Sexta, 29 de Novembro de 2019 - 13:50

Ildazio Jr.: Por uma Bahia repaginada

por Ildazio Jr.

Ildazio Jr.: Por uma Bahia repaginada
Foto: Henriqueta Alvarez / Divulgação
Estamos vivendo uma nova era, ou como todos comentam em cada esquina, novos tempos! Tempo este em que as individualidades começam a dar espaço aos coletivos! As “tribos” se subdividiram em inúmeras tribos menores, com mais identificação ainda, porém muitas delas ainda têm que quebrar com preconceitos irritantes desta mancha de conservadorismo que insiste em querer tomar conta da cena sem se tocar que não cabe e, principalmente na nossa Bahia, jamais passarão!
 
Enfim, se essa galera jovem baiana que cobra tanto, e alguns bem radicais e extremistas, que os deixem viver em paz em sua onda, ou melhor, que todo mundo é igual (claro!) e faz o que bem quer da vida ou de seu corpo, precisa acordar e não só defender a si e ao seu coletivo, mas defender sua terra, mudar de vez com esse processo que há mais de 20 anos insiste em nos diminuir, quer seja com a falta de segurança, de infraestrutura física, social, quer seja no nosso turismo!
 
Sim, puxei a conversa pelos mais jovens porque só com a ligadíssima interferência deles que as coisa podem mudar para sermos mais felizes no campo do turismo. Acreditem! Em uma terra com tantas belezas e atrativos, sem terremoto e furação, temos que nos antenar para uma das maiores fontes de divisas do planeta que por aqui está, repito, está relevado à quarta, quinta estância, mesmo tendo 18% da população ativa desempregada. E como esses hoje mais novos daqui a alguns anos terão as rédeas nas mãos, por serem mais sensíveis e humanos, poderão repaginar essa terra tão cultural e Sui generis. Pois sinceramente hoje vejo poucas iniciativas que valorizem, vendam e tragam informação, cultura e divisas para nossa terra desses que ora comandam o setor.
 
Inexplicável o baixo investimento do governo estadual no segmento que poderia mudar a cara do estado, difícil de entender! Salvador, com sua ativa prefeitura, está fazendo acontecer de maneira mais efetiva com seu Centro e Convenções, recuperação do Pestana, e as obras pelo centro histórico – que pelo visto está tentando preservar a história da Avenida Sete e do Centro histórico! Receber turistas é misturar culturas, ou seja, o máximo, mas como fazer isso se nem os poderes públicos ajudam? E fica pior quando sua população não colabora e não consegue enxergar o que o país e o mundo vêem, numa cegueira de marketing absurda de alguns governantes e complexo de vira lata por uma parte de seu povo! Os jornais mais importantes do mundo exaltam nossa cultura e beleza, a mídia em geral estrangeira se derrete com nossas riquezas culturais e inúmeras belezas naturais, mas o povo insiste em não valorar. E o pior, tem alguns que nem Salvador conhecem além de seu playground, mas...
 
Nos resta apostar que com essa nova geração que se valoriza tanto, com tantas atitudes, trajes, styles e se mostra a cada dia mais cosmopolita contamine e interfira nos que estão no poderes público e privados e assim, juntos, venham a recuperar esse destino cultural maravilhoso que é a Bahia. E aí sim, ao final de 10 anos, seremos prósperos, organizados, efetivos e eficazes!
 
Ilds


Histórico de Conteúdo