Manno Góes chama ACM Neto de 'anão' e 'caloteiro' ao cobrar direitos autorais
Foto: Divulgação

O músico Manno Góes voltou a cobrar do prefeito de Salvador, ACM Neto, os pagamentos de direitos autorais aos compositores que têm suas músicas nos repertórios das festas municipais. A nova queixa do artista foi feita no Facebook, com um longo texto contendo palavras de baixo calão, além de se referir ao gestor da capital usando adjetivos como “anão” e “caloteiro”. “Faz cinco anos que a prefeitura de Salvador - leia-se ACM Neto (o herdeiro do avô-bandido maior do Nordeste), não paga direitos autorais. Cada compositor de cada música que você ouviu e ouve em shows em Salvador - seja de Nando Reis ou do Psirico - não ganha direito autoral porque Neto - o aliado de Temer (aquele que diminuiu seu salário), não paga os autores. Neto, o amigão de Aécio, no alto de sua vigarice e prepotência, acha que autores não valem nada”, reclamou Manno Góes, que atualmente está afastado do movimento musical Alavontê e atua como diretor vogal da União Brasileira de Compositores (UBV). Manno ainda diz que artistas "babam ovo" do gestor ao serem contratados para as festas da cidade só porque foram pagos pelos shows e aponta que a suposta dívida de direitos autorais do município seria de R$ 30 milhões. "Tava aonde esse dinheiro? Na mala do amiguinho?", sugere, fazendo relação com os R$ 51 milhões apreendidos em um apartamento de Salvador atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima. "Salvador um dia terá que pagar", completa. Essa não é a primeira vez que o cantor faz cobranças em redes sociais ao prefeito. Em outubro de 2016, Manno citou no Facebook as razões pelas quais não votaria em Neto (lembre aqui), mostrando indignação com os artistas baianos, e chamndo-os de "lambe c..." do político.

Histórico de Conteúdo