Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Segunda, 11 de Janeiro de 2021 - 11:34

Ícone da Axé Music: Morre Ademar Furtacor após longa batalha contra câncer

por Júnior Moreira Bordalo

Ícone da Axé Music: Morre Ademar Furtacor após longa batalha contra câncer
Montagem: Bahia Notícias

O cantor e tecladista Ademar Andrade, da banda Furtacor, faleceu na manhã desta segunda-feira (11). O artista estava na batalha contra um câncer há anos. A notícia foi dada pelo músico e amigo pessoal, Alexandre Leão, nas redes sociais. "Depois de muita, muita luta, muita vontade de viver, nosso querido Ademar Furtacor, descansou. Foi um ídolo e uma referência para minha geração. Vá em paz, meu amigo", escreveu. 

Em contato com o Bahia Notícias, o compadre de Furtacor, o músico Fabio Rocha, detalhou que o falecimento aconteceu na própria residência do artista. "Os túmores cresceram e não tinha mais o que ser feito. A pedido da família - entendendo que seria mais confortável para todos - ele passou as últimas semanas em sua casa", explicou. Os dois eram amigos desde 2005. "É muito triste, ele foi um parceiro que a música me deu, tanto que batizou minha filha", lamentou. 

 

No ano de 2018, Furtacor, que já estava na luta contra o câncer, fez uma postagem no seu perfil do Facebook pedindo ajuda para pagar os exames de imagem (relembre aqui). Na época, o secretário da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Fábio Vilas-Boas, informou ao Bahia Notícias que entrou em contato telefônico com o artista e disse que a Sesab iria realizar todos os procedimentos necessários para o tratamento, que já durava oito anos (relembre aqui). 


Ademar Furtacor se destacou na década de 1980 no cenário baiano do axé ao som das músicas “Frenezi”, “Negra Dourada”, “Demônio Colorido” e “Eu Amo Amar Você”. Desde 2010 está afastado dos palcos. Neste ano, ele teve um câncer no ânus com amputação do mesmo, passando a utilizar um ostoma (orifício na barriga) e uma bolsa de colostomia para o resto da vida. Já em 2012, teve um infarto com duas paradas cardíacas, perdendo parte da função cardíaca e capacidade respiratória. Já no ano de 2015, teve metástase do câncer no fígado. 

Histórico de Conteúdo