Segunda, 30 de Dezembro de 2019 - 11:10

Bruno Reis

por Matheus Caldas

Bruno Reis
Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

Vice-prefeito de Salvador e favorito para ser o candidato escolhido por ACM Neto (DEM) para sucedê-lo na prefeitura, Bruno Reis (DEM) afirma que há “chance zero” de ele e Leo Prates (sem partido) serem concorrentes na eleição municipal do próximo ano (leia mais aqui). “O que eu posso dizer é que há chance zero de ocorrer uma disputa pela prefeitura de Salvador em que Leonardo Prates e Bruno Reis estejam concorrendo. Chance zero. A possibilidade não existe de ambos concorrem”, garantiu.

 

Neto, inclusive, marcou o anúncio do candidato do DEM à prefeitura para a próxima segunda-feira (6), no Dia de Reis. Seria um indicativo de que o nome de Bruno Reis será o anunciado? Para ele, é apenas uma coinciência. “Eu acho que foi uma coincidência do calendário com os compromissos profissionais do prefeito (risos). Na verdade, até quando ele estabeleceu essa data, nem mesmo ele imaginava ou levou em consideração que dia 6 era Dia de Reis. É uma mera coincidência”, avaliou.

 

Dentre outros assuntos, o vice-prefeito falou sobre a relação de articulação que deve ter com os partidos da base, caso seja escolhido como candidato pelo grupo, e disse desconhecer um acordo entre Neto e o governador Rui Costa (PT) para uma votação da Reforma da Previdência nos Legislativos municipal e estadual sem grandes intervenções da oposição.

 

Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

 

A Secretaria de Infraestrutura foi a vitrine perfeita para uma pessoa que é citada como pré-candidata a prefeito da capital baiana?

A Seinfra foi sinônimo de muito trabalho. Transformamos a cidade num canteiro de obras. São obras em todos os bairros que estão mudando e transformando a cara e a vida das pessoas, trazendo, principalmente, qualidade de vida. Obras, quando na sua execução, geram empregos e, depois, deixam benefícios permanentes, dentro da estratégia da prefeitura de sempre ser um estímulo a criar oportunidades de novos negócios.

 

Sua presença como iminência parda das articulações políticas de ACM Neto é citada com frequência. Você segue fazendo conversas com partidos para eleições de vereadores em Salvador? Quais partidos devem compor o arco de alianças em torno do candidato do prefeito?

Minha história na vida pública, meus princípios, meus valores, minha forma de proceder me permitem dialogar com todos os partidos que compõem a nossa aliança e, inclusive, com perspectivas de poder trazer novos apoios de outros partidos que querem contribuir com o projeto que vem dando certo em nossa cidade. A partir do momento que o prefeito se decidir e me comunicar qual foi sua decisão, e caso eu venha a ser escolhido, eu irei, sim, iniciar esse processo de articulação e conversa com todos os partidos.

 

Neto disse que irá anunciar o candidato a prefeito dele no dia 6, data em que será comemorado o Dia de Reis. É um indicativo de que o nome anunciado será o de Bruno Reis?

Eu acho que foi uma coincidência do calendário com os compromissos profissionais do prefeito (risos). Na verdade, até quando ele estabeleceu essa data, nem mesmo ele imaginava ou levou em consideração que dia 6 era Dia de Reis. É uma mera coincidência.

 

Leo Prates iminentemente é o nome do PDT para disputar a prefeitura de Salvador. Assim como o senhor, ele goza de grande prestígio com o prefeito ACM Neto. O que se diz é que, caso Neto anuncie seu nome como o candidato do DEM para o Palácio Thomé de Souza, o PDT manterá a pré-candidatura de Prates. Como o senhor avalia esse movimento? Não há risco de haver uma pulverização dos votos?

O que eu posso dizer é que há chance zero de ocorrer uma disputa pela prefeitura de Salvador em que Leonardo Prates e Bruno Reis estejam concorrendo. Chance zero. A possibilidade não existe de ambos concorrem.

