Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Morre Paulinho Camafeu, um dos pais da Axé Music, aos 73 anos
Foto: Reprodução / Instagram

O cantor e compositor Paulinho Camafeu, de73 anos, teve a morte confirmada na noite da última segunda-feira (29).

 

Paulinho, que é compositor de grandes hinos da Axé Music, como 'Ilê Aiyê (Que Bloco é Esse?)' e 'Afoxé Badauê', estava internado desde o dia 23 de novembro após sofrer um infarto durante o tratamento de hemodiálise.

 

Após uma campanha nas redes sociais divulgada pelo jornalista Osmar Marrom, o artista conseguiu ser transferido para o Hospital do Subúrbio, no entanto, seu quadro já era considerado grave.

 

Camafeu sofreu uma parada cardíaca e precisou ser intubado, não resistindo ao procedimento e falecendo 4 dias após sua intubação.

 

O artista é considerado um dos precursores da Axé Music ao lado de nomes como Luiz Caldas. Camafeu é responsável por um dos grandes sucessos de Luiz Caldas, a canção Fricote, e era conhecido pela irreverência em suas composições, apresentando músicas de duplo sentido.

 

Na web, Camafeu foi homenageado por nomes como Gilberto Gil, Daniela Mercury, Luiz Caldas e Tonho Matéria.

 

"Oxalá te receba de braços abertos "Paulinho de Camafeu" meu parceiro de vários sucessos", escreveu Luiz Caldas.

 

"Perdemos Paulinho Camafeu, nosso querido amigo que me deu o prazer em gravar essa canção", disse Gil ao compartilhar um registro de Ilê Aiyê.

 

Foto: Reprodução / Instagram

 

"Paulinho foi uma luz para a musicalidade do bloco afro. Foi quem primeiro perguntou, cantou, indagou e revolucionou a história do bloco afro na década de 70. A maior expressão musical do Carnaval negro conhecido como Ilê Aiyê, ganhou como troféu e legado, a música "Que Bloco é Esse" que ajudou a inspirar Gilberto Gil a criar o projeto Refavela. Gil não só se inspirou como gravou a canção daquele jovem chamado Paulinho Camafeu, que um dia seria seu compadre", escreveu Tonho.

 

 

Histórico de Conteúdo