado. 

 

O principal foco da doença é no estado de São Paulo, que possui 97,5% dos casos confirmados (3.254). Rio de Janeiro (18), Pernambuco (13), Minas Gerais (13), Santa Catarina (12), Paraná (7), Rio Grande do Sul (7), Maranhão (3), Goiás (3), Distrito Federal (3), Mato Grosso do Sul (1), Espírito Santo (1), Piauí (1), Rio Grande do Norte (1), Bahia (1) e Sergipe (1) são os outros estados que registram casos de sarampo.

 

O Ministério da Saúde enviou neste ano 19,4 milhões de doses da vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, caxumba e rubéola. A tríplice viral está disponível em todos os mais de 36 mil postos de vacinação em todo o Brasil.

 

Nesta segunda-feira (16), os ministros da Saúde de Brasil e Paraguai, Luiz Henrique Mandetta e Julio Daniel Mazzoleni, respectivamente, lançam a Semana de Intensificação de Vacinação nas Fronteiras no âmbito do Mercosul. Durante o lançamento, será realizada vacinação contra febre amarela e sarampo em Ponta Porã (MS).

 

Além disso, A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo vai ocorrer de 7 a 25 de outubro e o público-alvo são crianças de 6 meses a menores de 5 anos. O dia D vai ser em 19 de outubro. Já a segunda etapa, de 18 a 30 de novembro, o foco é a população de 20 a 29 anos. O dia D ocorrerá em 30 de novembro.

 

A principal preocupação é com a vacinação para crianças menores de 5 anos, pois elas apresentam mais riscos de desenvolver complicações como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções no ouvido, pneumonias e óbitos. 

Anvisa abre consulta pública para debate sobre rótulo em alimentos
Foto: Reprodução/Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu duas consultas públicas para saber a opinião da população sobre as propostas de mudanças das atuais normas brasileiras de rotulagem de alimentos.

 

Uma das consultas trata da proposta de Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) sobre rotulagem, que prevê alterações que, segundo a Anvisa, vão ajudar os consumidores na hora da escolha de produtos. A outra é sobre uma Instrução Normativa (IN) que traz os requisitos técnicos para a adoção das normas pela indústria.

 

O órgão apontou como um dos principais objetivos da revisão das atuais normas para rotulagem a facilitação da compreensão das informações nutricionais por parte do consumidor. Para isso, também faz parte da proposta deixar mais visíveis e legíveis os dados nutricionais nos rótulos, o que permitirá fazer comparações entre produtos e reduzir situações que geram engano. A ideia é, ainda, ampliar a abrangência de informações nutricionais e aprimorar a precisão dos valores declarados pela indústria.

Cérebros adultos também podem sofrer danos pelo vírus da zika a longo prazo, revela estudo
Foto: Alexandre Carvalho

Ao contrário do que se acreditava, o vírus da Zika também pode afetar cérebros de adultos. A descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em um estudo que explica complicações neurológicas apresentadas por adultos durante o surto da doença em 2015.

 

No trabalho, publicado na semana passada na revista especializada “Nature Communications”, os pesquisadores identificaram que alguns pacientes apresentaram confusão mental, perda de memória e até dificuldades motoras.

 

“Achávamos que o vírus infectava apenas os chamados precursores neuronais e os neurônios imaturos dos embriões em desenvolvimento”, contou Ferreira. “Agora constatamos que ele afeta também os tecidos adultos.”

 

A infecção pode apresentar desdobramentos a longo prazo, mas todos eles ainda não foram identificados, conforme reportagem do Estadão, que ainda destaca que os recentes cortes das bolsas do CNPQ e da Capes vão interferir e até interromper a continuidade da pesquisa.

SMS redistribui últimas doses de vacina pentavalente nos 17 postos de saúde da cidade
Foto: Divulgação

Com os problemas de desabastecimento da vacina pentavalente enfrentados pela Bahia (leia mais aqui), a Secretaria Municipal da Saúde de Salvador (SMS) redistribuiu as cerca de 500 doses que ainda restam no estoque do município para 17 postos espalhados pela cidade.

 

A imunização que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e hemófilo B é alvo de um desabastecimento nacional. Em Salvador, de acordo com a SMS, o último repasse recebido do Ministério da Saúde foi no mês de julho.

 

“Vamos continuar imunizando as crianças até zerar o estoque e, a partir daí, aguardaremos o repasse do insumo por parte do Governo Federal para normalizarmos a oferta do serviço nas 139 salas de vacina da rede municipal”, destacou Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunopreveníveis.

 

A vacina pentavalente tem como público alvo crianças, que devem tomar três doses do imunizante aos dois, quatro e seis meses de idade.

Suicídio é maior em trabalhadores da agropecuária, aponta estudo do ISC-Ufba
Foto: Reprodução/CTB.Org

Os índices de suicídios podem variar de acordo com os postos de trabalho ocupados e os trabalhadores da agropecuária têm a maior mortalidade por suicídio no Brasil, de acordo com estudo divulgado pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/Ufba).

 

Considerado um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil são registrados mais de 8,5 mil casos de suicídio por ano.