 

Líder da oposição na Câmara Municipal, Sidninho disse desconhece um acordo que teria sido firmado entre o prefeito ACM Neto e o governador Rui Costa para votar a reforma da Previdência nos Legislativos municipal e estadual sem crítica de adversários. Num ano eleitoral, como a prefeitura pretende lidar com esse tipo de discordância entre blocos na Câmara?

Eu também desconheço esse acordo. O prefeito ainda está avaliando o envio desses ajustes da reforma da Previdência. Até onde tenho conhecimento, são exigências a partir, principalmente, da reforma aprovada no Congresso Nacional, para que, tanto o município quanto o estado, possam se habilitar para terem acesso a recursos em parceria com outros entes federativos. Então, acho que, num processo como esse, tem que ocorrer um diálogo com todos os segmentos, inclusive com a participação da oposição. Se for essa a decisão do prefeito de encaminhar a reforma da Previdência para a Câmara Municipal, eu tenho certeza que será um processo de construção, como foram até então as aprovações de todas as outras matérias que nós enviamos ao Legislativo.

 

Neto evita falar de quem sairia como vice-prefeito para 2020. Ele já te deu alguma sinalização de que caminho pode ser percorrido?

Ainda não deu sobre o prefeito, que dirá sobre vice (risos). Eu sempre dou o meu exemplo. Fui escolhido vice no dia 4 de agosto às 22h. A convenção era no dia 5 às 9h. Então, após a escolha do prefeito, vai se iniciar um processo de debate com todos os partidos que compõem a aliança, com outros partidos que têm o desejo de compor, sobre as definições do vice. E passam sempre por uma série de fatores que serão levados em consideração, tanto pelo prefeito ACM Neto, que é o grande condutor da sua sucessão, como também por, eventualmente, pelo candidato escolhido.

 

Para 2020, a prefeitura prevê uma série de entregas de obras. Durante essas entregas, a partir do início do período eleitoral, você não poderá participar delas. Você acredita que sua imagem está consolidada com a paternidade de alguns desses projetos?

A partir de 3 de julho, se for o candidato, a legislação eleitoral veda a participação nas inaugurações. Agora, o mais importante é um sentimento que há hoje na cidade, que não é fruto só desse meu trabalho como secretário de obras, é fruto de uma vida de 20 anos de parceria ao lado do prefeito ACM Neto, ajudando ele a tocar todos os projetos na sua vida pública, em especial a gestão da prefeitura de Salvador. Esse sentimento a população tem. E, em 2019, a gente passou a ter um reconhecimento disso em cada lugar que a gente visitava, em cada bairro, em cada inauguração, em cada início de obra, de lançamento de projeto ou programa. A gente percebia nas pessoas um sentimento de que esse é um trabalho de um grupo e que, por mais que tenhamos o melhor prefeito do Brasil, todos, desde o prefeito ao funcionário que está ali executando a obra, todos são responsáveis pelo sucesso dessa administração. 

 

Ainda que não tenha havido o aviso oficial, nos bastidores seu nome é citado como a grande aposta do prefeito ACM Neto para a eleição. Seu perfil de articular, inclusive, é considerado um ponto a favor no processo de discussão eleitoral. Costurar alianças nessa condição de favorito é mais complicado?

Se esse favoritismo se confirmar, se torna muito mais fácil. É natural na vida pública que a expectativa de poder facilite as conversas, os diálogos, e a construção das alianças. Então, se vier a confirmar um favoritismo, seja de qual for o candidato, isso ajuda você a construir os apoios, afinal de contas é natural que os atores políticos queiram fazer parte de um projeto para depois ter condições de colocar em prática suas ideias, seus pensamentos, e poder trabalhar para ajudar mudar e transformar a vida das pessoas.

Histórico de Conteúdo