Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Rússia diz ter matado 500 soldados ucranianos em apenas uma noite
Foto: Reprodução / Twitter

O Ministério da Defesa da Rússia afirmou na manhã desta terça-feira que matou 500 soldados ucranianos na noite anterior, afirmando que sua Força Aérea atingiu 87 alvos militares no país, que invadiu em 24 de fevereiro. A Ucrânia ainda não se pronunciou sobre a alegação.

 

"Durante a noite, mísseis aéreos de alta precisão das Forças Aeroespaciais russas atingiram quatro instalações militares da Ucrânia, incluindo duas áreas de concentração de mão de obra e equipamento militar do inimigo, bem como dois depósitos de munição perto de Kurulka e Novaya Dmitrovka, na região de Kharkov. A aviação operacional-tática e do Exército atingiu 87 alvos militares da Ucrânia. Entre eles, 79 áreas concentram mão de obra e equipamentos militares", informou o  ministério em comunicado, segundo o Globo. 

 

Nas redes sociais, as forças russas compartilharam um vídeo que seria de um projétil atingindo uma base de armazenamento e reparo para as Forças Armadas ucranianas. No local, haveria munições, armas, documentação e outros equipamentos pertencentes aos militares ucranianos. O mesmo vídeo também mostra tanques russos e outros veículos em ação.

 

Nesta segunda-feira, o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, acusou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, de "fingir" que está negociando um acordo de paz, mas assegurou  que Moscou continuará as negociações.

 

"Ele é um bom ator. Se você olhar com atenção e ler atentamente o que diz, encontrará milhares de contradições — disse Lavrov, citado por agências de notícias russas."A boa vontade tem limites. Se ela não for recíproca, não contribui para o processo de negociação. Mas continuaremos negociando com a equipe enviada por Zelensky, e os contatos continuarão", apontou.

Histórico de Conteúdo