 

A pesquisa do ICS/Ufba analisou dados de 2007 a 2015, em que foram registrados 77.373 suicídios no país. No primeiro ano, a mortalidade entre os agropecuaristas foi 16,6 por 100 mil habitantes. Em 2015, esse índice saltou para 20,5, número equivalente ao dobro da média para todos os trabalhadores em geral. Os pesquisadores analisaram registros do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

 

“Nossa intenção foi verificar se houve diferenças da mortalidade por suicídio entre grupos ocupacionais, sugestivas da participação de fatores laborais na sua determinação”, explicou a professora Vilma Santana, coordenadora do Programa Integrado em Saúde Ambiental e do Trabalhador do ISC/Ufba.

 

Vilma ainda destacou que a associação entre trabalho na agropecuária e suicídio não é exclusiva do Brasil. “Em várias regiões do mundo, estudos confirmam essa relação”, ponderou.

 

A pesquisa ainda apontou que fatores como baixa renda, instabilidade no emprego, pressão por produtividade, o acesso limitado à educação e aos serviços de saúde de qualidade podem ser algumas das hipóteses para o maior risco de suicídios entre os trabalhadores da agropecuária.

 

Ainda de acordo com os pesquisadores, vários estudos também sugerem que a exposição a substâncias químicas, presentes nos agrotóxicos, pode ser uma causa importante.

Sexta, 13 de Setembro de 2019 - 09:00

Alimentos devem ter aviso de alto teor de sódio, açúcar e gordura, define Anvisa

por Thaiza Pauluze | Folhapress

Alimentos devem ter aviso de alto teor de sódio, açúcar e gordura, define Anvisa
Foto: Michael Melo/Metropoles

Em fundo branco e letras pretas, um retângulo com uma lupa deve alertar na parte da frente do rótulo dos alimentos se ali há "alto teor" de açúcares adicionados, gorduras saturadas, sódio ou os três. Essa é uma das novas regras definidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para atualizar as normas de rotulagem dos alimentos no país. 

O objetivo é ajudar o consumidor a ter informações mais claras sobre o que está presente em cada produto e, assim, escolher os mais saudáveis, evitando substâncias críticas se consumidas em excesso. No Brasil, a obesidade atinge 19,8% da população adulta. 

O relatório, divulgado nesta semana foi elaborado pela equipe técnica da agência, após revisão de estudos e exemplos nacionais e internacionais, pesquisas com consumidores e análise das mais de 33 mil contribuições recebidas. O texto muda cinco normas vigentes da própria Anvisa.

Segundo a agência, a rotulagem com o alerta gráfico da lupa e a frase de "alto teor" tem tido melhor avaliação de custo-benefício em outros países e deixa mais clara a mensagem de que ali há ingredientes apontados como fatores de risco para obesidade e doenças crônicas. 

O modelo é semelhante ao defendido pela Opas (Organização Pan-americana de Saúde) e por entidades de defesa do consumidor. E é contrário ao proposto pela indústria, que pressionava a agência a adotar o modelo dos "semáforos nutricionais", que mesclam dados com as cores verde, amarela e vermelha.

A mudança começou a ser discutida após a constatação de que o consumidor tem dificuldade de entender as informações presentes no rótulo. 

"Queremos falar com quem frequenta o supermercado, a quitanda, a lojinha de produtos naturais. As pessoas, independente da classe social, precisam compreender o que estão consumindo. A ideia é entregar informação para que elas tenham possibilidade de escolher o que entendem ser bom para a saúde", afirmou Alexandra Bastos, diretora da agência reguladora. 

A Anvisa fará mais uma audiência pública nesta quinta-feira (11) para apresentar o relatório elaborado e vai aceitar sugestões por mais 45 dias. A expectativa é que até o final do ano a nova normatização entre em vigor. 

A partir disso, as empresas terão entre 12 e 30 meses -a depender do caso-, para atualizar as embalagens já considerando o limite estabelecido de ingredientes a partir do qual é exigido o alerta de "alto teor". 

Depois de 42 meses após a norma estar em vigor, as quantidades ficarão mais restritivas. É o chamado limite definitivo. 

Por exemplo: um biscoito com mais de 15g de açúcar adicionado por 100g deverá ter a lupa e o alerta de alto teor de açúcar, a partir de um ano da aprovação da norma. Mas após o prazo do limite definitivo, o mesmo produto terá que emitir o aviso se tiver mais de 10g do ingrediente. 

As regras serão facultativas no caso de agricultores familiares e pequenos empreendedores. Também não se aplicam a todos os tipos de alimentos -vegetais, carnes e azeites, por exemplo, estão de fora da lista. 

Tabela nutricional Além da inclusão de um sinal de alerta nas embalagens, o texto da Anvisa traz outras alterações nos rótulos.

Uma delas é a declaração obrigatória dos açúcares "livres" e "totais" na lista de nutrientes da tabela nutricional -quadrinho com dados que fica na parte de trás dos produtos.

O primeiro indica o açúcar que é adicionado pela indústria durante a produção dos alimentos. Já o segundo indica o total de carboidrato presente no alimento, somado ao açúcar adicionado. 

Atualmente, esses nutrientes não são declarados. Mas o consumo excessivo de açúcares adicionados é fator de risco para ganho de peso.

O relatório também estabelece uma série de regras para os tipos e tamanhos de carácteres, linhas e margens da tabela nutricional --que deverá ser invariavelmente preta, com o fundo branco.

Muda ainda o valor de referência para calcular o percentual de valores diários dos ingredientes em cada produto, o %VD, e faz uma nova definição, mais objetiva, do que é considerado um produto de consumo individual. 

