Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Sexta, 20 de Agosto de 2021 - 12:25

Residência da Ufba: Reis insiste em 'responsabilidade' ao revisar tombamento

por Gabriel Lopes

Residência da Ufba: Reis insiste em 'responsabilidade' ao revisar tombamento
Foto: Gabriel Lopes / Bahia Notícias

Em conversa com a imprensa na manhã desta sexta-feira (20), o prefeito Bruno Reis (DEM) foi questionado sobre o imbróglio entre a Universidade Federal da Bahia (Ufba) e a prefeitura, sobre o tombamento da Residência Universitária 1. O gestor afirmou que, no seu entendimento, "cada ente federativo tem responsabilidade sobre o seu patrimônio".

 

Nesta semana, a Universidade Federal da Bahia (Ufba) protestou sobre o decreto da prefeitura de Salvador que retirou o tombamento da Residência Universitária 1, localizada na Vitória (leia mais aqui).

 

"Cabe a prefeitura tombar o patrimônio municipal e todo patrimônio da cidade. Ao governo estadual os estaduais e ao governo federal, os imóveis federais. Não é responsabilidade da prefeitura educação superior", disse Bruno Reis durante a assinatura da ordem de serviço para recuperação do Memorial das Baianas.

 

"O entendimento do prefeito é que não devemos ter responsabilidade sobre o patrimônio que é de cada ente federativo. Se Residência Universitária quer ser tombada, pede a União para tombar", finalizou o gestor.

 

Na quarta-feira (18), a gestão municipal já havia justificado que a revogação foi por se tratar de um patrimônio federal.

 

“Sobre o tombamento da Residência Universitária da Universidade Federal da Bahia (Ufba), localizada no Corredor da Vitória, a Prefeitura de Salvador informa que o ato foi desfeito por entender que, como o imóvel trata-se de um patrimônio federal, a decisão sobre esta iniciativa cabe à União”, diz nota da prefeitura enviada ao Bahia Notícias (relembre aqui).

 

A Universidade, no entanto, discorda da justificativa apresentada pela prefeitura.

 

“A UFBA entende que não há qualquer impedimento legal ao tombamento do imóvel pelo Município pelo fato de este pertencer a uma autarquia federal. Composto pelo casarão, jardins e encosta, o conjunto arquitetônico da R1 tem características da arquitetura eclética do início do século XX - sendo, portanto, um raro exemplar remanescente entre tantos prédios históricos abandonados ou demolidos no Corredor da Vitória ao longo das últimas décadas”, diz em nota.

Histórico de Conteúdo