Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Há 'resistência' à compra de doses por setor privado antes das prioridades, diz Pacheco
Foto: Beto Barata/ Agência Senado

Uma das pautas discutidas na segunda reunião do comitê federal de combate à pandemia, nesta quarta-feira (14), foi o projeto de lei que permite a aquisição de vacinas contra a Covid-19 pela iniciativa privada antes que o Programa Nacional de Imunização (PNI) conclua a vacinação dos grupos prioritários. Já aprovado na Câmara dos Deputados, o PL agora tramita no Senado.

 

"Esse projeto está sendo discutido no âmbito do Colégio de Líderes no Senado. Reconheço muita resistência dos senadores em relação ao andamento do projeto, mas estamos avaliando", admitiu o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira (14).

 

Na ocasião, ele, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o deputado federal Dr. Luizinho (PP-RJ) apresentaram os tópicos discutidos na reunião feita mais cedo. Luizinho representou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que esteve ausente por conta da morte do colega Schiavinato (PP-PR), primeiro deputado em exercício a morrer por complicações da Covid-19 (saiba mais aqui).

 

Luizinho é autor de outro projeto de lei, prestes a ser apreciado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O PL em questão, também abordado na reunião, aborda a possibilidade de credenciamento de leitos de UTI pela iniciativa privada.

 

Além disso, o encontrou discutiu a ampliação da residência médica no Brasil - de acordo com Queiroga, 600 vagas serão abertas para formação de médicos intensivistas, enfermeiros e fisioterapeutas -, o novo programa de manutenção de empregos e a antecipação de doses da vacina da Pfizer, que agora deve entregar 15,5 milhões até junho (veja aqui).

Histórico de Conteúdo