Também pra tornar a tabela nutricional mais clara, a quantidade dos nutrientes deverá ser calculada não por porção como é hoje --"três biscoitos", "¼ de colher", entre outras. O padrão será a quantidade por 100g ou 100ml. Isso vai permitir comparar diferentes marcar ou produtos. 

A Anvisa também cria regras mais rígidas para mensagens das chamadas "alegações nutricionais", como "0% gordura" ou "fonte de fibras" que muitas vezes aparecem na embalagem do biscoitinho fit.

Agora, se um alimento tem o alerta sobre alto teor de gorduras saturadas, ele não poderá dizer que é "reduzido em colesterol", por exemplo. Esse tipo de anúncio positivo também não vai poder ocupar o mesmo espaço da lupa, que deve ter mais destaque.

Falta de atenção ao volante foi causa de 1/3 dos acidentes entre janeiro e junho de 2019
Foto: Divulgação

No primeiro semestre deste ano foram registrados 32 mil acidentes de trânsito, 2,5 mil mortes e 37 mil feridos. Os dados constam em um relatório da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) com base em informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

As principais causas de acidentes apontadas no documento foram a falta de atenção à condução, a ingestão de álcool, o sono ao volante, mal súbito, restrição da visibilidade e a ingestão de substância psicoativas. Essas causas juntas somam 16.107 registros de acidentes, quase a metade de todos os 32.068 contabilizados pela PRF. Essas seis causas também foram responsáveis por 988 óbitos e 18,7 mil feridos.

 

O fator que menos causou acidentes de trânsito foi a desobediência às normas de trânsito por pedestres, com um total de 176 casos registrados. 

 

Segundo a Abramet, nos últimos cinco anos 250 mil acidentes em rodovias foram motivadas pela condição de saúde dos motoristas. O relatório ainda destaca que durante o primeiro semestre de 2019 metade dos acidentes com vítimas nas rodovias brasileiras podem estar relacionadas com a saúde física e mental dos motoristas.

Policlínica Regional é inaugurada em Jacobina; número de unidades chega a 12 no estado
Foto: Manu Dias/GOVBA

A 12ª Policlínica Regional de Saúde foi inaugurada nesta quinta-feira (12) na cidade de Jacobina, no centro norte do estado. Ao todo 17 municípios integram o consórcio e serão beneficiados pelos serviços prestados na unidade de saúde nas especialidades de angiologia, cardiologia, endocrinologia, gastrenterologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia/obstetrícia, mastologia e urologia.

 

A implantação da unidade contou com investimento de aproximadamente R$ 23 milhões, entre obras e aquisição de equipamentos e micro-ônibus que farão o transporte dos pacientes. A policlínica contará com 67 profissionais entre médicos, enfermeiros, psicólogo, farmacêutico, nutricionista, ouvidor, assessores técnicos, assistente social, técnicos em enfermagem, técnicos em radiologia e assistentes administrativos.

 

As cidades integrantes do consórcio são Caém, Caldeirão Grande, Capim Grosso, Jacobina, Mairi, Miguel Calmon, Mirangaba, Ourolândia, Piritiba, Quixabeira, São José do Jacuípe, Saúde, Serrolândia, Umburanas, Várzea da Roça, Várzea Nova e Várzea do Poço.

Aulão de Cross Fit gratuito integra ação do Setembro Amarelo na academia Hammer
Foto: Divulgação

Acreditando que o esporte pode mudar a vida das pessoas, a Academia Hammer e a STM Cross Fit vão realizar um aulão especial de cross fit como uma ação integrante da campanha Setembro Amarelo, de prevenção ao suicídio. Neste sábado (14), a partir das 9h, na Hammer de Patamares, os coachs Ewerton Farias, Marlon Estrela e Alex Lima vão conduzir os treinos. 

 

"Esse tema é importante, chama muita atenção e a gente que trabalha com saúde precisa levantar essa bandeira", defendeu Ewerton sobre a importância da ação. 

 

O evento é aberto ao público, e a única exigência é a de ir com disposição e vestido de amarelo, cor que representa a campanha de prevenção a suicídio.

 

O suicídio é considerado um problema de saúde pública. Quase 800.000 pessoas cometem suicídio a cada ano. O número é maior do que das vítimas de guerra, homicídio ou câncer de mama, segundo um novo relatório da Organização Mundial da Saúde publicado nesta semana. O Brasil contabilizou 13.467 mortes em 2016, ano ao qual se referem os dados consolidados pelo estudo (leia mais aqui). 

Quinta, 12 de Setembro de 2019 - 14:20

Bahia registra aumento de 671% de dengue entre janeiro e setembro

por Francis Juliano

Bahia registra aumento de 671% de dengue entre janeiro e setembro
Foto: Reprodução / Rádio Santana FM

Do início do ano até o começo de setembro, a Bahia registrou 59,9 mil casos prováveis de dengue. Segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), o aumento é de 671% em relação ao mesmo período do ano passado. À época, 7,7 mil casos foram notificados. Entre janeiro e o começo de setembro deste ano ocorreram 29 mortes confirmadas por dengue, de um total de 71 óbitos suspeitos pela mesma enfermidade.

