Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Terça, 14 de Junho de 2022 - 11:10

Ildazio Jr.: Circuitos – Ter ou não ter, eis a questão!

por Ildazio Jr.

Ildazio Jr.: Circuitos – Ter ou não ter, eis a questão!
Foto: Jotta Fotográfo

Ai, ai... Existem assuntos hoje em dia que, sinceramente, me dão canseira. Como Lula x Bolsonaro, terceira via, Anita x Sertanejos, influencers (“os vazios!!”), coach e, claro, Felipe Neto, o novo fiscal político do planeta! Bom, seguindo o baile, nada provocou tantas notas na imprensa e pano para manga nesses últimos dias do que a mudança, mais que necessária, do circuito Dôdo da Barra para a futura renovada orla da Boca do Rio – leia-se área do Centro de Convenções. Lá, blocos e os big camarotes pretendem se instalar.

 

Achei muito bom, mas tenho que levar vocês a refletirem e entenderem que se trata do carnaval comercial para muitos turistas, alguns baianos (estatisticamente a maioria viaja) e extremamente necessário para nossa economia. Porém não se configura como todo carnaval da cidade, que é muito maior e merece, claro, mais atenção por conta da infra a ser montada. Destarte a iniciativa privada ter que ter toda atenção possível e condições para se sentir à vontade para maiores investimentos no período momesco e assim gerar emprego, renda e justo lucro! 

 

Agora uma reflexão pra geral que curte o “chão da praça”: para mim esse lance de circuito A-C-A-B-O-U. Pelo amor de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, acabou como acabou mamãe-sacode, mortalha e lança-perfume. Pois circuito de carnaval eu faço, tu faz, ele faz, nós fazemos, vos fazeis e eles fazem e ponto final! Cada tribo escolhe o que quer e vai ser feliz diante de suas peculiaridades e fim de papo, fera ferida! Cabe a quem promove e investe na festa entender o cenário, assim como ofertar produtos que turistas e locais se encantem e queiram pagar em seus diversos níveis de possibilidades de ticket. Porque, sinceramente, me diga aí se você, folião e leitor do BN, quer ser tocado que nem gado por questões puramente comerciais: tomar tal cerva, ir para tal circuito, ouvir tal banda... que foram escolhidas pela vontade de uma autarquia (pela qual nada tenho contra). Porém, penso ser algo impositivo, insosso e sem a real leitura do que o povo quer, e isso hoje importa, muito. E melhor: dá voto! 

 

Enfim, vamos ao que interessa. O astuto Bruno Reis, nosso alcaide, já deu a senha apresentando o projeto da nova orla da Boca do Rio e disse que, por ele, inova no item “circuito” e que se os atores decidirem tudo certo! E quer saber? É o melhor que fazem os empresários, pois suas operações são exitosas e onde quer que estejam localizadas serão sucesso. Além de estarem indo na tendência nacional de carnaval de se ter vários hot spots na cidade, com diversas festas de vários escopos, muito legais e, o melhor, para todos os gostos e bolsos. Mesmo porque, voltando a falar da Barra, ela precisa descansar, recuperar sua beleza, charme e funcionalidade comercial e turística!

 

Venho nessa cantilena há um bom tempo, e que bom que os empreendedores do entretenimento baiano, que sempre foram avessos a críticas (e às minhas, então...), já sacaram a nova próspera possibilidade. E como eles que regulam o mercado, tá muito fácil para se construir uma nova realidade comercial, com toda a bagagem e aprendizado de anos na Barra, e simplesmente serem extremamente inovadores e lucrativos nesse novo endereço!

 

Sinceramente, não vou soltar foguetes, mas vou botar uma fé que essas manobras somadas a ações em bairros com grandes atrações irão redesenhar algo fenomenal. A maioria pode não ter se tocado que é um passo para a renovação, não só da festa, mas artística, da excelente música baiana que adiante vai!

 

Rogo aos orixás que assim aconteça e se assente cada um em cada um e tenhamos uma festa maravilhosa como sempre, de novo enchendo de alegrias e riquezas esse pobre alegre estado! 

 

Axé!

Histórico de Conteúdo