Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Católico, Joceval diz não votar contra veto de Neto à proibição do arrastão e volta atrás
Foto: Jade Coelho / Bahia Notícias

Vereador católico da Câmara de Vereadores, Joceval Rodrigues (Cidadania) não afirmou categoricamente que não votaria contra o veto total do prefeito ACM Neto (DEM) à proibição do arrastão na Quarta-Feira de Cinzas (leia mais aqui). No entanto, após a publicação da matéria que apontava a votação a favor do veto, o vereador preferiu explicitar seu posicionamento: "Eu voto contra o veto, porque o projeto tem um cunho religioso. Sobre a constitucionalidade, CCJ já julgou".

“Eu sou a favor de que se respeite a Quarta-Feira de Cinzas. Agora, não sou contra Monique [exemplo dado pelo vereador] pegar o marido, os filhos, a família toda e ir para o arrastão. A igreja trabalha com quem opta pela nossa fé”, explicou, em entrevista ao Bahia Notícias.

O parlamentar relembrou que não participa do festejo que sucede o Carnaval. “Eu comungo da fé católica e nós não andamos em arrastão. Agora, isso não é uma coisa que me tome o tempo, porque nós já não vamos. Nós não participamos de festejo. O Carnaval acaba na terça. Na quarta se inicia a Quaresma. Para mim, como católico, é muito importante guardar a quarta de cinzas, pois é o início de um processo muito significativo para nós católicos, pontuou. 

Líder do governo na Casa, Paulo Magalhães Júnior (PV) garantiu que “a base vai manter esse veto”. “Nenhum vereador da base me procurou para dizer que vai votar contra”, sinalizou. “À exceção do [Henrique] Carballal (PV), que disse que ia trabalhar para derrubar. Mas eu não acredito que ele consiga”, acrescentou.

Nesta segunda-feira (25), em entrevista ao Bahia Notícias, Carballal afirmou ter “muita esperança” em conseguir derrubar o veto promovido pelo prefeito. Ele é o autor do projeto que proibiria o arrastão, aprovado pela Câmara em setembro (leia mais aqui).

Embora Joceval tenha indicado que não se preocupava com o veto, grupos católicos protestaram para que fosse sancionada a manifestação. No dia das comemorações pela canonização de Irmã Dulce, inclusive, manifestantes fizeram um ato no Dique do Tororó (leia mais aqui).

Procurado pela reportagem do BN, o presidente da Casa, Geraldo Jr. (SD) informou que o veto ainda não tem data para ser apreciado em plenário. (Atualizado às 10h51)



Histórico de Conteúdo