 

Das 29 mortes, Feira de Santana registrou 12, Salvador anotou 3, e Paulo Afonso, 2. Com um óbito vêm as cidades de Candeias, Rafael Jambeiro, Saubara, Jacobina, Paripiranga, Presidente Dutra, Santo Antônio de Jesus, Simões Filho, Candiba, Camaçari, Mulungu do Morro e Euclides da Cunha. No total, 379 cidades tiveram notificação para a dengue.


CHIKUNGUNYA

Em relação à chikungunya, a Sesab informou que foram notificados 5,6 mil casos prováveis entre janeiro e o início de setembro. No mesmo período de 2018, foram notificados 3,9 mil casos prováveis, o que representa um aumento de 41,8%. No total, 185 municípios tiveram notificação.

 

Em relação a óbitos causados pela doença, foram 8 óbitos no período. Três foram registrados em Madre de Deus (confirmados por critério laboratorial), 2 em Feira de Santana (confirmados por critério laboratorial), 2 em Candeias (1 confirmado por critério laboratorial e 1 confirmado por critério clínico epidemiológico), 1 em Salvador (confirmado por critério laboratorial).


ZIKA

Sobre zika, foram notificados cerca de 2 mil casos prováveis no estado. No mesmo período de 2018, foram notificados 1.188 casos prováveis, aumento de 72,6%. No total, 170 municípios realizaram notificação para esse agravo. Não há registro de óbitos pelo agravo neste período.

Pessoas que cochilam até duas tardes na semana reduzem risco de infartos, diz estudo
Foto: Reprodução/FreePik

A prática de cochilar durante a tarde pode reduzir os riscos de doenças cardiovasculares, de acordo com um estudo feito por pesquisadores da Universidade da Califórnia a partir da análise dos hábitos de 3.462 suíços, com idades entre 35 e 75 anos, durante cinco anos. Os resultados foram publicados na revista especializada "Heart" na segunda-feira (9).

 

Durante a pesquisa, os participantes responderam a questionários em que informaram sobre seus hábitos de descanso. A partir disso os pesquisadores relacionaram a redução de 48% no risco de doenças cardiovasculares, como o infarto, a cochilos "ocasionais" de cinco minutos a uma hora, uma ou duas vezes por semana.

 

No entando, é preciso ficar alerta para não exagerar. Segundo os pesquisadores, dormir demais pode ser um problema se aliado a maus hábitos de saúde. Isso porque, foi constatado que as pessoas que tiram o cochilo com frequência entre três e sete dias na semana, são mais propensos às doenças cardiovasculares, pressão e colesterol altos. O estudo concluiu que o perfil destas pessoas é de homens mais velhos, fumantes e acima do peso.

Quinta, 12 de Setembro de 2019 - 11:45

Viver Bem: Os cuidados no consumo e armazenamento das carnes

Viver Bem: Os cuidados no consumo e armazenamento das carnes
Foto: iStock

A gastronomia baiana é variada e nos últimos dias um prato peculiar foi notícia em veículos locais e nacionais. O “churrasco de baleia” (leia mais aqui), receita inspirada após o encalhe do animal em uma praia do subúrbio ferroviário, acendeu a preocupação sobre como as pessoas consomem e armazenam alimentos de origem animal.


As carnes são grande fonte de proteína, vitaminas e sais minerais, destacando assim sua importância na alimentação. Entretanto, é importante ressaltar que no estado in natura elas são altamente perecíveis. A nutricionista do Hapvida Saúde, Raquel Rodrigues, explica que as carnes de origem desconhecida podem gerar contaminação mesmo antes do abate e por isso o consumo e manuseio devem ser evitado.  


Entre as doenças que podem ser transmitidas por carnes contaminadas, Raquel pontua a zoonoses, especialmente a tuberculose, brucelose e a cisticercose; além das que são originadas de bactérias como a salmonela ou por parasitoses ou vírus.
 
COMO ESCOLHER?
Diante dos problemas que o consumo de uma carne contaminada pode trazer, certificar a qualidade do produto além de armazená-lo da maneira correta são fatores determinantes durante e após sua aquisição. “A qualidade da carne fresca pode ser assegurada avaliando fatores como a cor avermelhada sem pontos esverdeados, textura lisa e aroma. Observar a higiene do local de venda e dos manipuladores, verificar sinais de variação de temperatura para os congelados e preferir carnes com embalagens originais onde é possível identificar origem, data de validade e selos de certificação estão entre os pontos a serem analisados”, elucida a especialista.


Sobre a conservação da carne, Raquel pontua que a refrigeração deve ser a 4°C ou inferior, sendo o consumo feito em até 3 dias. Caso o consumidor opte pelo congelamento, a temperatura ideal é inferior a - 12 °C.

Quinta, 12 de Setembro de 2019 - 09:00

800 mil pessoas se suicidam todos os anos, uma a cada 40 segundos

por Matheus Moreira | Folhapress

800 mil pessoas se suicidam todos os anos, uma a cada 40 segundos
Foto: Divulgação

Quase 800.000 pessoas cometem suicídio a cada ano. O número é maior do que das vítimas de guerra, homicídio ou câncer de mama, segundo um novo relatório da Organização Mundial da Saúde publicado nesta segunda-feira (9). O Brasil contabilizou 13.467 mortes em 2016, ano ao qual se referem os dados consolidados pelo estudo. 

De acordo com a OMS, a taxa global de suicídios havia caído um pouco entre 2010 e 2016, embora o número de mortes tenha permanecido estável por conta do crescimento da população global.

