Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Após discurso anti-vacina, Sikêra Jr. recebe 1ª dose da Coronavac em Manaus
Foto: Reprodução / Instagram

Aos 54 anos e com comorbidades, Sikêra Jr. recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, na tarde deste sábado (17), em um drive thru de Manaus (AM). O apresentador do Alerta Nacional recebeu a Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

 

O momento da aplicação foi registrado em vídeo e publicado por ele em sua conta no Instagram:

 

O irônico é que apesar de ter mudado de opinião recentemente, ele já fez campanha contrária à imunização e teceu duras críticas à “vacina chinesa” em seu programa, no passado.  “Meu corpo, minhas regras. Vocês já devem ter ouvido isso. Porque vão obrigar a gente a tomar vacina, não é? Eu não quero tomar essa vacina. Mas é sério que eu vou ser obrigado? Vou ter que fugir pra um matagal na Amazônia? Pra me esconder? Eu não quero! Eu tenho direito a não querer ser vacinado. É um direito, o corpo não é meu? Eu não quero tomar essa vacina, não sei de onde veio, quem fez? Aliás, a gente sabe de onde veio. Vem da China, todo mundo sabe disso. Quem quiser tomar, pode tomar na jaca, porque eu não vou tomar não”, disse Sikêra Jr., anteriormente. 

 

'PEDI PRA MORRER'

Crítico do isolamento social, Sikêra Jr. chegou a duvidar da gravidade do vírus no início da pandemia, e usou uma máscara de tapa-olho. Porém, ao ser contaminado, em abril do ano passado, ele chorou ao revelar que estava com a doença. "É uma surpresa, né? A gente acha que só pega fogo na casa do vizinho. E a vida me deu essa lição. A gente não acredita enquanto não acontece com a gente, né?", lamentou, durante uma entrevista (assista aqui).

 

Depois de curado, o apresentador da RedeTV! revelou que passou momentos ruins durante o contágio e sua recuperação em casa. Segundo ele, no 14º dia ele quis morrer. A doença o afastou por um mês da apresentação do noticiário Alerta Nacional. "Estava andando com um cilindro de oxigênio. No 14º dia eu pedi para morrer, arranquei tudo que estava comigo e disse: 'Não quero mais viver'", confessou.

Histórico de Conteúdo