Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 21 de Setembro de 2021 - 17:23

Suspenso: Em votação secreta, deputados aprovam punição a Capitão Alden

por Mari Leal

Suspenso: Em votação secreta, deputados aprovam punição a Capitão Alden
Foto: Bahia Notícias

Os deputados baianos aprovaram, na tarde desta terça-feira (21), por 49 a 4 votos, o parecer da Comissão do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) que defende a suspensão, pelo prazo de 30 dias, do mandato do de deputado Capitão Alden (PSL). A punição resulta de uma acusação feita pelo parlamentar, segundo a qual os parlamentares da bancada de oposição receberiam propina de R$ 1,6 mi da prefeitura de Salvador (reveja). Alden não compareceu presencialmente à sessão. 

 

Durante a sessão, os líderes das bancadas de situação e oposição encaminharam os membros pelo voto favorável. O líder governista, Rosemberg Pinto (PT), relatou ter sido procurado por membros da bancada nos últimos dias, tendo recebido sugestão para apreciação de punição paralela a aprovada pelo parecer do conselho, em função das reiteradas posturas de Alden. O parlamentar voltou a citar a “generosidade” da bancada governista.

 

O petista Robinson Almeida, em um pedido de “questão de ordem”, manifestou insatisfação com o curto período da punição dedicada ao bolsonaristas. No plenário, ele defendeu uma revisão das punições disposta no Regimento Interno. O presidente do colegiado, deputado Marquinho Viana (PSB) já havia comentado a necessidade de alterações (reveja).

 

“Eu temo que a gente não crie um precedente de impunidade nessa Casa. O respeito aos pares é a base de sustentação dessa Casa. O que aconteceu no caso do Capitão Alden foi desrespeitar os pares desta Casa”, manifestou-se Bira Corôa (PT), corroborando a fala do colega de bancada. 

 

Com a suspensão, Alden permanecerá, no tempo estabelecido, sem direito a voto e fala em plenário. Será nulo também qualquer ato, documento, proposta ou requerimento que, porventura, seja assinado no período. Alden também fica sem direito a remuneração e acesso às verbas de gabinete, no entanto, os assessores do parlamentar, nomeados na Casa por meio do gabinete, seguem com o recebimento normal dos vencimentos (saiba mais). 

Histórico de Conteúdo