"Apesar do progresso, uma pessoa ainda morre a cada 40 segundos por suicídio", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em comunicado, insistindo que "toda morte é uma tragédia para a família, amigos e colegas".

A taxa global de suicídios em 2016 -o último ano para o qual havia dados disponíveis- ficou em 10,5 por 100 mil pessoas. No mundo, as mortes de jovens por suicídio só perdem para aquelas no trânsito; em seguida, vêm aquelas por violência.

As taxas, porém, variaram amplamente entre países e regiões, com uma taxa de suicídio relativamente baixa em alguns lugares como o Chile (3,8 para cada 100 mil) e extremamente alta em outros, como a Guiana, que lidera esse inglório ranking, com uma taxa de mais de 30 por 100 mil.

O Brasil, essa taxa é de 6,1 a cada 100 mil mil mortes, abaixo da média mundial. Em todo o mundo, pessoas do sexo masculino têm uma propensão maior a se suicidar do que as do sexo feminino. No mundo, a taxa global de suicídios caiu quase 10% entre 2010 e 2016, com o Pacífico Ocidental mostrando declínios de quase 20% e o Sudeste Asiático registrando um declínio de apenas 4,2%. As Américas, enquanto isso, foram a única região que mostrou um aumento nos suicídios, com uma alta de 6% nos seis anos.

"Sabemos que na região das Américas o acesso a armas de fogo e armas é um importante meio de suicídio", disse Alexandra Fleischmann, da divisão de saúde mental da OMS, a repórteres em Genebra, em resposta a uma pergunta.

O declínio geral é explicado pelo fato de que vários países -38 no total- adotaram estratégias de prevenção ao suicídio, afirmou a OMS, enfatizando, no entanto, que muitos outros países devem seguir o exemplo.

Prevenção "Suicídios são evitáveis", disse Tedros, exortando "todos os países a incorporar estratégias comprovadas de prevenção de suicídio nos programas nacionais de saúde e educação de maneira sustentável".

Há um mito amplamente difundido de que o suicídio acontece de repente. Isso não é verdade. O suicídio é premeditado e os sinais de alerta são visíveis. Muitos deles se manifestam juntos. As mudanças de comportamento e problemas de conduta que se estendam por duas semanas ou mais, preocupação recorrente com a própria morte, falta de esperança, visão negativa sobre si, sua vida e sobre o futuro, são alguns dos indicadores mais recorrentes. 

A ideação suicida também costuma ser comunicada verbalmente, mas não é levada a sério. Frases como "vou desaparecer", "vou deixar vocês em paz", "eu queria poder dormir e nunca mais acordar" e "é inútil tentar fazer algo para mudar, eu só quero sumir" são comuns em casos que antecedem a tentativa de tirar a própria vida. 

Além disso, pessoas com ideias suicidas tendem a se isolar em casa, deixam de atender a ligações e de participar de atividades sociais as quais antes compareciam, além de interagir menos em redes sociais. 

Os métodos mais comuns de suicídio são enforcamentos, tiros e, especialmente nas áreas rurais, a ingestão de agrotóxicos. A maioria dos suicídios ocorre em países de baixa e média renda, onde vive a maioria da população global, mas as taxas são mais altas nos países mais ricos, segundo o relatório da OMS.

No Brasil, o Ministério da Saúde e o Centro de Valorização da Vida (CVV) tem cartilhas e sugestões de como abordar o assunto com pessoas que possam estar cogitando tirar a própria vida e como reagir em casos de urgência. Não julgar os sentimentos comunicados, por exemplo, é essencial para a prevenção. 

Procure um local confortável e calmo para falar com essa pessoa sobre suicídio. "Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio", diz a cartilha. Incentive a busca por ajuda profissional e se ofereça para a acompanhar essa pessoa na consulta. Se a pessoa que você acredita estar em risco more com você, garanta que ela não tenha acesso a meios para atentar contra sua vida. 

Caso acredite que essa pessoa está em risco iminente de suicídio, não a deixe sozinha. Busque imediatamente o CVV (188) e os serviços de emergência Samu (192).

Quarta, 11 de Setembro de 2019 - 19:00

Salvador amplia atendimentos a pacientes com doenças raras

Salvador amplia atendimentos a pacientes com doenças raras
Foto: Max Haack/Secom

O atendimento de pacientes com doenças raras, deficiência física e intelectual ou que necessitam de suporte psicossocial será ampliado em Salvador a partir de um convênio assinado nesta quarta-feira (11) entre a prefeitura, a Apae, Instituto Bahiano de Reabilitação (IBR), Núcleo de Atendimento à Criança com Paralisia Cerebral (NACPC) e o Centro Nzinga de Atenção à Saúde Mental da Mulher.

 

A parceria se deu a partir da abertura de um chamamento público e foi oficializada durante evento no Palácio Thomé de Souza, no Centro, e contou com as presenças do prefeito ACM Neto e do titular da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Leo Prates. Também estiveram presentes Davina Brandão, representante do Centro Nzinga; Tatiana Amorim, diretora técnica Serviços de Referências de Doenças Raras da Apae; Carlos Dumet, superintendente administrativo do IBR; Pedro Guimarães, presidente e fundador do NACPC; Derval Evangelista, presidente em exercício da Apae; e Geraldo Leite, presidente da Fundação José Silveira.

