Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sexta, 26 de Novembro de 2021 - 17:55

‘Encontros Tropicais’ trará história do movimento negro por meio da música

por Mavi Maldari / Alexandre Portela

‘Encontros Tropicais’ trará história do movimento negro por meio da música
Foto: Sércio Freitas / BN Hall

“Encontros Tropicais: Frequências do Gueto” traz, nesta sexta-feira (26), artistas negros da cena musical brasileira contando a história do movimento negro do Brasil por meio da música. O encontro, que acontece na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, será transmitido ao vivo pelo canal BIS e pelo canal da Devassa no YouTube (Devassa).

 

Na coletiva de imprensa, o BN Hall teve a oportunidade de ouvir alguns dos cantores que marcam presença nesta noite, como Carlinhos Brown, Larissa Luz e Rafa Dias, do grupo ÀTTØØXXÁ. 

 

“Contemplar a música negra brasileira num espetáculo de duas horas é quase que impossível, pois nossa música é essencialmente negra, então é muito difícil fazer um resumo disso tudo nesse tempo de espetáculo. Eu curti os recortes porque acho que, de uma forma geral, trouxemos pontos bem relevantes e artistas importantes na construção dessa narrativa, como a historia de Dona Ivone. São momentos importantes politicamente e musicalmente da história do povo negro brasileiro, então esse show, além de uma releitura contemporânea de clássicos da música brasileira, traz discurso, corpo, vivência e também traz a história da periferia pro centro de tudo”, defendeu Larissa Luz.

 

Sobre a representatividade do gueto e a comercialização do movimento, Carlinhos Brown explica: “O gueto é grande, e essa grandeza surge em comunidades oriundas de várias etnias, etnias essas que precisam se compreender. Todos aqui da Bahia sabem o quanto eu sou gueto, e o quanto nós somos gueto. […] Essa união se fortalece muito hoje para que as cadeias comerciais do Brasil possam verdadeiramente fazer um levante, não só nos utilizando como consumidor, mas como partícipes do movimento econômico, e acho que é isso tudo que vamos propor hoje com nossa música”.

 

Rafa Dias, do ÀTTØØXXÁ, explica que “a proposta dessa primeira edição é homenagear as mulheres do samba, fazendo de um jeito que comunique essa nova linguagem dos tempos de hoje”. O artista acredita que o público vai sentir a energia que os artistas querem proporcionar desse momento do samba.

 

O show será separado em três atos, comecando pelo primeiro: Samba. Nele, sambas clássicos de Dona Ivone, Lara e Ceci Brandão serão interpretados pelas vozes dos afitriões Carlinhos Brown, Larissa e Rafa.

 

O segundo ato é: Black Music, trazendo o soul da música negra dos anos 70 e 80, com WD e Jéssica Eleen, que se unem aos anfitriões para cantar sucessos de Cassiano, Tim Maia e Jorge Ben Jor.

 

O terceiro e último ato, 1990, promete profusão de ritmos, do funk carioca ao pagodão, do rap, ao trap e ao afrobeats que explode atualmente nas periferias.

Histórico de Conteúdo