Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Quarta, 12 de Maio de 2021 - 00:00

Após corte de 19%, Ufba admite risco de suspender atividades em 2021

por Ailma Teixeira

Após corte de 19%, Ufba admite risco de suspender atividades em 2021
Foto: Reprodução/ ufba.br

Com os cortes feitos pelo governo federal no ensino superior, o orçamento da Universidade Federal da Bahia (Ufba) sofreu um corte de 18,7% em 2021 se comparado aos números de 2020. Em valores absolutos previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA), a dotação prevista para as despesas discricionárias da instituição é de R$ 132.814.289,00. No ano passado, essa previsão era de R$ 163.308.544,00. A redução da receita pode suspender as atividades da universidade.

 

As despesas discricionárias são as contas estruturais, como pagamento de água, luz e segurança da instituição, bem como os investimentos e assistência estudantil.

 

Procurada pelo Bahia Notícias, a assessoria de imprensa da Ufba demonstrou que nas ações de assistência estudantil o corte foi ainda pior: 20%. "Com o veto presidencial, que afeta recursos de capital, o corte alcançará R$34.878.292,00 (21,4%)", disse a universidade em nota.

 

O cenário é o mesmo enfrentado pelas demais universidades federais do país, como mostra uma reportagem publicada pelo jornal O Globo, na última semana. Segundo a matéria, levando em conta as correções do IPCA, os cortes no ensino superior equiparam o orçamento de R$ 2,5 bilhões deste ano para as 69 universidades do Brasil com o valor destinado às 51 instituições existentes em 2004 (saiba mais aqui e aqui).

 

No caso da Ufba, a equiparação é com o orçamento de 2010, que chegou a ser maior: R$ 133.881.087,00. Com isso, a universidade admite que há risco de paralisação por falta de verbas para custear o funcionamento da instituição, mas reforça que a administração tem dedicado esforços para reverter a situação. "Tais esforços incluem, além das imprescindíveis medidas administrativas, expor à sociedade o projeto de destruição do ensino público que está por trás dos cortes, que podem, sim, inviabilizar o funcionamento normal das universidades públicas", defende.

 

Imagem: Divulgação/ Ufba

 

Diante desse quadro, a instituição anunciou um ato, que será realizado na próxima terça-feira (18), de forma virtual. Transmitido pelo Youtube da TV Ufba, o manifesto visa denunciar o "desmonte de políticas públicas e a destruição em curso do sistema educacional brasileiro".

Histórico de Conteúdo