 

“Estamos nessa primeira etapa assinando contrato especificamente com as quatro entidades, somando investimento anual de R$ 33,5 milhões, que será importantíssimo para que a gente possa ampliar a atenção a pessoas com deficiência, inclusive pessoas com deficiência rara”, disse o prefeito ACM Neto.

 

O prefeito também destacou a relevância do serviço prestado pelo terceiro setor. “Há um alto de grau de desconhecimento em relação ao trabalho grandioso que as instituições fazem na cidade. Por isso, o poder público tem obrigação de dar todo o suporte e apoio. Em 2013, quando assumi a Prefeitura, a situação era difícil. Havia instituições com seis meses de atraso no pagamento. Elas próprias tinham que se virar para pagar os serviços que eram prestados. Conseguimos mudar essa realidade”, disse.

Hemoba alerta para baixo número de doações entre jovens baianos de 15 a 19 anos
Foto: Reprodução/Thinkstock

Apesar de o estado da Bahia somar mais de 1,3 milhão de jovens com idade entre 15 e 19 anos, a Fundação Hemoba alega que menos de 10 mil baianos desta faixa etária se candidataram a doar sangue neste ano. O entidade ainda alerta que o número de doadores menores de idade é ainda mais baixo. O Hemoba recebeu em 2019 apenas 637 adolescentes entre 16 e 17 anos interessados na doação.

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o ideal para garantir os estoques de sangue e a demanda transfusional seria de que pelo menos 3% da população fosse doadora regular. Pelos cálculos do Hemoba, se a meta fosse alcançada, somente entre o público de 16 a 20 anos a Bahia somaria muito mais que 10 mil candidatos, a realidade seria de quase 40 mil em 2019.

 

A hematologista Aline Dórea, coordenadora médica da coleta de sangue de doadores da Fundação Hemoba, vê e defende a necessidade de sensibilizar o público jovem. “Quando um jovem entende a importância da doação de sangue, a causa ganha um mobilizador importante que, através das redes sociais e convívio, consegue sensibilizar outras pessoas se tornando além de doador, um agente importante para transformar nossa realidade. Isso estimula a cultura da doação espontânea e regular", destacou Aline.

 

A coordenadora de captação de doadores Iara Matos, destaca que Fundação Hemoba vem realizando projetos de sensibilização com o público jovem. “Existe um trabalho contínuo que já mostra bons resultados. Programas como o Doador do Futuro e Universidade Cidadã são bons exemplos. Levamos o conhecimento para o público e com isso plantamos sementes que no futuro darão bons frutos", disse ao lembrar que a Fundação Hemoba também possui parcerias com a comunidade escolar, a fim de sensibilizar pais, alunos, professores e lideranças de bairro.

 

"Apesar da realização constante de ações, ainda sentimos falta de adesões. A atuação deste público pode mudar positivamente nosso quadro de doação, que normalmente fica abaixo do esperado", completou Iara Matos.

 

Doar sangue é um ato simples e seguro que geralmente não consome muito tempo dos voluntários. Com uma média de 40 minutos por atendimento, o doador não tem um desgaste físico considerável, estando apto para qualquer atividade em 24h. Atualmente a Fundação Hemoba dispõe de quatro unidades em Salvador, 21 espalhadas no território baiano e três unidades móveis que realizam a captação de doadores em pontos estratégicos no estado.

 

Homens podem doar até quatro vezes por ano, tendo um intervalo mínimo de dois meses.  As mulheres podem doar em até três ocasiões de três em três meses. Para doar, é importante o voluntário estar descansado, ter dormido pelo menos seis horas, estar alimentado, evitar comidas gordurosas nas últimas quatro horas, não ter fumado por duas horas e não ingerir bebida alcoólica nas últimas 12 horas.

Michigan proíbe cigarro eletrônico com sabor para proteger jovens em emergência de saúde
Foto: Reprodução/ShutterStock

O uso de cigarros eletrônicos com sabor foi proibido pelo governo do estado americano do Michigan na última semana. A justificativa da governadora do estado, Gretchen Whitmer, para a proibição é de que a medida servirá para proteger os jovens dos efeitos nocivos do produto.   

 

Na semana passada autoridades dos Estados Unidos registraram crescimento no número de casos de doenças pulmonares associadas ao uso de cigarros eletrônicos no país. O número de casos possíveis saltou para 450 em 33 estados, com três mortes confirmadas e uma quarta possível (entenda melhor aqui).

 

A governadora Whitmer também apontou que o uso de sabores pelos fabricantes contribuem para viciar jovens em nicotina. O estado proibiu os cigarros sabor menta e suas variações. Estão liberados os cigarros eletrônicos com sabor de tabaco.

 

De acordo com o G1, a decisão foi tomada depois da análise do uso entre adolescentes e como uma resposta ao marketing das fabricantes que, segundo a governadora, têm como alvo os mais jovens.

 

Whitmer ainda manifestou a pretensão de proibir propaganda ou marketing que divulgue os produtos com palavras como seguro ou limpo ou saudável. As regras vão entrar em vigor nos próximos meses.

Quarta, 11 de Setembro de 2019 - 14:00

Casos de dengue crescem 599% em oito meses e Ministério da Saúde lança nova campanha

por Matheus Moreira | Folhapress

Casos de dengue crescem 599% em oito meses e Ministério da Saúde lança nova campanha
Foto: Divulgação

O número de casos de dengue, zika e chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, aumentou no Brasil; ao todo, 650 pessoas morreram entre 30 de dezembro de 2018 e 24 de agosto de 2019. A região Sul foi a que teve o maior aumento percentual de novos casos das três doenças. 

