Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 15 de Setembro de 2020 - 12:00

Com autorização da prefeitura, banda fará show em bar de Salvador neste final de semana

por Júnior Moreira Bordalo

Com autorização da prefeitura, banda fará show em bar de Salvador neste final de semana
Foto: Divulgação

O prefeito ACM Neto autorizou na última semana a liberação e o funcionamento dos cinemas, teatros e centros de convenções em Salvador, como mais uma parte de flexibilização na fase 3 da retomada das atividades na capital baiana (veja aqui). Porém, a ação precisa seguir alguns critérios, como limite de público e distância entre as mesas para evitar a propagação do novo coronavírus.

 

Pensando nisso, a banda Isqueminha agendou uma show no próximo sábado (19), a partir das 18h30, no Pai Inácio, que fica na Vila Jardim dos Namorados, na Pituba. “A ansiedade é muito grande, porque a gente vinha de um verão intenso e parou do nada. Sabemos que o momento ainda inspira cuidados e temos certeza de que os protocolos serão todos cumpridos, para que possamos ir voltando aos poucos”, contou vocalista Gabriel Levy.

 

Contudo, para que isso ocorra, em outra recente entrevista, o gestor municipal firmou que a autorização da volta de apresentações em bares e restaurantes acontece apenas para voz e violão. Festas com muitos músicos seguem proibidas. "Show com banda é sem cogitação. Nem banda eletrônica e nem de percussão. Voz e violão é uma pessoa cantando e tocando ou uma pessoa cantando e outra tocando violão. Acima disso, é banda”, lembrou o prefeito (veja aqui).

A última live do Isqueminha no YouTube contou com, além do cantor, mais dois músicos, o que já se configuraria como banda. Contudo, ao Bahia Notícias, a assessoria da equipe baiana falou do novo contexto: "O som do Isqueminha é sampleado. A banda já não existe, na verdade. Não é uma banda de 10 músicos, como a maioria. Gabriel é multi-instrumentista e ele grava as bases antes. Por isso o nome é Isqueminha, 'pois é o esquema dele'. Em uma situação normal, como Carnaval, a banda é só ele e mais dois. Agora será ele e mais um. Tudo executado ao vivo, mas com base gravada". O couvert para o evento custa R$ 10.

Histórico de Conteúdo