Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 17 de Março de 2021 - 00:00

Autora de Amor de Mãe abrirá centro cultural em Salvador: 'Vocação cosmopolita'

por Júnior Moreira Bordalo

Autora de Amor de Mãe abrirá centro cultural em Salvador: 'Vocação cosmopolita'
Foto: Divulgação

Responsável por uma das maiores indagações da teledramaturgia de 2019/2020 e que se arrastou até este ano por conta da pandemia da Covid-19, a autora Manuela Dias finalmente fará com que a dona Lurdes (Regina Casé) descubra em breve onde "está seu Domênico" (Chay Suede) em Amor de Mãe, novela da Globo, que voltou a exibir capítulos inéditos nesta segunda-feira (15). Contudo, se na ficção a revelação trará um "sacode" para o enredo da trama, na vida real, a escritora baiana - aproveitando a visibilidade alcançada por ser responsável por um dos principais produtos da emissora - também agitará a cena cultural de sua cidade natal, Salvador.

 

Em entrevista ao Bahia Notícias, a também jornalista, formada pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), revelou que se juntou a dois amigos, os empresários Marconi Patterson e Angela Castanheira, para comprar um casario no bairro Santo Antônio Além do Carmo com o objetivo de fazer um centro cultural. A ideia é ter um espaço que abrigue teatro, galeria de arte, bistrô, sala de leitura com cursos rápidos, além de residência artística e gastronômica.

 

O conceito ainda está sendo ajustado, mas o objetivo é ter um sistema de ocupação em todos os espaços. “A Bahia tem uma identidade cultural forte e uma clara vocação cosmopolita, nós queremos fomentar esse diálogo artístico de Salvador com centros e movimentos culturais do mundo, sem perder nossa maior referência que é a cultura baiana, claro”, contou a autora.

 

Esta ideia de trazer o olhar do entretenimento nacional para Salvador já vem sendo defendida há algum tempo por empresários, agitadores culturais e estudiosos. Nos últimos anos, algumas ações passaram a acontecer nesse sentido, como a gravação da novela Segundo Sol (2018), os clipes de artistas de fora da cena local, como Anitta ("Bola Rebola" e "Me Gusta") e Silva ( "Brisa" e "Pra Vida Inteira"), além de estreias nacionais de peças teatrais, a exemplo do recital de Regina Casé (2019) lá na Barroquinha.

 

Inclusive, um dos defensores dessa “nova visão” e diretamente ligado aos eventos citados, o empresário e publicitário baiano Pedro Tourinho falou recentemente sobre o assunto. Ele cuida de duas empresas do ramo do entretenimento, Soko e MAP Brasil, que agenciam mais de 40 artistas, dentre eles os já citados Anitta, Regina Casé e Silva.

 

“A cultura popular da Bahia sempre se manteve viva e hoje ela, ao meu ver, se conecta com algumas narrativas globais ligadas à cultura diaspórica da África. Acho que a gente está chegando no momento de integração da cultura da Bahia com essas narrativas globais que eu acredito que um tempo atrás não era possível, por não existirem essas narrativas globais com tanta força”, disse em recente entrevista ao Correio.

Histórico de Conteúdo