A dengue apresentou o maior aumento -neste ano 1.439.471 pessoas foram diagnosticadas entre janeiro e 24 de agosto, alta de 599,5% em relação ao mesmo período de 2018. A taxa de incidência da doença foi de 690,4 casos por 100 mil habitantes. Foram registradas 591 mortes. 

São Paulo foi o estado com o maior aumento registrado, 3.712%, seguido pelo Paraná, com 3.563%. Já os casos de chikungunya passaram de 76.742 no ano passado para 110.627 em 2019, com taxa de 53,1 casos para cada 100 mil pessoas. O estado com a maior variação percentual foi Alagoas, 1.011%, um salto de 138 casos para 1.534.

Quanto aos casos de zika, o crescimento registrado no país foi de 47,1%, tendo sido contabilizados 9.813 episódios e 2 mortes. A taxa de incidência é de 4,7 casos por 100 mil habitantes. O estado com maior aumento percentual foi o Rio Grande do Sul, com 1.083%. 

Nesta quarta (11) o Ministério da Saúde lançou uma nova campanha publicitária de conscientização para combater o mosquito transmissor. "O objetivo é conscientizar os gestores estaduais e municipais de saúde e toda a população sobre a importância de se organizar antes da chegada do período chuvoso no combate aos criadouros do mosquito", diz o comunicado do ministério. 

A campanha foi adiantada para setembro devido ao aumento no número de casos antes mesmo do período de chuvas e da chegada do verão. O Aedes aegypti prolifera por meio dos ovos das fêmeas depositados em paredes de objetos e em locais próximos à água parada. Para que uma pessoa tenha dengue, zika ou chikungunya, ela precisa ser picada pela fêmea do mosquito, que necessita de sangue para que os ovos possam amadurecer. 

Para eliminar focos de reprodução do mosquito e, portanto, da doença, lave com escova e sabão os pratinhos de plantas em que não há areia e que tiveram acúmulo de água. Apenas jogar a água fora não é suficiente. O ideal é lavar esses objetos uma vez por semana. 

Além disso, não deixe destampados jarras, garrafas, potes e baldes com água e sempre lave-os com sabão. No caso das garrafas sem uso, embale-as e guarde-as de cabeça para baixo ou em locais cobertos. Embale e jogue no lixo objetos que possam acumular água e mantenha a caixa d'água fechada e com tampa. O lixo e a lixeira devem ser bem fechados; não os descarte em terrenos baldios ou em locais em que não há recolhimento pelos órgãos públicos. 

Ministério da Saúde abre seleção de projetos de pesquisa para aprimoramento do SUS
Foto: Ilustrativa/Jade Coelho/Bahia Notícias

Estão abertas as inscrições de projetos de pesquisa com o objetivo de aprimorar o Sistema Único de Saúde (SUS). A seleção foi aberta pelo Ministério da Saúde e anunciada nesta segunda-feira (9), através do Departamento de Ciência e Tecnologia, vinculado à Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde.

 

Os trabalhos deverão ser inscritos para apreciação até 14 de outubro. De acordo com o anúncio, o investimento é de 45,2 milhões de reais e será dividido entre as temáticas: doenças raras, alimentação e nutrição, cuidados à pessoa com deficiência, doenças transmissíveis e negligenciadas e uma específica para malária.

 

“Queremos soluções práticas. Esse é um recurso destinado às pesquisas sobre doenças que interessam ao SUS. Buscamos soluções focadas em produtos dos quais o Brasil precisa, sobre as nossas doenças, nossa realidade”, afirma o Secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Denizar Vianna Araújo.

 

Os resultados das pesquisas selecionadas serão apresentados aos gestores do Ministério da Saúde para que aprimorem as políticas públicas e que a sociedade tenha acesso a novas tecnologias em saúde.

Crescem casos de doenças pulmonares em decorrência do cigarro eletrônico nos EUA
Foto: Reprodução/El Periodico

Os Estados Unidos registraram crescimento no número de casos de doenças pulmonares associados ao uso de cigarros eletrônicos no país. De acordo com informações anunciadas pelas autoridades federais de saúde na última semana, o número de casos possíveis saltou para 450 em 33 estados, com três mortes confirmadas e uma quarta possível.

 

Em um editorial publicado na revista acadêmica The New England Journal of Medicine, o médico David Christiani, integrante da Escola T.H. Chan de Saúde Pública, da Universidade Harvard, afirmou que "existe claramente uma epidemia que pede por uma resposta urgente".

 

O alerta do médico David Christiani foi reforçado por funcionários do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês). "Enquanto prosseguem as investigações, as pessoas deveriam considerar deixar de lado os cigarros eletrônicos", disse a médica Dana Meaney-Delman, responsável pela investigação do CDC sobre a doença.

 

Dirigentes do CDC dizem acreditar que algum "produto químico" esteja envolvido como causa, mas não identificaram um único "aparelho, produto ou substância" responsável, disse Meaney-Delman.

 

A publicação do The New England Journal of Medicine sobre o tema também reforça que ainda não estão comprovadas quais substâncias no "vaping" estavam causando estrago. Os fluidos dos cigarros eletrônicos contêm, só eles, "pelo menos seis grupos de compostos químicos potencialmente tóxicos", destacou a publicação de acordo com a Folha de S. Paulo.

Quarta, 11 de Setembro de 2019 - 00:00

Bahia enfrenta problema de desabastecimento de vacina pentavalente

por Jade Coelho

Bahia enfrenta problema de desabastecimento de vacina pentavalente
Foto: Divulgação

A Bahia tem enfrentado problema de desabastecimento da vacina pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e hemófilo B. A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), que recebe a imunização do Ministério da Saúde e repassa para as gestões municipais, reconhece um problema no recebimento de lotes do imunizante e atribui a responsabilidade ao governo federal.

 

“A Sesab esclarece que realmente há um desabastecimento da vacina pentavalente. Os envios são feitos pelo Ministério da Saúde”, esclareceu a pasta em nota enviada ao Bahia Notícias.

 

Em 11 de julho o laboratório "Biologicals E. Limited", responsável pela produção e importação das vacinas utilizadas no Brasil, de origem indiana, teve três lotes do imunizante interditados a partir de uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com o documento, a interdição se deu "considerando os resultados insatisfatórios no ensaio de aspecto conforme evidenciado nos laudos de análise", feitos pela Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde. Na publicação a medida ainda foi classificada como "de interesse sanitário" (entenda aqui).

 

Dias depois, após resultados de inspeções considerados insatisfatórios a Anvisa determinou, "como medida de interesse sanitário", a suspensão da importação, distribuição e uso da vacina pentavalente produzida pelo laboratório indiano (saiba mais aqui).

 

Em Salvador, a falta da vacina pentavalente fez com que a produtora cultural Karolina Duarte, de 31 anos, passasse por cinco postos de saúde da capital baiana até conseguir imunizar o seu bebê de dois meses no posto de Amaralina. “Estive em vários postos, na Mata Escura, Tancredo Neves, Saboeiro, na frente do Fórum Rui Barbosa, na Engomadeira e não tem e eles informam que não tem previsão de chegada”, relatou Karolina que teme pelas próximas doses. 

 

Ao BN, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) alegou a existência de um desabastecimento nacional das vacinas pentavalente. Salvador recebeu do Ministério da Saúde o último repasse no mês de julho, segundo a pasta.

 

A secretaria ainda destacou que apesar do baixo estoque, a capital ainda conta com o imunizante em alguns postos dos distritos Barra/Rio Vermelho, Subúrbio Ferroviário e Liberdade. "Há previsão de abastecimento do estoque do Ministério para novembro, que será posteriormente dispensado para todo o país. O secretário Leo Prates fez contato direto com o governo federal destacando a necessidade de recomposição das doses para o município de Salvador, evitando assim o desabastecimento total das vacinas", afirmou em nota a SMS.

Prefeitura convoca 18 novos profissionais de saúde aprovados em concurso
Foto: Reprodução / Correio

O Diário Oficial do Município (DOM) desta terça-feira (10) trouxe a lista com a convocação de 18 novos profissionais aprovados em concurso público para atuarem na Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Foram convocados quatro enfermeiros, três farmacêuticos, um fisioterapeuta, dois odontólogos, um auxiliar de saúde bucal, um técnico de saúde bucal e seis técnicos de enfermagem.

 

De acordo com a SMS, somada a publicação desta segunda-feira (9) do Diário, Salvador contabiliza 59 novos profissionais convocados em dois dias para compor as equipes das unidades básicas e de saúde da família.

 

Os convocados deverão se apresentar na sede da Secretaria Municipal de Gestão (Semge), nos Barris, no prazo de 15 dias corridos da data da publicação, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 16h. Para assinatura dos contratos, os candidatos deverão apresentar carteira de identidade, CPF, Pis/Pasep, carteira de trabalho, título de eleitor, comprovante de votação na última eleição e comprovante de residência, dentre outros documentos cuja lista pode ser conferida no site www.dom.salvador.ba.gov.br.

Desde rompimento de barragem, Brumadinho tem alta em suicídios e prescrição de remédios
Foto: Reprodução/EBC

Desde o rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, a cidade mineira registrou crescimento de suicídios e tentativas, principalmente entre mulheres. Segundo reportagem do Estadão, a situação reflete a deterioração na saúde mental da população, comprovada pelo também crescimento no número de prescrições de antidepressivos e ansiolíticos (medicamentos para controlar ansiedade e tensão).

 

A cidade mineira contabilizou durante os primeiros seis meses deste ano 39 tentativas de suicídio, sendo 11 entre homens e 28 entre mulheres, 9 casos a mais do que no mesmo período de 2018. Em relação aos suicídios, o número passou de um, em 2018, para 3 este ano, conforme apurado pelo Estadão.

 

“São mulheres que perderam filhos e marido. A sensação de perda para elas é maior para ressignificar a vida”, disse o secretário municipal de Saúde de Brumadinho, Junio Araújo Alves. “Essa é uma face do adoecimento mental da população. Estamos trabalhando para evitar um quadro ainda pior.”

 

Quanto a prescrição e utilização de remédios antidepressivos os dados da prefeitura obtidos pelo Estadão revelaram que o uso de antidepressivos por pacientes da rede pública de saúde foi, em agosto de 2019, 60% maior que no mesmo período do ano passado. Em relação aos ansiolíticos, o crescimento foi ainda maior: de 80%.

Histórico de Conteúdo